5 de abr de 2013

O Conselho Galáctico: Um Manual


Uma mensagem escrita por Adam Apollo.

Para alguns, a seguinte informação irá parecer ficção científica. Na verdade, muitas das nossas experiências cotidianas foram consideradas ficção científica uma ou duas décadas atrás. Nós andamos ao redor com capacidade para quase instantaneamente conversar com alguém, em qualquer lugar do planeta, a qualquer momento, usando um pequeno aparelho no nosso bolso.

A partir deste mesmo dispositivo, posso capturar o que vejo, transmiti-lo através de milhares de quilômetros, tê-lo impresso e enviado de volta para mim em uma variedade de formas, da noite para o dia. Eu posso ver o clima na Nova Zelândia, verificar o tráfego em Nova York, assistir a um vídeo de uma criança em Londres, tudo dentro do tempo que leva para ouvir uma canção curta produzida hoje em São Francisco.

Todas as tecnologias que hoje consideramos comuns foram, uma vez, ficção científica mas, mais importante, nossos atuais tipos de experiências também foram vistos dessa forma. Quando a ficção científica se torna fato científico? Quais são as linhas entre a "evidência verificável" e a "experiência compartilhada"? Que mudanças de contexto ocorrem que alteram o mesmo tipo de experiência de "impossível" para "padrão"?

Apenas há alguns anos atrás, eu suspeitava que havia outra vida inteligente lá fora, quer através de probabilidades matemáticas esmagadoras ou de consistência de sinais misteriosos como os círculos e avistamentos de OVNIs. No entanto, eu não poderia, logicamente, confirmar ou negar a existência dessas espécies sem uma experiência pessoal direta ou mais "provas objetivas irrefutáveis."

Desde aquele tempo, eu aprendi um pouco mais sobre a natureza da prova objetiva irrefutável e eu tive a minha primeira grande experiência direta pessoal. Tudo escrito aqui é baseado em experiência pessoal e anos de reflexão, refinamento e processos lentos de confirmação.



Os Sirianos



De todas as minhas experiências extraterrestres, aquelas com o sistema planetário de Sirius e suas espécies formaram a minha fundação e me forneceram as iniciações necessárias para trabalhar com as famílias estelares mais profunda e diretamente. Agora eu sei que isto se deve principalmente ao fato de que eu cheguei na Terra a partir deste sistema de estrelas próximas, em torno de 13 mil anos atrás, durante o tempo da Atlântida, juntamente com muitos outros indivíduos dos diversos sistemas planetários listados neste site.



É quase impossível resumir todas as espécies em poucos parágrafos, mas felizmente os Sirianos têm sido descritos em imenso detalhe e profundidade por um autor famoso que a maioria das pessoas reconhece imediatamente. Suas histórias contêm as chaves para a sua língua, crenças, costumes e, mesmo que indiretamente, apontam para suas origens planetárias. Na verdade, a maioria das pessoas conhece a cultura dos Sirianos quase tão bem quanto eles conhecem a cultura humana ou estão profundamente confusos e intrigados por ela, sentindo uma profunda ressonância que só pode ser descrita como uma "saudade de casa".



No "Senhor dos Anéis", série de JRR Tolkien, fala-se que os elfos vêm de um lugar distante "através do grande mar", de uma "terra do sol eterno". Eles se adaptaram a esta luz infinita construindo suas casas nas florestas, cidades cheias entre a copa das árvores enormes.



Essas árvores eram tão grandes que o chão da floresta era muitas vezes tão escuro como o crepúsculo e, assim, os elfos podiam muitas vezes criar suas casas nos galhos dourados elevados acima do solo. É claro que se você tivesse dois sóis, como no caso do sistema planetário de Sirius, tais árvores poderiam oferecer mais do que casas, seriam reverenciadas e honradas como as protetoras e guardiãs de toda a vida.



Desde os romances de Tolkien (que foram inspirados pela "descoberta" do idioma élfico, segundo ele), outros têm registrado muitas das diferentes camadas das culturas élficas complexas e, aqueles de nós do sistema estelar de Sirius, reconhecemos estas histórias como nossas próprias. Estas obras são importantes porque, ao contrário de muitas distorções anteriores, elas descrevem corretamente os elfos como seres humanos altos cheios de magia, beleza e graça.



Nós somos o povo do Sol Gêmeo, orelhas pontudas animadas pela música do planeta, olhos amendoados inclinados para captar as cores que entrelaçam as estrelas, os corpos ágeis formados para dançar entre os ramos das Árvores Sagradas. Nossa pele pálida ama a brisa fresca do chão da floresta e as árvores que viram a idade passar nos enchem com reverência até nos transbordarmos em lágrimas.



Cantamos para os animais e plantas, brincamos em nossos sonhos e sabemos da profundidade da importância e propósito da transformação planetária na Terra. Que os chacras de Gaia possam ser sinfonias das geometrias de Luz!



Os Sirianos: Primeiro Contato

Na minha primeira experiência com a paisagem do sistema Siriano, eu estava em um sonho. Eu estava caminhando para um grande edifício, parte de uma instituição educacional de algum tipo. Enquanto caminhava, cada passo se tornava mais claro sobre o solo até que, de repente, eu percebi que eu poderia simplesmente saltar e voar.

Saltando ao ar, eu voei para o edifício, depois virei-me para cima, atirando-me para o céu numa velocidade estonteante. Saí da atmosfera e encontrei-me em direção da constelação da Ursa Maior. Por instinto, eu fui para a última estrela no final da alça do Urso e notei que havia, na verdade, três estrelas por entre as quais eu iria voar, duas outras que não faziam parte da constelação.

Quando passei entre as três estrelas, senti como se apenas tivesse cruzado por algum tipo de membrana líquida ou de superfície e, de repente, tudo se acelerou dramaticamente. Como uma estrela cadente, eu fui impulsionado por um conjunto de três estrelas, incluindo a estrela central da alça do Urso e, em seguida mais três, onde a alça encontra a colher. As quatro estrelas da colher apareceram sob um ângulo à medida que me aproximava, tornando-se uma espécie de superfície holográfica que envolvia a minha consciência, riscando o espaço.

Tudo girava em torno de mim e as estrelas se borravam e se reorganizavam em posições ligeiramente diferentes, e eu me vi flutuando perto da órbita de um planeta e sua lua. Eu podia ver cada um com perfeita clareza e muitos glifos pequenos, que eu compreendia instintivamente, passaram pela minha visão indicando a temperatura, a densidade atmosférica, composição elementar e outras informações de referência sobre o planeta e a lua. À medida que me aproximava do planeta em alta velocidade, notei que havia dois sóis nas proximidades: um maior em torno do qual o planeta orbita, o outro menor e também em órbita.

Um instante depois, entrei na atmosfera de um planeta muito parecido com a Terra, observando grandes massas de água, florestas vastas e montanhas. Meu destino era um vale gramado, onde eu me encontrei aterrissando em uma série de pequenos caminhos de terra através de gramíneas verdes altas. Descendo a colina a partir da minha posição de pouso, eu vi um pequeno prédio cujo lado parecia a enorme concha de um náutilo.

Do outro lado do vale, também na descida, estava um grande observatório em forma de disco, brilhando como placa metálica e maquinário externo nas paredes verticais, com um telhado de cúpula suavemente inclinado. O telhado tinha a cor de grafite, e exalava sutis refrações de arco-íris como aquelas sobre uma superfície oleosa.

Eu viajei para o pequeno edifício em primeiro lugar, que eu sabia que era uma casa. Quando entrei na porta bulbosa arredondada, minha visão parecia estar reorganizando pedaços de minhas memórias e imagens mentais para formar a aparência correta dos objetos no espaço. Como uma colagem sendo formada em hipervelocidade, minha visão rapidamente decifrou um vitral lindo derramando luz multicolorida quente em um chalé curvilíneo confortável.

Junto com a clareza de visão, um sentimento de segurança poderoso veio sobre mim e eu sabia que aquele lugar era a minha casa. Olhando ao redor de complicadas estruturas cristalinas nas prateleiras, taças de ouro em uma mesa, e os cobertores macios coloridos sobre uma cama adicional na curvatura do náutilo, um profundo alívio parecia dominar as minhas emoções.

Uma faísca de alguma outra coisa entrou na minha memória e eu corri para fora e voei para o observatório. Entrando por uma porta geométrica deslizante, cheguei num espaço de beleza deslumbrante. O chão escuro polido estava ornado com uma geometria curva suave em espirais pentagonais. Outras linhas radiais no mesmo metal ornado alinhavam pontos específicos e criavam estruturas complexas de cristal hexagonal e heptagonal em torno das bordas externas da sala.

Escadarias deixavam o chão junto a uma parede, conduzindo a uma estreita varanda que seguia a curva do edifício. Assim que os meus olhos se dirigiram para o teto, descobri que a cúpula era formada por placas geométricas e a placa que eu estava olhando tinha se tornado transparente para as estrelas. O material do teto bloqueava a luz infinita dos sóis irmãos assim como toda a refração da atmosfera do céu azul brilhante lá fora a fim de dar uma visão muito clara dos corpos celestes fora da atmosfera.

Caminhei pelo espaço em admiração, observando as muitas constelações visíveis em cada uma das placas do teto e tive uma estranha sensação de que alguém deveria ter estado lá comigo. Eu sabia que não podia ficar muito tempo e deixei o prédio pouco depois. Voltei por um dos caminhos de lama em direção a minha posição de pouso, onde eu podia ver uma linha de árvores mais acima pelo caminho que adentrava uma densa floresta.

Eu olhei para o céu, preparei-me para partir e, então, algo me chamou a atenção. Rapidamente olhando para trás no caminho, vi um ser que irradiava luz amarela e laranja brilhantes que pareciam estar dançando. Tive a sensação de que ela estava sorrindo para mim e, de repente, tudo ficou muito claro. Um momento depois estrelas estavam girando através de minha visão, e eu sentei na cama.

Levei alguns dias para perceber que o lugar que eu vi deve ter sido no sistema da estrela Sirius, depois de tomar parte de um artigo aleatório sobre a tribo Dogon durante uma pesquisa online. Eu imediatamente me senti bem, mas a minha mente lógica estava um pouco cética já que eu não tinha idéia de como eu poderia ser de outro sistema estelar e não tinha estabelecido dados suficientes para tomar decisões conclusivas sobre extraterrestres em geral.



Os Sirianos: Viagem à Terra.



Minha segunda viagem ao Sistema de Sirius aconteceu muitos anos depois, numa noite, quando eu ia começar uma verdadeira exploração das minhas próprias origens galácticas. Nesta noite fadada, eu encontraria meu pai da Era de Atlântida em pessoa e trabalharia carmas profundos e dolorosos com ele em relação à minha mãe a partir desta Era.



Na sequência deste trabalho torrencial de cura e limpeza, foi como se uma barragem gigante que bloqueava a energia do meu passado tivesse sido liberada e enormes quantidades de energia, de repente, derramaram-se sobre mim. Eu fui arrastado para uma viagem através de minhas vidas passadas por esta onda usando o momentum de confiança, aceitação e perdão que eu tinha construído no processo de cura para clarear sanskaras e envolvimentos cármicos em uma série de oito períodos de vida subseqüentes à Era de Atlântida.



Cada uma das grandes limpezas foram relacionadas de forma sutil aos nós sanskaricos originais que eu tinha desenvolvido em Atlântida e muitos deles também foram relacionados a um relacionamento contínuo com uma outra alma com quem eu tinha viajado através de todas essas vidas.



Os papéis muitas vezes mudavam mas, como cada uma destas limpezas foram concluídas, as muitas lições e oportunidades que minha companheira de alma tínhamos compartilhado um com o outro se tornaram mais e mais iluminadas. Finalmente, quando retornei ao presente novamente na minha consciência, eu a achei totalmente presente comigo em seu corpo astral.



Embora ela estivesse a mil milhas de distância, ela estava muito consciente de mim e daquilo que tínhamos acabado de processar um com o outro. Na minha forma física, no meio do deserto no meio da noite, comecei a correr com ela. Correndo comigo em seu sonho, finalmente desaceleramos e chegamos a parar, de repente, encontrando-nos transportados para outro lugar inteiramente.



Sentei-me e estava ciente de um piso liso com geometrias de metal embutidas. Ela se sentou à minha frente, sob uma abóbada através da qual as estrelas podiam ser vistas.



Imediatamente ao reconhecer este lugar, também começou a despontar em mim o que estávamos fazendo. Havia duas colunas verticais de luz flutuando entre nós, com cada cor do espectro destacado numa determinada posição ao longo da coluna, bem como um espectrômetro de leitura de uma estrela ou uma substância química. Eu sabia que um desses pilares representava o seu corpo de energia, e o outro era meu, com a freqüência exata de cada um dos nossos chacras sendo exibida como uma linha de cor nos pilares.



Nós estávamos tecendo estes dois pilares juntos, puxando as cores de cada um dos pilares para uma forma de energia no centro que se parecia muito com um DNA. Eu sabia que nós estávamos criando uma alma-vínculo e que nós estávamos fazendo isso para que pudéssemos deixar nosso atual corpo físico, e nossas almas pudessem viajar para a Terra. Esta alma-vínculo nos permitiria sempre sentir uma atração um pelo outro, para que pudéssemos encontrar um ao outro sempre que estivéssemos encarnados neste novo planeta e ajudar a disparar lembranças do outro de quem éramos antes de fazermos a viagem interplanetária.



À medida que minha consciência voltava ao presente, sentado no chão do deserto, eu também sabia que aquele momento era a nossa oportunidade de desfazer esse vínculo e completar o círculo que tínhamos percorrido por mais de 13.000 anos. Imediatamente e em perfeita sincronia, começamos a desfiar os campos novamente, trazendo todas as informações no pilar de luz em nosso DNA de volta aos nossos pilares de chacras independentes.



Foi concluído rapidamente, com ela e eu trabalhando em perfeita união e, assim que foi feito, nós cantávamos um ao outro por acabar de trazer a magia para o presente. "Eu o liberto ... Eu o liberto ... Eu o liberto ..." Nós chamávamos o nome do outro pelo cântico da liberdade sabendo que este era o último presente em que tínhamos estado trabalhando há muito tempo para dar um ao outro.



Então, num instante, ele foi feito e um clarão ofuscante de energia subiu pelo meu corpo todo, vibrando com as imagens de ser uma sacerdotisa, gueixa, dançarina do ventre, princesa, feiticeira, rainha, curadora entre outros. Eu senti como se todo o arquétipo da mulher se derramasse sobre mim em uma fração de segundo e eu sabia que este era um presente, o presente de ter compartilhado tantas vidas um com o outro, cada um sustentando uma polaridade masculina ou feminina por todos estes períodos de tempo.



Eu tinha sido um homem por tanto tempo para, de repente, ser preenchido com esta profunda consciência e memória femininas que foram tão surpreendentes quanto emocionantes. À medida que seu corpo de sonho respondia ao influxo maciço de energia em forma masculina, eu sabia que ela estava a acordar e se despedir. Senti uma onda de amor e respeito por esta alma incrível com quem eu tinha feito essa longa viagem.



Um momento depois, ela tinha ido embora e eu me encontrei em pé no meio do deserto, no meio da noite, tão mais completo em alma e ser que eu nunca tinha sentido ... nunca.



Naquele momento, eu também soube por que eu tinha feito a viagem à Terra. Eu tinha vindo como parte de uma família de almas dedicada a ajudar a população humana a fazer sua transição de uma espécie planetária para uma espécie galáctica.



Esta família de almas eram principalmente Sirianos, Pleiadianos e Arcturianos, pelo menos em seus períodos de vida mais recentes, uma vez que estas espécies foram capazes de integrar o seu “Genoma de Espírito” no sistema genético do corpo humano muito mais facilmente. Os nossos tipos de corpo, necessidades e sentidos físicos também foram um dos mais similares das espécies no Conselho Galáctico que estavam interessados em fazer esta oferta para a Terra.



Tanta informação estava disponível imediatamente para mim naquele momento, preenchendo sistematicamente lacunas enormes de dados em minhas lembranças da Atlântida e de ser Siriano. Além disso, a minha compreensão da diversidade das experiências extraterrestres que os seres humanos tiveram por milênios começou a ficar mais clara.



Foi de repente óbvio porque todas as minhas memórias da Atlântida e as de tantos outros da minha família de alma eram de uma raça élfica. Eu sempre soube que o meu tipo de corpo na Atlântida tinha sido quase que exatamente como o da raça élfica descrita nos escritos de JRR Tolkien. Assim, muitas de suas descrições de cidades na floresta pareciam esmagadoramente familiares para mim e para muitos dos meus amigos.



Minhas memórias daquela época não começaram em uma cidade, mas em uma floresta com árvores super sólidas e zonas de copas de folhas tão altas e densas que o chão da floresta residia no crepúsculo interminável. Lembro-me de artes que se integram com as espécies vivas da Terra: músicas que fazem galhos crescerem em certos padrões, símbolos que ajudam flores a florescer e um povo protetor cheio de orgulho e teimosia.



Crianças das Estrelas e os descendentes destes viajantes à Terra, muitos dos quais já haviam se esquecido de sua Terra Natal. Muitas tradições rígidas estavam no local, mantendo apertadas as orientações sobre a passagem de linhagens e exigindo uma concepção muito intencional de novas crianças. Alguns detinham o conhecimento sobre por que essas tradições estavam mantidas no local, enquanto outros seguiam simplesmente por uma questão de tradição e ainda outros lutavam para mudar estes princípios e padrões.



O povo do sistema estelar de Sirius tinha vindo para a Terra, desta forma, há algum tempo e algumas ciências genéticas haviam se tornado perdidas nas leis; efeitos espirituais originais muitas vezes esquecidos.



Como humanos élficos, o nosso povo encontrou florestas semelhantes às do nosso planeta no sistema estelar de Sirius e foi capaz de criar um ambiente de vida muito semelhante àquele do nosso planeta lar. Nem todos nós vivíamos nas florestas e, assim como eu eventualmente deixei e viajei para a cidade da Atlântida, muitos outros também viajaram para e nasceram em outros lugares da Terra. Da mesma forma, as outras espécies do Conselho Galáctico que tinham grupos de alma viajando para a Terra se inclinaram a encontrar lugares semelhantes aos seus próprios planetas para elevar a sua juventude e aprender mais sobre as distinções deste planeta.



Eu não hesitaria em destacar os desafios envolvidos na integração e re-estabelecimento das memórias da vida em outro corpo em outro mundo. Mesmo com o ensino direto sobre a reencarnação e viagens de alma, abrir-se a memórias é, na verdade, mais uma questão de maturidade espiritual e preparação de alma.



Além disso, como quase nenhum contato físico direto entre espécies galácticas em naves espaciais e formas de vida na Terra foi permitido durante este período de desenvolvimento, a maioria das informações sobre a verdadeira origem de um grupo e planeta teve que ser passada de geração em geração na forma de história ou de registros por aqueles que eram capazes de lembrar. Entre os Sirianos, esta informação foi considerada sensível e mantida em segredo da maioria dos indivíduos, mas o auto-despertar e a integração da memória individual da alma foi incentivada.



Os Sirianos: o Embaixador.

Minha terceira experiência de minha família Siriana aconteceu com o meu primeiro contato físico, na mesma noite em que eu liberei o meu vínculo com minha parceira de alma. Só depois de concluída esta liberação com o outro e minhas percepções de quem eu era e porque eu tinha vindo para a Terra, eu sabia que minha viagem tinha apenas começado.

Eu vi uma luz brilhante cintilando nas estrelas no topo do que parecia uma pirâmide ao longe no deserto de Black Rock. Eu estava perto de uma cidade conhecida como Black Rock City, o lugar onde o Festival do Burning Man nasce por sete dias, e depois desaparece sem deixar vestígios.

Existem muitos tipos de arte no Burning Man: algumas estruturas maciças, estátuas, e exposições criadas apenas para entretenimento e outras para inspirar. Existem algumas peças de arte no Burning Man que estão lá por um motivo diferente. Às vezes, um indivíduo ou grupo tem uma experiência de despertar e percebem que devem criar algo.

Eles nem sempre entendem o propósito da sua criação, mas isso geralmente não é tão importante quanto o próprio processo criativo. Muitas destas peças de arte, suas origens envoltas em mistério de revelação dão forma ao festival Burning Man a cada ano. Às vezes, é lá que o propósito deles é revelado. ... O Templo de Stargate, como era sempre chamado em minha mente, era um destes lugares.

Corri em meio à noite em direção à luz vertical, as estrelas formavam uma faixa por cima de mim e a pirâmide se tornou mais brilhante contra o pano de fundo da escuridão profunda. Era um cone, ao invés de uma pirâmide angular, e parecia ter uma superfície transparente contendo um redemoinho magnífico de estrelas flutuantes movendo-se em harmonia rítmica. Como um vórtice galáctico, as estrelas giravam ao redor até o ápice, onde uma luz branca penetrante cortava o céu ...



Os Pleiadianos



Uma breve introdução:



Minha experiência com a espécie Pleiadiana tem sido profundamente refinada e confirmada através de muitas almas que foram desta Família estelar antes de viajar para a Terra há muito tempo. O que a maioria deles tem em comum é uma poderosa conexão com os oceanos, belas experiências de despertar ou de autodomínio através do nado ou da presença na água e, muitas vezes, uma forte ligação telepática com cetáceos como golfinhos e baleias.



Através de outras memórias e capacidades naturais, assim como a minha própria experiência direta com os seres das Plêiades, tornou-se claro que sua espécie tem dominado profundamente o campo emocional e a capacidade de usar o som para vibrar precisamente a matéria em determinadas posições e configurações. Em uma de minhas viagens, eu fui mostrado como o jovem iniciado em um planeta inteiramente coberto de oceanos, com exceção de algumas cadeias de pequenas ilhas, que aprende a desenvolver a capacidade de cantar para a água de tal maneira que pudesse, então, caminhar sobre sua superfície.

Espero compartilhar muito mais sobre estes seres em breve!



Os Arcturianos



Uma breve introdução:



Uma espécie antiga com uma história complexa. Tenho aprendido muito sobre a sua diversidade através das diferentes memórias e missões que os indivíduos em minha família de alma têm experimentado com elas. Com a ajuda dos Arcturianos, um povo que conheço criou sistemas para bloquear o seu conhecimento de si mesmos a fim de se tornar espião, transmitindo informações sobre sua “programação” para Draconianos, Zeta, e grupos humanos a fim de auxiliar no processo de compreensão desses sistemas de escravidão mental e aprender a separá-los.



Pode soar duro mas estas pessoas claramente fizeram uma escolha de se submeter a tais operações e, como um embaixador do Conselho Galáctico, eu não posso expressar plenamente, em palavras, a tamanha gratidão que tenho por estas almas corajosas e quanto auxílio seus trabalhos forneceram.



Os arcturianos que conheci diretamente são inteligentes, perspicazes e seres altamente desenvolvidos espiritualmente. Eles estão dispostos a flexibilizar as regras, o que outros estão hesitantes em fazer, já que eles parecem ter um senso inato da longa viagem de alma e do fluxo do tempo.



Os mais velhos não são apenas os grandes detentores de sabedoria mas são também muito alicerçados em ações e operações físicas. Muitas de suas práticas de iniciação envolvem a entrada em áreas de escuridão total, e aprender a trabalhar com a luz que irradia a partir do Eu e em todas as coisas.



Foi-me mostrado que muitas das estruturas de pedra antiga na Terra foram criadas com a ajuda de grupos de alma arcturianos que viajaram para cá. Estas estruturas refletem muitos dos tipos de edifícios e salas que os arcturianos criam em sua terra natal.



Foi-me mostrado montanhas com grandes redes de caverna e salões enormes que tem registrado muitos ancestrais ao longo de milênios. Disseram-me que a maior parte das honras profundas aos Ancestrais pelos povos "indígenas" da Terra é parte dos ensinamentos arcturianos que chegaram no tempo da Atlântida e tempos mais antigos.



Parece essencial para eles lembrar e registrar o fluxo da linhagem e o desenvolvimento genético das linhas de família bem como os registros do genoma de alma.



Os Yahonianos

Uma breve introdução:

Selvas úmidas profundas, pântanos, florestas ricas com sistemas de vida e ciclos intermináveis e abundantes cobrem o planeta das espécies Yahonianas. A jornada para a mestria envolve aprender a se comunicar com cada espécie de planta e animal e descobrir padrões nas formas ilimitadas de interação e relacionamento entre as espécies.

Estes padrões são mapeados através da experiência biológica, da comunhão direta e do conhecimento armazenado e compartilhado em espaços astrais acessados através de jornadas enteogênicas e espirituais.

Aqueles que tiveram a experiência de estudar o lar Yahoniano, muitas vezes têm um profundo senso inato de planta medicinal e das propriedades naturais das ervas, tinturas e óleos essenciais que parecem ir muito além dos ensinamentos da Herbologia terrena. Eles comungam com plantas de uma forma íntima, com um profundo amor por fungos, barro, minhocas, raízes e com a riqueza bruta da terra preta.

Muitos destes ensinamentos foram compartilhados com a Terra por um tempo muito longo e foram independentemente despertados aqui também, um processo natural para qualquer pessoa que se submerge na profundidade da rede vital de Gaia.

Ainda aqueles do mundo Yahoniano se lembram sentados em árvores e adentrando portais estelares, utilizando a medicina de plantas para manter o Conselho Galáctico com outras espécies galácticas e têm um sentido altamente refinado do fluxo de energia em todas as coisas vivas.

O mundo que os Yahonianos me mostraram se parecia muito com Dagobah, o planeta de densas florestas onde viveu Yoda. Quando eu considerava isso, eles pareciam reforçar a minha concepção das semelhanças e até me mostravam uma diversidade de tipos de espécies Yahonianas que incluíam aquela que se parecia muito com o Mestre Jedi. Os outros tipos de espécies primárias eram seres humanóides que eram muito altos, de pele muito, muito escura.

Foi-me mostrado também que a ayahuasca é uma medicina Yahoniana que foi ensinada aos seres humanos na Terra por contato direto e também por almas que vieram a nascer como xamãs nas mais profundas selvas de Gaia.



Os Shihaeleianos



Minha primeira experiência com os Shihaeleianos foi um misterioso download a partir de um Guardião Galáctico, em que me foi dito que me seria permitido revelar mais do meu passado. Eventualmente, essas memórias vieram à tona e vieram com uma tempestade de transformação na minha vida. Fornecerei maiores detalhes sobre as minhas memórias como um Shihaeleiano em breve.



Elas foram extremamente desafiadoras para defrontar e muito complexas mas, com a ajuda de vários irmãos e irmãs que têm as mesmas memórias, eu tenho sido capaz de esclarecer e confirmar uma grande parte do meu conhecimento a partir deste momento. Estas memórias envolvem uma grande quantidade de informações sobre as espécies Draconianas, o que é essencial neste momento de transformação Planetária. Até que eu libere este download, vou mais uma vez dar um vislumbre dos planetas e da cultura desta bela espécie.

Uma breve introdução:

A Arte de Movimento e expressão é o coração da cultura das espécies Shihaeleianas. Desde as dinâmicas Artes Marciais (que podem estender as regras do Espaço-Tempo) até as artes circenses, acrobacias e performances elaboradas, os Shihaeleianos são uma espécie cuja existência gira em torno do equilíbrio de trabalhar e atuar.

Eles têm dois planetas primários: um é um mundo diverso semelhante à Terra e o outro é um planeta deserto. Este planeta tem montanhas brancas que se erguem abruptamente do chão do deserto e é nestas montanhas que os Shihaeleianos esculpem suas cidades.

Há muito tempo atrás, os Shihaeleianos se dedicaram como guardiões do Conselho Galáctico e tantas outras pessoas passaram grande parte de suas vidas se preparando para este serviço sagrado. Algumas almas (inclusive eu), que viajaram para outros sistemas planetários, ainda detêm este juramento na qualidade de guardiões em quaisquer reinos que pudermos encarnar e, muitas vezes, cumprir a nossa missão sagrada de restabelecer a Harmonia Galáctica.

Aqui estava o primeiro Samurai, o primeiro Jedi, o povo forjado no fogo da destruição e escravidão, devastado pelos Draconianos e despertado pela sua luta por liberdade e justiça.



Os Laquinon-winininon winea



Uma breve introdução:



As espécies Laquinon não são planetárias já que seu planeta foi destruído há muito tempo. Há ainda uma poderosa grade de luz onde este planeta costumava estar e é utilizada por esta espécie como uma biblioteca de registros de arquivos galácticos.



Como as tranças de luz do arco-íris e as estruturas geométricas, no local onde o planeta costumava estar estão complexos pilares ressonantes com treliças de informação multidimensional tecidas ao longo deles e profundas redes de fundo atravessando o interior do corpo de luz do planeta.



Estas espécies podem entrar na forma física ou etérica à vontade, tendo aprendido como vibrar os seus corpos em estados com maior e menor densidade. Estes ensinamentos são compartilhados e usados por seres altamente desenvolvidos de outras espécies no âmbito do Conselho Galáctico, e estão, obviamente, abertos a qualquer espécie da Federação Galáctica para exploração e estudo se quiserem fazê-lo.



Os Laquinon são anciãos no âmbito do Conselho Galáctico já que sua espécie tem estado nas redondezas desde muito cedo no desenvolvimento da nossa galáxia.

Atualização recente:

Recebi a confirmação de que a constelação de Cassiopéia é uma referência fundamental e um portal de comunicação para estas espécies. Além disso, é muito provável que o remanescente de uma supernova próxima de Cassiopéia A é a localização real onde seu planeta primário costumava residir antes da estrela explodir. As freqüências de rádio que estão sendo liberadas nesta área são muito extremas, até mesmo para uma supernova.



Os Tiara Danan



Tarde da noite, na praia no Havaí, fui contatado por dois seres, um masculino e um feminino que se chamavam Alean e Alene (pronunciado o mesmo). Eles referenciavam a sua presença através de flashes brilhantes da estrela Vega, embora deixassem claro que seu sistema não está lá. 



Usando conexão estelar, eles me mostraram a região geral num cruzamento parcial de estrelas visíveis para usar uma referência mais precisa. Foi-me mostrado um belo planeta, como a Terra, com muitas pequenas aldeias e “estrelaportos”.



Eles pareciam muito surpresos por eu estar recebendo a comunicação e estavam muito curiosos sobre a capacidade de outros seres humanos de se comunicar desta forma neste momento. Eu simplesmente expressei, através de minha mente, que eu sentia que muitos estavam a despertar para a habilidade e a maioria precisava de ajuda para refinar as suas traduções e eles pareciam entender isso muito bem.



Perguntei-lhes de onde eram e a resposta foi tão complexa como a pergunta, eu percebi. Aparentemente, eles estavam se ajustando para partilhar esta informação especificamente relativa à sua história e origem.



Eles me mostraram flashes que eram relativos às minhas próprias lembranças: sendo um escravo em uma lua vulcânica, exércitos robóticos reptilianos, e as mulheres de minha espécie naquele momento, os Shihaeleianos, eram torturadas e estupradas por reptilianos. Então eles me mostraram os laboratórios onde havia experiências genéticas, e onde algumas das mulheres Shihaeleianas estavam sendo impregnadas por ovos fertilizados híbridos Reptilianos / Shihaeleianos.



As mulheres estavam em profunda oração, mas elas estavam com medo e dor. Elas estavam chamando a Fonte Sagrada para fazer essas crianças portadoras de paz, trazendo à tona toda a luz e bondade de cada raça em seu genoma.



Os reptilianos queriam reproduzir mais guerreiros escravos, utilizando a agilidade e a inteligência do Shihaeleiano combinadas com sua própria força e resistência feroz. No entanto, estas mães já estavam treinando estas crianças dentro de seus úteros para serem livres, despertas no corpo, mente e espírito.



Comecei a entender porque eles estavam me mostrando tudo isso, e Alene e Alean se voltaram para a minha visão interior. Agora eu podia ver parcialmente as suas formas, mas eu lhes perguntei o que eles pareciam ser para ter uma confirmação de projeção mais clara de seus corpos físicos. Em resposta, eu vi um ser que tinha qualidades orientais do ser humano, com qualidades élficas como siriano e sulcos na testa como um reptiliano.



Eles até me deram uma palavra de referência para pesquisa que diziam já ser reconhecida no nosso planeta: romulano. Eu não conseguia lembrar perfeitamente detalhes sobre este nome, mas eu sabia que era do grande corpo de trabalho de Gene Roddenberry: Star Trek.



Depois disso, eles me mostraram vislumbres de sua revolta enquanto jovens, unindo as forças do Conselho Galáctico (que era pouco mais que uma Aliança Rebelde neste momento) para derrubar o Império Reptiliano do interior. Então eles me mostraram o seu papel enquanto guardiões e cidadãos pacíficos da Federação Galáctica, que geralmente mantêm a si mesmos.



Eu profundamente agradeci Alene e Alean, e prometi que iria explorar mais e me conectar com eles novamente no futuro. Antes de fechamos a nossa ligação, eles me mostraram uma de minhas profundas irmãs e me disseram que seria muito importante que eu compartilhasse essa informação com ela em breve, uma vez que iria libertar algum de seu antigo Karma como uma de suas mães.



Com imensa honra e gratidão, eu disse “boa noite” e vi, pela última vez, como Vega pulsava brilhantemente naquela noite.



Em pesquisas posteriores, vi que os seres Romulanos em Star Trek se parecem muito com a forma física que me mostraram. Isto me fez considerar mais profundamente as outras raças que Gene Roddenberry pode ter "canalizado" para o universo de Star Trek, e eu logo notei a semelhança entre a espécie Vulcano e a que eu conheço como espécie Siriana bem como as semelhanças óbvias entre os Répteis e Klingons.



Além disso, deparei-me com o "Tuatha De Danann” na Wikipédia, uma misteriosa raça de pessoas na mitologia irlandesa, também conhecida como o povo de Danu. Notavelmente, eles chegaram na Irlanda aproximadamente em 01 de maio (a data do festival de Beltane) em nuvens negras, embora as versões posteriores racionalizem isto dizendo que queimaram os seus navios para prevenir retiradas, e as 'nuvens' eram a fumaça produzida."



Estas pessoas também teriam trazido com elas quatro tesouros sagrados (um para cada elemento ou fato, encontrado no Tarot ou outra mitologia): O Caldeirão de Dagda, a Lança de Lugh, a Pedra de Fal e a Espada de Luz de Nuada. A Espada de Luz, em particular, poderá eventualmente ser correlacionada com Caliburn, a lendária espada mais conhecida como Excalibur.



Uma avaliação inicial desta informação me levou a suspeitar que há uma conexão entre o povo de Danu e Danan Tiara, possivelmente como um grupo de almas que também atuou na época da Atlântida. Este grupo pode ter permanecido um pouco auto-suficiente, mas os poucos da minha família de Alma, que se sentem ligados a ele, têm fortes memórias de "Elfos" da época de Atlântida, de modo que é provável um link Siriano e um relacionamento aqui também.



Claramente, mais pesquisa e memória compartilhada são necessárias para completar e confirmar a história aqui.



Os Nguura


Após um longo período de auto-desenvolvimento e aperfeiçoamento, finalmente me abri para identificar e aprender sobre uma outra espécie do Conselho. Eu segui uma nave na atmosfera acima de Oahu, o que me levou a me concentrar em uma estrela brilhante quase diretamente ao sul, perto do horizonte abaixo dos pés de Cão Maior.



Era Canopus, da constelação de Carena (Quilha). Passei muito tempo apenas recebendo energia a partir desta estrela me abrindo para os canais de informação que fluem prontamente por ela. Seguindo alguns pulsos de luz, eu comecei a ver um sistema maior de estrelas que iam claramente ser uma superfície para a transmissão holográfica.



Um momento depois, um ser se definiu fora das estrelas e me cumprimentou com olhos brilhantes e um grunhido de boas vindas. Ele tinha uma cabeça larga, lisa e formato de disco que chegava a um pico levemente curvo como o chapéu redondo de um agricultor. A parte frontal da cabeça mudava para um tipo de rosto humanóide, mas com olhos escuros largos e brilhantes e quase nenhuma saliência no nariz.



Um queixo firme e lábios finos fizeram-no aparecer imediatamente pacífico e em consideração. Um flash no olho da minha mente o equipou com um traje aveludado, semelhante à roupa do piloto no filme "The Last Starfighter". Eu podia ver uma luz quente em seu terceiro olho e quase um brilho elétrico em torno da borda de sua cabeça como se o seu campo psíquico fosse bem distribuído em seu contorno.



Sua voz, então, ricocheteou em minha cabeça e eu me encontrei falando as suas palavras para provar a sua textura e compreender a energia do dialeto. Minha boca encontrou a maioria das formas familiares e a linguagem parecia uma mistura de Quiche Maya, Lakota, e Yahoniana. Era um pouco densa com sons vocálicos prolongados, mas elástica, formada entre ricos sons G, K e CH.



Eu ri alto, pois eu sabia que ele estava expressando honra e gratidão por me encontrar e eu deixei minha boca levar adiante minha reciprocidade por sua apreciação. Ele me perguntou sobre minha recente casa galáctica e eu imediatamente trouxe o sistema de Sirius em alinhamento com o nosso espaço telepático compartilhado. Ele riu e concordou com alguma aparência de aprovação em sua avaliação.



"Onde está o seu sistema planetário? Eu perguntei. Minha visão dele nas estrelas se desfocou e a imagem que eu havia traçado se atirou abaixo em um feixe luminoso de luz a partir da cauda de Cão Maior em direção a Canopus, e então um flash indicou uma outra estrela no canto superior esquerdo da estrela brilhante em Carena , que eu descobri, mais tarde, se chamar Tau Puppis (da Constelação de Popa).



Outro flash apareceu equidistante de Canopus no canto superior direito mas, quando olhei, não pude ver nenhuma estrela visível no local. Incerto, eu olhei de volta para Tau Puppis, mas novamente percebi algum tipo de marca de energia na sua posição simétrica. Compreendendo, eu cabeceei sabendo que, embora eu não pudesse ver sua estrela no sistema, ela estava lá, na mesma distância e ângulo de Canopus assim como Tau Puppis.



Eu fui imediatamente recompensado com uma sequência curta de luz próxima no céu. Após alguma pesquisa astronômica, acredito que o sistema pode estar em torno de Beta Pictoris, uma pequena estrela na constelação de Pictor, que significa "Pintor".



Voltando a minha atenção a este ser diante de mim, holograficamente mostrado nas estrelas acima de Canopus, passei alguns minutos apenas me conectando com ele, e perguntando-lhe que nome eu deveria usar para fazer referência à sua espécie. Ele sorriu no coração e o som "NGUU-RA" ressoou através de meu ser. Eu disse em retorno várias vezes, obtendo uma sensação por ela e ele parecia satisfeito.



Depois de um tempo, pedi para aprender um pouco mais sobre o seu povo, e fui saudado por uma consciência muito feminina. Em um flash visual, eu poderia dizer que as fêmeas de sua espécie são muito belas e esta reflexão provocou outra risada e sentimento de profunda gratidão que fluia através do nosso campo de três vias telepáticas. Ela me levou através de uma história muito breve, onde foi-me mostrado uma variedade de coisas sobre a sua espécie e vou gravar essas idéias aqui tão bem quanto eu for capaz de traduzir.



Eles pareciam construir muitas de suas estruturas precoces no subsolo, mas com vista aberta para o céu. O céu era a casa de seu único predador real, uma espécie semelhante ao terradáctilo.



A partir das imagens que eu vi, parecia que as suas estruturas de cabeça primeiramente evoluíram como escudos para protegê-los dos ataques aéreos. Mais tarde, suas cabeças se tornaram uma das suas ferramentas mais poderosas para sentir o ambiente ao seu redor, tanto física como psiquicamente.



Mais tarde, eles dominaram a comunicação com as espécies voadoras parecidas com terradáctilo e aprenderam a viajar ao redor do seu planeta, desenvolvendo um relacionamento com essa espécie para usá-los como montaria. Este foi um enorme passo para agregar os seus povos e acelerar a sua capacidade tecnológica para o ponto de algumas grandes revoluções energéticas.



Finalmente, eu vi algum tipo de sistema de reforço para a sua energia-pensamento, o que permitia a levitação estável e viagens físicas de alta velocidade sem veículos externos. Este foi o momento que reuniu a atenção coletiva do Conselho Galáctico e permitiu que a espécie Nguura se juntasse à família.



Espero aprender mais sobre Nguura e irei partilhar as transmissões aqui e em meu próximo website “Família Galáctica” assim que estiverem disponíveis.




Original de Harmonic Dimensional Matrix:




Tradução: Thiago Freitas

http://mensagensgalacticas.blogspot.com

x

Pesquise no Site por Assunto

AS 10 MAIS DO MÊS