26 de jan de 2017

A verdade do Programa Apollo.



Entrevista de Jeff Rense com um extraordinário informante insider, o engenheiro aeroespacial William Tompkins que serviu na Marinha dos EUA em projetos secretos e depois trabalhou nas maiores empresas aeroespaciais dos EUA desenvolvendo grandes espaçonaves para um Programa Espacial Secreto-SSP-Secret Space Program. Agora, aos 93 anos, lúcido e com muita saúde, Willian Tompkins veio à público para expor os projetos secretos, ele trabalhou nesse objetivo em sua autobiografia recém-lançada, “Selected by Extraterrestrials: My life in the top secret world of UFOs, think-tanks and Nordic secretaries”

Tradução, edição e imagens: Thoth3126@protonmail

Entrevista com William Tompkins, sobre aliens Tall Whites, a verdade sobre o Programa Apollo e MUITO MAIS….


Jeff Rense: Está bem. Hoje é segunda-feira. Eu te avisei. E é a última segunda-feira de agosto como nós já tropeçamos em setembro e então outubro e então Doomsday, 8 de novembro (dia da eleição de Donald Trump). Nós vamos descobrir se a América sobreviverá ou se será derrubada, demolida e dominada como uma pilha de escombros social, histórico, político, patriótico. Estamos literalmente na encruzilhada final. Isso é o que está acontecendo. Então preste muita atenção. Vamos acompanhar isso o melhor que pudermos. 

A autobiografia de William Tompkin “Selected by Extraterrestrials: My life in the top secret world of UFOs, think-tanks and Nordic secretaries” está disponível na Amazon.com

E esta noite temos um notável amigo nosso e um amigo seu. Seu nome é William Tompkins. Bill foi um convidado do programa várias vezes. E se você olhar para o lado direito da nossa página para você, Rense.com, você encontrará uma seção inteira sobre Bill Tompkins e nossas conversas anteriores. Esta noite teremos outra entrevista. 

É uma viagem inteira. Você pode saltar em cada uma delas e fazer uma pequena viagem que a sua mente vai agradecer. Coisas extraordinárias são discutidas e faladas – coisas que talvez não deveriam ser contadas, mas são. Aos 93 anos Bill não está prestes a desacelerar neste momento. Lembre-se sempre de que quando pensamos no espaço exterior, no espaço interior, nos oceanos, nos mares, na terra, não importa se há água à sua volta, e há algo acontecendo com respeito às operações militares, privadas, operações ocultas e secretas, operações ultra-secretas. 

E quase invariavelmente é sempre com a Marinha – a Marinha dos EUA – a Marinha dos EUA no espaço sideral e exterior. Está aqui. A Marinha dos EUA está em toda parte. E muitos de vocês passeiam em Palm Springs. É um lugar notável. Você olha quase aparentemente em linha reta acima e você tem montanhas enormes mesmo lá – Mt. San Jacinto. Muito bonito. É também, curiosamente, o assunto de parte de nossa conversa hoje à noite. E eu não posso esperar para descobrir o que Bill Tompkins tem a dizer sobre San Jacinto. Olá, Bill, bem-vindo de volta. Como você está?

William Tompkins: Ei, eu estou muito bem. Olhando para a frente, para o programa.

Jeff: Bom. Bom. E agora para aqueles de vocês que não sabem, Bill tem uma história de sua longa vida que temos coberto muitas vezes, e espero que você vai voltar e ouvir os outros programas e entender que este homem viveu a história como poucos outros o fizeram. 

Ele também tem vivido uma longa vida onde nos estamos, que é. . . nós tivemos um monte de conversa muito interessante, bem,. . . Sem coincidências, lembre-se, mas conexões incomuns. E é sempre divertido falar com Bill. Parece um velho amigo, e em muitos aspectos, acho que somos amigos. 

Willian, o que você ouviu de pessoas que ouviram os programas anteriores? O que você está recebendo em termos de feedback? Que tipo de comentários das pessoas?

Bill: Ah, realmente interessante. Recebendo ligações da França e recebendo chamadas da Rússia, e. . .

Jeff: Sério

Conta: . . . É claro, os Estados Unidos. É incrível.

Jeff: Uau!

Bill: Então todos os seus esforços para conseguir disseminar o programa em torno do planeta foram certamente bem sucedidos, e eu estou espantado. É extremamente interessante o retorno que estamos recebendo.

Jeff: Bem, sim. Isso é bom. E é verdade, e eu tenho consciência disso vagamente, mas este programa é ouvido literalmente em todo o mundo. E onde quer que você esteja no mundo, nós realmente apreciamos sua presença. E o que temos para oferecer ao mundo, eu acho, é de grande interesse para todos ou você não estaria escutando. Temos ouvintes russos. Temos uma enorme audiência na Austrália, Grã-Bretanha – em todo o mundo. Pessoas que estão percebendo, finalmente, que as coisas não são como elas nos contaram.

A 26 de março de 1941 em artigo publicado no jornal Evening Outlook de Santa Monica mostra Tompkins explicando seus modelos de navio para o Capitão da Marinha G.C. Gearing, comandante do Distrito Naval 11 em San Diego, Califórnia.

E ouvir pessoas como Bill Tompkins, que é único, nos diz o que realmente está acontecendo e, pelo menos, nos dá informações de que podemos pensar e processar e criar nossas próprias reflexões. Sabemos uma coisa, inequivocamente, e é que o governo e os militares dos EUA sempre mentiram e mentirão para nós. Essa é apenas a natureza da besta. Eles não vão compartilhar. Tão bom, Bill. Pessoas na Rússia chamando. Muito interessante. Muito interessante.

Bill: Bem, parece que talvez o que devemos fazer é recuar um pouco e abrir este programa. Há um . . . Deus, há uma coisa realmente importante que eu acho que todos nós precisamos fazer. . . Precisamos abordá-lo. Precisamos tentar nos relacionar com ela.

Jeff: Claro. Vá.

Bill: Este universo é um lugar muito, muito grande para ser. OK?

Jeff: Sim.

Bill: Até 200 bilhões de galáxias existem lá fora. Nós não falamos sobre sistemas planetários como o sistema solar.

Jeff: Agora estas são galáxias como a Via Láctea. Estas são galáxias – 200 bilhões de galáxias. Finalmente.

Bill: Galáxias.

Jeff: Ha, ha.

Bill: Pelo menos 200 bilhões. E temos bilhões de estrelas em nossa própria galáxia, a Via Láctea. Oh meu Deus. E assim, para que possamos adotar essa abordagem, que, infelizmente, fomos enganados como você disse, de que não há outras pessoas (extraterrestres) lá fora no universo, só nós. É meio inocente.

Jeff: Isso é ridículo é o que é. É absolutamente absurdo até mesmo dizer algo tão burro quanto isso. Bom Deus!

Bill: 200 bilhões de galáxias, todas com bilhões de estrelas. Meu Deus! E essas estrelas. . . A maioria dessas estrelas tem planetas. . .

Jeff: Sim. 

Bill: . . . Como o pequeno sistema solar que temos.

Jeff: Certo.

Bill: A maioria deles tem duas estrelas (sistemas binários são muito comuns). Alguns deles ainda têm três estrelas. Isso seria um lugar difícil de se viver. Você não saberia se é dia ou noite.

Jeff: Três sóis.

Bill: Sim.

Jeff: Como seria selvagem? Um (sistema) binário (de sóis) seria difícil o suficiente, mas três? Sim. Uau!

Bill: Uau! Mas apenas para pensar que somos parte desta situação e que algumas espécies (aliens) navegam, certamente não apenas na Via Láctea galáxia, mas todas essas outras galáxias, provavelmente, há bilhões de anos. E então estamos apenas tocando a ponta do iceberg quando estamos falando sobre esse assunto.

Jeff: Sim.

Bill: Eu acho que as pessoas devem escrever esse número e de vez em quando basta olhar para ele, e parar e pensar no que estamos agora visualizando. Podemos sair para o deserto. Podemos sair da cidade apenas, em uma noite clara agradável, e olhar acima no céu. Há centenas de milhares de estrelas que podemos ver. Oh meu Deus! Sabe, é fantástico. Mesmo a astronomia é fantástica. E nossa posição nisso é incrivelmente mais importante do que talvez pensemos. Mas agora estamos aprendendo o que está acontecendo. E eu acho que quanto mais pudermos discutir isso – todo este assunto – eles melhor que todos nós vamos ser. E meio que hoje à noite, eu não sei o que vocês vão dizer, mas gostaria de falar sobre a própria galáxia.

Reprodução da nossa GALÁXIA VIA LÁCTEA

Jeff: Oh, tudo bem.

Bill: E um pouco sobre onde estamos nisso. E, essencialmente, a situação de dizer um caso hipotético onde você vai aceitar que outras pessoas humanas estão lá fora, na galáxia. Eles estão navegando pela galáxia. Alguns deles são apenas netos com seus avós em uma espaçonave de cruzeiro, uma espaçonave de cruzeiro viajando pela galáctica, cruzando a galáxia sendo uma bola. Outros estão vindo aqui, eles dão uma olhada em nós, eles não prestam muita atenção e eles vão embora para o resto de sua viagem.

Jeff: Então o turismo (galáctico) existe com base no que você está descrevendo. Tenho muitas vezes cutucado divertidamente que o conhecimento de que os extraterrestres que vêm aqui como turistas e iria ser um show bastante divertido para eles neste planeta. Ha, ha.

Bill: Você está certo. Sério. E então, eu acho que quando eles poderiam realmente apenas perceber como nós não necessariamente nos damos bem um com o outro, eles poderiam estar rindo durante todo o caminho para a próxima parte da galáxia.

Jeff: Sim. Eu concordo com você.

Bill: Isso pode ser divertido.

Jeff: Quantas galáxias novamente? Agora, tenha em mente quando você olha para a Via Láctea, amigos, e ela se estende de horizonte a horizonte, uma faixa desses pontos brilhantes e concentrados de luz, essa é a nossa pequena galáxia, relativamente falando. É um lugar enorme nesta galáxia. Quantas galáxias. . . Diga-lhes novamente sobre o que já sabemos ou podemos projetar lá fora, no universo conhecido.

Bill: Temos mais de 200 bilhões de galáxias, todas com bilhões de estrelas. E eu acho que isso é realmente importante para nos dirigir para nos livrarmos desse cotidiano em que somos forçados e parar e pensar que agora temos essa oportunidade, por exemplo, de nos juntarmos a outras raças (Tall Whites) nórdicos e de entrar na galáxia com eles. Sem todas essas coisas sobre guerras acontecendo e o lado ruim, mas parar e pensar em nossas oportunidades ao virar da esquina. Nós seremos capazes de viajar em espaçonaves de cruzeiro para fora da galáxia nós mesmos. Acho que isso não é exagerado.

Jeff: Em nossa galáxia Via Láctea. Não seria maravilhoso ser capaz de fazer um cruzeiro pela Via Láctea? Uau! E isso provavelmente está sendo feito, como Bill está dizendo, por outras formas inteligentes de vida nesta galáxia agora. Explicaria certamente algumas das embarcações enormes que nós vimos em nossa atmosfera perto do nível do solo – nave enorme, nave enorme. Pense nas luzes de Phoenix. Estas embarcações tem mais de uma milha de largura algumas delas. Apenas são enormes. E poderiam ser espaçonaves de cruzeiro por tudo o que sabemos. É verdade e é uma coisa incrível para contemplar. 

Estamos sendo mantidos, Bill, em um pequeno dedal, uma grande prisão mental, pelos controladores deste planeta. Temos um direito de primogenitura de saber o que você acabou de mencionar. Temos uma primogenitura de pensar sobre a enormidade absoluta sobre vida em 200 bilhões de galáxias, cada uma com bilhões de estrelas como o nosso próprio sol. Não pensamos nisso. Nós não conversamos sobre isso. Não nos dizem nada sobre isso. Não somos encorajados a refletir sobre isso. Somos encorajados a sentir-nos e sermos subservientes (escravos), presos em dívidas e sob grande estresse o tempo todo neste pequeno microcosmo que chamamos de planeta Terra.

Bill: Bonito. Bem colocado. Sério. É espantoso. E, na verdade, o que vamos fazer, em vez de ser negativo, vai ser muito divertido. Você vai gostar do que acontece.

Jeff: Estou pronto.

Bill: Eu apenas. . .

Jeff: Estou pronto para ir.

Bill: Estou pronto para me inscrever agora. Ha, ha, ha.

Jeff: Ha, ha, ha. Bem, Bill,. . . Se você não sabe, Bill Tompkins tem já 93 anos, provando mais uma vez que o que eu sempre disse, é apenas um número. Se você cuidar de si mesmo, se você comer direito e talvez ter o tipo de conexões que Bill tem, não há nenhuma razão para que não possamos viver muito mais tempo do que uma pessoa média. Eu vi algo hoje. Alguém morreu, alguém com 52 anos de idade – algum ator de TV. Vamos. Isso está sendo roubado, enganado. Devemos ir a 80, 90 facilmente, e estar no controle total de nossas faculdades, e você disse que isso poderia ser tão divertido. 

Vou colocar um sinal no meu gramado. “Estou pronto! Terra aqui! ” Seja o que for. Há um monte de pessoas ouvindo que provavelmente estão dizendo muito a mesma coisa. Seria maravilhoso sair deste lugar – a mudança em nossa perspectiva, e nossas esperanças e sonhos seriam instantâneos. E muitas pessoas, contatados, abduzidos, tiveram essa experiência para melhor ou pior. E há pessoas lá fora nos ouvindo agora que sabem a verdade. É como ter, o que eu fiz, eu tinha. . . Eu chamo-lhe uma experiência após a morte quando você percebe que não há morte, quando você sair deste planeta e perceber que há vida em toda parte. É uma mudança instantânea que você nunca pode retirar. Vá em frente, Bill.


Bill: Bem, eu concordo com você 100%, realmente. E o fato de estarmos nesta curva de aprendizado, que agora está sendo indo direto nos gráficos, estamos sendo expostos à realidade. Estamos sendo . . . Estamos aprendendo o que deveríamos ter aprendido na universidade e nas escolas, mas isso não foi ensinado porque essas pessoas estavam nos controlando e nos dando um tempo difícil. Eu acho que tentar, como você disse, tentar sair dessa atmosfera pelo lado positivo. Há um monte de coisas realmente maravilhosas acontecendo e tipo de tenta colocar toda essa coisa juntos. 

Quando falamos sobre as galáxias e falamos sobre o número de pessoas ou civilizações diferentes que poderiam estar lá fora, na verdade, precisamos olhar para as nossas oportunidades. E a situação com alguns extraterrestres que estão nos ajudando e eu odeio voltar a apenas um par de três pessoas de volta em Douglas Aircraft no programa Apollo, mas eu tenho que falar a respeito porque esses três (aliens Tall Whites-Brancos Altos) seres que estavam nos ajudando eram os povos nórdicos, essencialmente nossos primos se você quiser dizer a verdade. Eles vêm de uma parte diferente do braço da Via Láctea onde estamos todos nós. E aliás, estamos num lugar muito remoto.

Jeff: Sim.

Bill: Quero dizer nossa localização nesta galáxia da Via Láctea. . . Nós estamos como fora na ponta de um dos braços da galáxia.

Jeff: Sim.

Bill: Nós não estamos no centro, onde toda a ação acontece.

Jeff: Ha, ha, ha.

Bill: E então vamos lá. Eu quero dizer . . . E assim as oportunidades são tremendas. E assim para abordar essas três pessoas aliens (Tall Whites) nórdicos cuja contato não foi nada negativo por quase quatro anos. Queriam que nós tivéssemos sucesso no programa Apollo. E quando falamos sobre o programa Apollo, eu não gosto de repetir coisas, mas acho que é algo que suporta. . .

Jeff: Está tudo bem. É bom repetir.

Bill: Só ir à Lua não era (TODO o objetivo) o programa Apollo. O OBJETIVO do programa Apollo foi:
Fase 1, foi construir uma base naval de pesquisa e operação para 10.000 homens na Lua (no lado oculto), só que estava dentro, porque nós íamos construí-la no subsolo (da Lua). Essa foi a Fase 1. 
Fase 2 do Apollo foi a construção de estações navais em cada planeta (Marte) habitável no sistema solar ou de suas luas. OK? 
Fase 3 era fazer exatamente a mesma coisa nos sistemas solares das 12 estrelas mais próximas (ao nosso sistema solar). 

Acabamos de explicar a verdadeira missão Apollo. Então, quando estávamos tentando reunir requisitos para um veículo ou para lançar o veículo (Space Shuttle) ou para uma missão, não estamos apenas abordando chegar lá. Estamos abordando todas as coisas que precisamos fazer, porque eram trampolins para a Fase 2 e Fase 3. Então, quando nós fomos abatidos. . .

Jeff: Uma questão para nossos ouvintes. Então segure esse pensamento, “Quando nós fomos abatidos. . . “Uma pergunta para nossos ouvintes. Eu acho que o que você está colocando claramente sobre a mesa é o simples fato de que o programa da NASA Apollo, como foi apresentado e comercializado para o público, era essencialmente uma diversão. 

O programa real estava em uma segunda faixa, completamente escondida (secreta). O programa space shuttle foi uma diversão. As tragédias (com o ônibus espacial) não foram planejadas, mas aconteceram. Este é um campo realmente interessante para todos vocês que talvez sejam novos para Bill Tompkins. Há um outro aspecto do homem no espaço que nunca nos foi dito sobre o que Bill está nos dizendo e compartilhando conosco. E é importante ter isso em mente. O que você é alimentado em termos de informação normal do governo e das forças armadas muitas vezes revela pouca semelhança, se é que há semelhança, com a realidade. Vá em frente, Bill. Você disse: “Quando nos derrubaram. . .” O que você quis dizer?


Bill: Está bem. O que eu quis dizer foi quando os povos aliens Draco-Reptilianos que já estavam lá (em uma base extraterrestre no lado oculto da Lua) nos disseram: “Vão em frente e terminem três ou quatro mais de suas missões e não voltem”.

Jeff: Na Lua.

Bill: Na Lua. Agora, vamos voltar um pouco sobre essa parte. Isso não é a nossa Lua. Espere um minuto. Todo mundo diz que a Lua é nossa. Nem sequer é uma lua. A Lua da Terra é um veículo espacial que está estacionado. Eles têm uma grande pickup grande. Eles foram lá e puxaram esta coisa que chamamos de Lua para o sistema solar e então eles a apontaram para nós (a colocaram na órbita da Terra). Agora, pare e pense que a Lua não gira.

Jeff: Não, é bizarro. Ela fica absolutamente fixa em sua posição (em órbita da Terra sempre mostrando a mesma face) para a Terra e não devia.

Bill: Tudo o resto no universo gira. (a Lua) É um centro de comando para um número de diferentes civilizações extraterrestres. E não são apenas os reptilianos que fizeram isso. Provavelmente existem 30 ou 40 diferentes tipos de extraterrestres que estão operando nesse (local, a Lua) particular, o que chamamos de planeta. Ela é apenas um veículo que foi estacionado lá. E está controlando esta região na ponta deste braço da Via Láctea. E então quando você olha para a sua Lua, que não é sua, e então você pára e pensa isso, espere um minuto, talvez este não seja o SEU planeta também, porque um bando de pessoas (extraterrestres) está usando o planeta como um laboratório. 

Então, no programa Apollo, aquelas duas senhoras maravilhosas e aquele cara nórdico saudável (aliens Tall Whites-Nórdicos), que nos ajudaram no (desenvolvimento) programa Apollo para torná-lo bem sucedido por quase três anos e meio. . . Eu acho que (durante) toda a discussão nesses período de tempo com essas três pessoas (aliens Tall Whites-Nórdicos) eles nunca fizeram um comentário negativo. Tudo foi ‘plus’. Tudo era “para” realização – desenvolvimento. Métodos. E, sim, eles são pessoas muito inteligentes. Eles vêm de uma parte diferente da nossa galáxia Via Láctea. Eles são . . . Eles estavam aqui para nos ajudar, mostrando-nos a galáxia e nos ajudar a consertar nosso próprio planeta. 

Estas eram as missões Apollo. Era isso que essas pessoas estavam fazendo. E não houve uma única vez em todo o tempo de contato que houve algo negativo. Tudo foi bem. E para perceber que você tinha essas três pessoas, mesmo que a maioria da engenharia não aceitasse que eram extraterrestres – você sabe que era uma grande piada – eles realmente eram aliens. E eles realmente forneceram as áreas básicas do programa. Sim, eles iriam, nas reuniões, me sugerindo telepaticamente – eles não estavam (fisicamente) na reunião. . . onde estávamos 10 ou 12 de nós discutindo por algum item. Ela desliza a resposta (ao problema discutido na reunião) na minha cabeça. Eu apresento a solução (sugerida) que é a resposta ou a correção para aquela parte do programa Apollo.

Jeff: Uh.

Bill: Venha aqui! Mesmo quando meu chefe de seção assistente e eu estamos no Douglas DC-7 voando até o Cabo Canaveral, onde temos essas instalações sendo construídas para os lançamentos Apollo, e estamos voando lá e perguntando-nos, “Cara, somos nós. . . ? ” O meu assistente me pergunta: “Bill, isso é seguro?” E eu disse: “O que você quer dizer com isso é seguro?“. . . “Para nós dois ir lá? Quero dizer, gatos sagrados, você sabe, ela poderia fazer qualquer coisa lá. Ela poderia vender um programa para o nosso. . . Para a Boeing, a nossa concorrência. Ela poderia vendê-lo para os russos. Realmente, eu acho que eu deveria voltar. “

Jeff: Quem é este? Quem é este, seu assistente?

Bill: Sim, meu assistente chefe de seção.

Jeff: Certo.

Bill: E que era um cara muito amável.

Jeff: E ele ficou preocupado com o que a mulher (alien Tall Whites) nórdica faria. . . Isso é engraçado.

Bill: Nós dois saímos ao mesmo tempo. É que se qualquer um de vocês apenas se visualizar trabalhando nesse programa nós já estávamos trabalhando no espaço. Estávamos trabalhando nos Estados Unidos deixando a Terra e indo para o espaço e trabalhando com outros extraterrestres. Mesmo se você ler a parte no livro, nós estávamos indo lá para nos juntar com outros extraterrestres para negociações comerciais. E nós íamos ajudá-los e eles poderiam nos ajudar. Acho que percebendo que estávamos fazendo isso naquela época e depois indo mais longe para dizer nos anos 40 com o que os operários americanos estavam fazendo, trazendo a informação para o Almirante Rico Botta lá na Estação Aérea Naval de San Diego. . .

Jeff: Espiões que nós estávamos enviando para a Alemanha, que estavam sendo ouvidos. Estávamos recebendo relatos. Essas pessoas foram encaminhadas de volta aqui para os estados. Eram alemães-americanos enviados para penetrar no Terceiro Reich nazista e descobrir o que estava acontecendo lá. Eles voltariam aqui e seriam interrogados e Bill estava no debriefing junto com Almirante Rico Botta na Ilha Norte em San Diego. E eles trariam as informações mais surpreendentes de volta da Alemanha nazista, que você já ouviu falar em nossas conversas anteriores. Certo, Bill, vá em frente.

Bill: Bem, eu não queria estar pulando, mas estou tentando dizer que tudo isso é realmente uma coisa. Tudo isso é um evento, e que os três povos nórdicos que estavam nos ajudando na Engenharia, seu impulso foi para que tivéssemos sucesso no espaço, não no espaço militar, mas no espaço comercial. E eu acho que nós meio que perdemos a intenção aqui.

Jeff: Nós sim. O que é espaço agora, senhoras e senhores? A maioria de vocês diria “militares, satélites espiões, armas no espaço”. E sim, há muitas armas no espaço – armas cinéticas, armas nucleares, quem sabe que tipos de armas. Um monte de coisas. Espaço é essencialmente usado para a defesa, ofensa, espionagem, espionagem sobre você, em todos os tipos de coisas que. . . Realmente não é a principal diretriz que deveríamos seguir ou usar e utilizar no espaço, mas é isso que uma espécie primitiva como a nossa faz.

Um reptiliano DRACO, do sistema estelar de Alpha Draconis, o sol Thuban

Bill: Muito bem. Exatamente. E eu penso, também, como nós estamos saindo fora do sistema solar e visitando as 12 das estrelas mais próximas e construindo estações navais lá. . .

Jeff: Agora, Bill, eu tenho que perguntar a você. Com licença. Não. . . Aguente. Há aquele número 12. Há o número 12 novamente. 12, 12, 12 apóstolos, 12, 12. Bakers dozen. 12, 12, 12 x 12 é 144. 12. 2 x 6 é 12. 4 x 3 é 12. 3 x 3 é 9. 9 é o número mais perfeito, supostamente, no universo. 12. Sempre o número 12. Interessante. Ele só me levou lá. Continue.

Bill: Você está absolutamente correto. E há um outro livro – há um monte de bons livros para serem LIDOS . . Há um outro livro que entra em seus números lá, e é chamado de “Insider Reveals Secret Space Programs and Extraterrestrial Alliances.” do Dr Michael Salla que escreveu este livro e é interessante porque ele entrou em muito do que você está apenas falando e, na verdade, há o outro elemento do programa Apollo onde os maçons eram todos. . . Bem, todos os astronautas depois das primeiras missões. . . Todos eles eram maçons. Então, isso é como os camaradas que eram. . . Quando o país começou, George Washington era um Freemason. E eles projetaram e construíram o nosso Capitólio.

Jeff: Washington, DC

Bill: . . . Leva à Washington, DC

Jeff: Sim.

Bill: E todos os edifícios estão dispostos na maneira normal e eles são, é claro, os maçons são o que eles dizem ser. Eles são arquitetos. Eles são designers. São pessoas que se desenvolvem.

Jeff: Eles são construtores.

Bill: E assim. . . Sim, eles são construtores.

Jeff: Outra pergunta. Outra pergunta antes de irmos longe demais. Não perca seu pensamento. Diz-se que a data de um lançamento, a data de uma missão espacial, a localização de uma missão espacial, era feita com grande precisão por um egípcio que esteve envolvido durante anos no programa da NASA. Você sabe alguma coisa sobre isso?

Bill: Uau! Isso é para onde eu estava indo.

Jeff: Certo. Nós chegaremos lá então. Bem, coloque isso de volta na mesa. Continue onde você estava e eu sinto muito pela interrupção, mas isso só me atingiu. E isso é um grande negócio. Você menciona os maçons. Nada é deixado ao acaso. Tudo está planejado. Há uma razão para tudo. Esse é o meu ponto. Vá em frente, Bill, por favor.

Bill: Extremamente bem definido. OK. Sim, os alemães eram um problema e nós realmente não ganhamos a guerra, porque todos os cientistas alemães e pesquisadores mais importantes, a maioria deles, vieram para os Estados Unidos. Alguns foram para a Rússia. 

Alguns do Programa Paperclip trouxeram essas pessoas, e assim eles simplesmente continuaram seu programa espacial nazista na NASA. E se você olhar para os organogramas da NASA, você tem um americano à frente dele, mas então tudo muda (para o controle do nazista) Dr. von Braun e Dr. Debus e ele apenas continua acontecendo. Cada departamento é dirigido por um ex-cientista alemão (nazista).

Jeff: Obrigado por não dizer a palavra “N(azista)”. Eles são alemães e o Dr. Debus foi o chefe da NASA – um cientista alemão que foi o ex-diretor do programa alemão de foguetes em Peenemünde, acabou sendo o diretor da NASA de 1962 a 73, ou algo parecido.

Bill: Sim, você está certo.

Jeff: Foi muito tempo. Nosso programa (original) era alemão. Era um programa espacial alemão (nazista).

Bill: Sim, e eles eram pessoas muito inteligentes, no entanto. Agora, eles então colocaram um nome em cada evento único em todo o programa Apollo. E é interessante que esses nomes, muitos deles, sejam nomes de grupos de estrelas na galáxia. E outros são nomeados por planetas. Outros são nomeados pelas próprias estrelas. 

E cada nome para cada evento, se ele está aterrissando, se está girando realmente entre a Terra e a Lua, ou se está orbitando a Lua, tudo tinha um nome maçon. E então, essencialmente, eles tinham. . . O primeiro astronauta que desembarcou, a primeira coisa que ele fez, ele pegou a bandeira de maçon e bateu-a na poeira (lunar). E a fotografia em um dos livros que está agora mostra o astronauta de pé com o logotipo maçon, que é, eu acho, parte de novamente o que temos perdido até o lançamento normal do que aconteceu no programa Apollo. 

Assim, os alemães (cientistas nazistas) estavam fortemente envolvidos nisso, e os maçons estavam fortemente envolvidos no programa Apollo Fases 1, 2 e 3, pessoal, não (foi) apenas chegar à Lua. Mas foi um problema porque o programa Apollo, ou um veículo Apollo, era pequeno. E se algum de vocês já viu uma página no meu livro onde ela mostra sete caminhões (tipo) Nova diferentes, que deveriam ser construídos para levar as máquinas de perfuração para perfurar túneis nos Estados Unidos sob uma caverna.

(Fonte: Departamento de Energia dos EUA.) Foto da máquina de perfuração de túnel da Força Aérea dos Estados Unidos em Little Skull Mountain, Nevada, EUA, em dezembro de 1982.

Jeff: Uh-huh.

Bill: Então aquelas máquinas de perfuração da Força Aérea – o que está retratado. . . um daqueles . . . No livro 2 e um grupo inteiro de pessoas ao lado dela.

Jeff: Sim, e há outra imagem de uma máquina como essa. Esta pintada de branco. Há um grande grupo de pessoas posando para uma foto na frente dela, talvez os engenheiros e pessoas de design e os trabalhadores que a construíram. É uma máquina enorme – uma máquina de escavação de túnel. E adivinha o que está do lado dele no topo? As iniciais da força aérea dos EU e o logotipo da força aérea dos EU as estrelas e das listras.

Esta é uma máquina de perfuração de túnel de US$ 13 milhões (TBM) usada para tunelamento no Site de Teste de Nevada (NELLIS AFB-ÁREA-51). Muitos outros tipos de TBMs são usados por muitas agências governamentais, incluindo o ‘nuclear powered TBM’ [NTBM] que derrete rocha sólida e deixa para trás as paredes de vidro revestindo o túnel..

Bill: Sim.

Jeff: Se as pessoas olharem para isso e não puderem colocar dois e dois juntos, eu não sei o que seria necessário.

Bill: Ok, mas continuando isso, para ser capaz de desmontar aquele escavador que cava esses buracos, escava esses tuneis na caverna. . .

Jeff: Sim.

Conta: . . . É isso (essas máquinas) que nós tivemos que levar até a Lua. Então nós desmontamos isso tudo e colocamos nesses veículos de caminhão Nova grande, mais uma vez, que estão no livro lá. E nós encaminhamos todo esse equipamento lá em (para a Lua) cima para perfurar os buracos, encontrar as cavernas para construir a BASE de pesquisa naval de 10.000 homens e a base operacional na Lua. Isso foi apenas a Fase 2. Uau! 

Então, a construção para fazer isso, e, novamente, se você olhar no livro, você vai ver não apenas um complexo de lançamento 39, mas você vai ver dezenas das estações de lançamento do veículo Apollo em Cape Kennedy. E então vai para um lado, e depois você vai para o outro lado, e no norte há um monte deles. Correndo para o sul ao longo da costa, você tem os lançamentos da Nova.

Jeff: Foram estas torres de lançamento de foguetes de Saturno que você está falando? Nós construímos muitos mais impulsionadores do foguete elevador Saturno do que nós sabemos aproximadamente?

Bill: Sim. E o que estou dizendo é que estávamos construindo 50 novas instalações de lançamento Nova como instalações de lançamento do foguete Saturno, porque aqueles eram caminhões para construir as instalações na Lua e para construir estações da Marinha nos planetas e/ou nas suas luas. E usamos o mesmo equipamento de perfuração quando chegamos às 12 estrelas mais próximas (do nosso sistema solar) para ir aos seus planetas e usar as mesmas máquinas de perfuração básicas e colocar instalações debaixo do solo em seus planetas. 

Então tudo isso era um programa, as pessoas. Isso não era. . . Isso não é algo que não fazia parte. . . Você só viu e tratou de 20% do programa Apollo. E eu não estou falando de um grande negócio aqui. Mas foi um grande negócio. Estávamos nos mudando para a galáxia. Agora, isso é o que estávamos fazendo com o programa Apollo. 

Agora, falando sobre não fazer tudo ser militarizado, empresas como a North American Aviation – e eu fui (contratado por ela) . . Depois que eu fui demitido da Douglas Aircraft por apresentar tudo isso ao Dr. Debus e ao Dr. von Braun, e então, na verdade, depois de conseguir um contrato de US$ 70 milhões, por exemplo. Eles me despediram. 

Assim como eu disse antes, eu estou fora. demitido. Minha secretária na volta dessa viagem e ela me ligou e me disse para ligar para o Dr. Debus, que era o número dois na NASA, depois de Braun. Mas ele também tinha um cargo, uma posição de engenharia corporativa na North American Aviation em Los Angeles. 

Então acredite ou não, eu realmente liguei nesse número de telefone, chamando Debus. Ele me disse para falar com um certo homem no escritório corporativo da (empresa) North American Aviation, perto do aeroporto de Los Angeles, e eu recebi esse trabalho fantástico com mais duas garotas (aliens Tall Whites) nórdicas pago para me ajudar lá não apenas nos sistemas Apollo, mas nos caminhões Nova e mais uma caixa cheia de outras missões espaciais, incluindo comerciais.

Uma mulher alien Tall White (Brancos Altos). Contatada em PINE GAP, base subterrânea no centro da AUSTRÁLIA

E cerca de 12, 14 anos depois, a North American Aviation reúne o meu programa de lançamento, o meu programa de desenvolvimento de lançamento, diagrama de blocos, do qual falamos muitas vezes. É a fase de discutir conceito, fase de definição, fase de aquisição e fase operacional de um diagrama de bloco que tinha oito pés de comprimento e um pé de altura com cada bloco na seqüência adequada para todo o sistema de armas para programas de mísseis para o programa Apollo ou o que quer que fosse. OK? Esses sujeitos da North American Aviation tomaram essa versão militar para o desenvolvimento de mísseis e o converteram para uma operação de mineração (espacial), que se desenvolveu em torno de 1986. 

Então essas pessoas, foram em frente e introduziram todo este mesmo procedimento – o procedimento Apollo – cada passo que leva para chegar lá e executar a missão (para mineração). Eles colocaram tudo isso juntos. Eles projetaram e construíram seus veículos, não do programa Apollo, tudo bem. Eles queriam os caminhões – veículos tipo caminhão Nova-tipo caminhões.

Jeff: Quando você diz um veículo do tipo caminhão, vamos pintar um quadro um pouco melhor para os nossos ouvintes para a sua compreensão. O que estamos dizendo com “caminhão”? Um veículo grande que é um veículo de arrasto como um caminhão ou são estes caminhões realmente com as rodas que foram enviados para cima lá e podem usar o caminhão ao redor?

Bill: Bem, eles não têm rodas. Mas você está certo primeiro. Eles agem como caminhões pesados para transportar equipamentos.

Jeff: Certo. Caminhões pesados.

Bill: Caminhões pesados. OK? E alguns deles são 20 vezes do tamanho de um veículo Apollo. Uau! Estes são veículos grandes. OK. Assim norte-americanos, os caras comerciais, tomaram o programa de gestão militar e desenvolveram não só o veículo, mas trabalharam para isso. Mas eles desenvolvem o equipamento de que precisam para mineração em outros planetas de outras estrelas. Uau! (PARECE QUE O FILME AVATAR NÃO É PURA FICÇÃO…)

Jeff: Sim, uau! Agora, deixe-me fazer outra pergunta, Bill, se puder. Tínhamos os foguetes Saturno. Os alemães nos deram isso para impulsionar as missões Apollo no espaço.

Bill: Sim.

Jeff: Nós também tínhamos naquele tempo, eu vou usar o termo “veículos (espaçonaves) antigravidade”, só porque eles são. . . É conveniente. Mas nós tínhamos uma espaçonave enorme durante os anos 30 e 40. Tínhamos dominado o vôo antigravidade, de acordo com os cientistas alemães, a tecnologia (cedida por extraterrestres) alemã, todas as fotos que consegui reunir e montar. Então, por que não levamos essas enormes máquinas de perfuração até a Lua e em outros lugares com essas espaçonaves antigravidade em vez de explodir algumas delas com foguetes Saturno 5 ?

Bill: Essa é uma boa pergunta. E há muitas pessoas que fizeram a mesma pergunta. Essencialmente, o que ocorreu foi que houve um enorme esforço para utilizar a propulsão antigravidade. Inicialmente era essencialmente propulsão eletromagnética. E então mais tarde mudou para o que deveria ter sido, o que é o sistema antigravitacional. O programa Apollo praticamente parou depois da missão original e meia dúzia de outras missões que subiram.

Ilustração com base em testemunho ocular © Copyright 2015 TheObjectReport.com | Alta Resolução Imagem. O Almirante Roscoe Hillenkoetter foi o primeiro diretor da CIA, e foi também um membro de uma organização de pesquisa UFO, o Comitê Nacional de Investigações de Fenômenos Aéreos (NICAP). Em 1960, o New York Times relatou que Hillenkoetter tinha enviado uma carta ao Congresso que incluía a seguinte declaração: “Nos bastidores, oficiais de alta patente da Força Aérea estão sobriamente preocupados com fenômeno UFOs Mas através de segredo oficial e do ridículo, muitos cidadãos são levados a acreditar que os desconhecidos objetos voadores não fazem sentido“. Embora Hillenkoetter lutasse pelo fim do sigilo UFO, ele finalmente parou de comentar sobre o assunto. Alegados documentos secretos que vazaram para ufólogos listam Hillenkoetter como um membro do grupo Majestic 12, uma organização composta de altos oficiais militares das forças armadas e civis criado pelo presidente Truman para gerenciar inicialmente a questão UFO e nossas relações com extraterrestre. O MJ-12 foi o embrião do que mais tarde se tornou o GOVERNO (DE FATO) OCULTO DOS EUA.

Jeff: Oh, ele parou como uma pedra em uma parede. Apenas parou e eles. . .

Bill: Parou e nunca mais voltou.

Jeff: Não, e nós supostamente desmontamos os locais de lançamento do foguete propulsor Saturno 5 e também supostamente destruímos as ferramentas e equipamentos usados para fazer os componentes do Saturno 5. E também supostamente destruímos os planos. Eu não sei se isso é verdade, mas é isso que o campo OVNI tem para oferecer sobre por que e como o programa Apollo chegou a um final tão repentino e completo.

Bill: Bem, o final primário foi porque os Reptilianos estavam lá (onde nós fomos, a LUA). Ela era sua instalação – sua Lua.

Jeff: E eles disseram: “Fiquem fora.”

Bill: E assim não fomos autorizados. Agora, ainda estamos recebendo apoio dos aliens (Tall Whites) nórdicos. E assim, os nórdicos são mais tipos comerciais de pessoas do que militares, mesmo tendo grupos de batalha no espaço, o que iriamos fazer e construir com eles. Mas todo o programa Apollo, com cerca de 400.000 pessoas, subcontratadas, pessoas que trabalhavam nos Estados Unidos no programa Apollo e, literalmente, todos foram demitidos. Todo mundo teve um aviso de desligamento. Nada foi falado nos jornais sobre isso. Tudo estava encoberto. E assim, essencialmente, como um cortador de carne desceu – tudo parou. E os recursos para promover o programa pararam também. Qualquer coisa relacionada ao espaço parou.

Jeff: Foi. Era como se o sonho fosse tirado. Foi.

Bill: Foi removido. Foi removido. E, na verdade, na minha própria posição pessoal, eu sabia o que estava acontecendo. Eu podia ver todos sendo demitidos, e eu sabia o que estava acontecendo. Então eu parei de (trabalhar) na North American Aviation e eu fui para Bakersfield e eu montei um escritório de arquitetura em Bakersfield. Eu então converti isso em um programa de sistemas, a Land Ocean Systems Corporation, e começamos a fazer engenharia de sistemas para todas as pessoas comerciais, incluindo o estado da Califórnia – todos os tipos de programas. E eu trouxe um pouco disso para a TRW mais tarde, quando eu fui trabalhar na TRW. Então, essencialmente, me tornei uma dessas pessoas que não pertenciam mais ao ambiente do espaço. E assim tudo parou. E no seu ponto, o que aconteceu, é apenas que o non-stop foi a zero. Não toque nela. Você não pode obter o dinheiro. Não há como fazê-lo. Então não é que a ideia estava errada ou incorreta. E eu tenho que dizer que foi o momento. 

Mas eu quero voltar para o que a North American Aviation fez então. Então agora, a North American Aviation, alguns caras que ainda estavam lá e não desistiram, formaram esta operação espacial comercial PRIVADA, onde iriam em frente e projetariam e construiriam veículos tipo Nova em sua base comercial – secreta, porque não queriam que as pessoas soubessem e saíssem para o sistema solar, contornassem o sistema solar e saíssem essencialmente para as 12 estrelas mais próximas para mineração, mineração comercial, operações em suas luas. E eu tenho em minhas mãos aqui o documento que comprova isso. É um diagrama de blocos de desenvolvimento de sistemas. Inacreditável! Cada único evento que levou para construir esses caminhões, Nova-tipo veículos caminhão, para transportar as coisas deles lá para fora, eles só foram em frente e fizeram isso e não disseram nada a ninguém. E outras empresas fizeram a mesma coisa. Então, eu estou tentando. . .

Jeff: De onde eles foram lançados, Bill? Eles foram lançados do Cabo?

Bill: Não, não foram. Eles foram lançados de outras instalações, na verdade, alguns deles na Austrália.

Jeff: Ah, estamos falando de Pine Gap.

À direita o Almirande da Marinha dos EUA Larry Marsh falando com o engenheiro aeroespacial da Marinha William Mills Tompkins.

Bill: Sim, tudo bem. E então o que ocorreu foi que eles tiveram organizações com outras pessoas comerciais que receberam o dinheiro. Eles tomaram o dinheiro, fizeram o acabamento dos projetos para tudo o que tinha que ser construído lá antes de começarem – antes que eles realmente começassem a fabricar – e fizessem um programa comercial, que ainda está operando hoje sob o mesmo nome – a antiga North American Aviation fora de LAX (los Angeles). Uau! 

E assim, novamente, sim, eles usaram, essencialmente, o meu plano de desenvolvimento – o diagrama de blocos de sistemas – para se certificar de que você tinha cada evento coberto da maneira correta. E isso, é claro, foi, eu tenho que dizer. . . Quando eu dei a proposta à NASA para mudar tudo o que eles estavam fazendo – três grandes programas que fizeram. . . Permitiu-nos colocar as Apollos lá em cima. 

Dr. Debus tinha essa coisa que ele e eu parecíamos saber. Nós nos tornamos como irmãos. Ele tinha seu “E se?” E ele tinha caixas cheias de “What ifs?” No programa Apollo. E se algo der errado? E se algo não funcionar como deveria ser? E se tivéssemos a informação errada e tivéssemos que seguir um caminho diferente? Então, suas listas de “E se” fossem como um verificador na parte de engenharia – o cara que verifica os desenhos. Ele está olhando para garantir que o que você projetou foi correto. O cara que confirma o projeto. 

Na verdade, o Dr. Debus, junto com tudo o mais ele era um gênio em tudo, veio com o “What if” listas. Ok, isso saiu do programa Apollo de volta para a North American Aviation. Quero dizer, os documentos para localizar o “O que acontece”, e eles fizeram isso comercialmente. Uau! Foi muito legal.

Jeff: Bem, isso é incrível. Bill, espera. Temos de fazer uma pausa agora por alguns minutos. Então vamos fazer isso. Antes de fazer sua pausa, tenho que lhe fazer uma pergunta. Você mencionou anteriormente que voou para o Cabo Canaveral da área LA em um DC-7. . .

Bill: Sim, senhor.

Jeff:. . . O último grande avião de linha de hélice jamais construído – o DC-7, Douglas Aircraft DC-7. Como foi esse avião para voar? Você se lembra disso?

Bill: Ah, sim. Foi divertido. Foi muito divertido. Tivemos um avião novo, um DC-7, e eles tinham acabado de terminar todos os seus primeiros testes de vôo e tudo. Fomos num dos primeiros vôos que aquele avião particular tinha feito. E então nós temos que ir falar com os pilotos e os co-pilotos e a aeromoça e todo mundo estava tendo feliz.

Jeff: Interessante.

Bill: Foi tão suave.

Jeff: Foi um grande avião. Grandes aviões. Assim, os aviões Douglas foram apenas fantástico. Tudo certo. Obrigado por compartilhar isso. Ah, por falar nisso, alguns de vocês já viram os DC-6 e DC-7, os aviões de quatro motores voando como aviões-tanque para o trabalho de incêndio florestal. Eles ainda estão voando. É disso que estamos falando. Aqueles eram aviões comerciais antes da era dos jatos. Ok, de volta com Bill em apenas alguns minutos. Seu livro é “Selected by Extraterrestrials: My life in the top secret world of UFOs, think-tanks and Nordic secretaries”. Volto logo.

Mais informações:

Permitida a reprodução desde que mantida a formatação original e mencione as fontes.

Pesquise no Site por Assunto

Sugestões de Pesquisa

Alienígenas, Animais, Arcanjos, Astral, Auto Ajuda, Câncer, Carma, Cachorros, Cérebro, Chama Violeta, Ciência, Cientistas, Cinema, Civilização, Compras, Contato, Crenças, Curas, Engenharia, Ensino, Esoterismo, ETs, Filmes, Gatos, Governo Oculto, História, Jornais, Lar, Livros, Medicina, Médicos, Museus, Musicas, Noticias, Neolinguística, Neurologia, OVNIs, Porto Alegre, Profecias, Psicólogos, Psiquiátria, Rádios, Religiões, Revistas, Saúde, Serviços, Tempo Tesla, TV Séries, Viagem, Viagem no Tempo, Viagem Astral.

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...

AS 10 MAIS DO MÊS

Colunistas