7 de mar de 2013

Despertar da Consciência - A Grande Ilusão - Parte 1

Energia

Vivemos num imenso laboratório conhecido como planeta Terra. As experiências que vivenciamos vida após vida, fazem parte de um grande projeto inspirado pelo grande Arquiteto. Da sua mente, novos mundos foram criados. Assim como é organizado um laboratório terreno neste plano físico, com seus diversos departamentos para conduzir os vários projetos existentes, também existem no plano espiritual, uma organização maravilhosa composta de conselhos, departamentos, setores e grupos de trabalhos.

No plano físico tridimensional existem quatro mundos, onde vivenciamos as nossas experiências, realizando o propósito de aprender a nos expressar dentro da dualidade de energias, influenciado apenas pelas sensações físicas, emocionais, mentais e psíquicas. Somos almas peregrinas evolucionando pelos mundos inferiores da criação divina. E para manifestarmos nestes planos de existência, necessitamos “vestir” corpos adequados a cada situação. Para isso temos o corpo físico (carnal), um corpo emocional (sentimental), um corpo mental (racional) e um corpo etérico (psíquico/elétrico).

Todos os aprendizados nestes quatro mundos são registrados e arquivados no quinto corpo, que permanece sempre no quinto plano de existência conhecido como o mundo das causas (plano causal). É neste local onde é observado o ponto alcançado na evolução de cada alma humana. O corpo causal contém todos os aspectos desenvolvidos nos quatros mundos inferiores.

O observador silencioso que acompanha o desenvolvimento da alma peregrina é o seu próprio “criador”. Ele é o mentor e guardião da sua parte fragmentada nos quatro corpos inferiores. Ele vê a necessidade imediata e futura da sua própria experiência. Esse observador está no sexto plano de existência e habita um corpo intuicional conhecido como o corpo búdico. É o nosso eu superior.

Devido às limitações dos planos inferiores de manifestação ocasionadas pela fragmentação desta consciência superior, acabamos por criar no plano terreno uma personalidade apropriada para o nosso ambiente. Esta personalidade com o tempo tornou-se um indivíduo provido de um ego consciente apenas no seu plano de existência. No plano físico, a cada encarnação adquirimos um novo corpo carnal. O fato de ser novo também, o cérebro é como um disco de memória “virgem” de um computador, que precisa ser “configurado” para processar as novas informações que irá receber. O cérebro é um receptor do corpo mental.

O “esquecimento” das experiências de vidas passadas está relacionado a este processo. O cérebro físico de uma criança com seus neurônios e ramificações conclui sua configuração apenas aos sete anos. É nesta época que a sua consciência física faz o acoplamento no corpo carnal e inicia o seu processo de aprendizado no plano terreno. A partir daí, as informações que forem inseridas em seu cérebro é que determinarão o seu comportamento e atitude durante as suas experiências de vida.

O meio ambiente irá estruturar todas as condições para o desenvolvimento dos aspectos que precisarão ser trabalhados em cada ser, tanto os laços afetivos, educativos, de trabalho, como da vida social em todas as suas nuances. Ou seja, o relacionamento pessoal com o mundo à sua volta, usando apenas os instrumentos sensoriais que irão sendo desenvolvidos ao longo do tempo. É interessante observar que as dores e sofrimentos ao longo do caminho de aprendizado fazem parte das lições de vida.

O sucesso de qualquer experiência de um projeto é alcançado através de erros e acertos. Somente assim podemos apreender os aspectos envolvidos em cada processo. O lado negativo e/ou positivo serve apenas de parâmetro para definir o curso que devemos observar e seguir. Como almas peregrinas em sua jornada terrena, a confusão se estabelece quando confundimos a nossa experiência humana dentro de um laboratório, como se fosse a nossa própria realidade existencial e única. Quando na verdade somos consciências fragmentadas de uma consciência maior, para a qual um dia devemos retornar.

A nossa ilusão é isso: achar e acreditar que por sermos gotas d’água, o mar e o oceano não existem!

Paz
Shima
http://espiritosublime.blogspot.com.br/

Pesquise no Site por Assunto

AS 10 MAIS DO MÊS