19 de abr de 2013

O Segredo do Mestre

.

 Uma mensagem de Jesus, canalizada por Judith Coates
 18 de Abril de 2013

Amado, ao longo dos séculos os seres humanos queriam saber: “Quem é Deus? O que é Deus?” Houve definições. Os sábios vieram com explicações, com uma descrição de Deus, e, no entanto, isto não é Deus. Eles podem descrever um aspecto de Deus, mas não todos de Deus, pois descrever e definir Deus é limitá-lo. Deus não é ele ou ela, nem mesmo um gênero, mas uma Energia contínua e infinita que está sempre em expansão, desde antes do início dos tempos. E depois que o propósito do tempo tiver sido cumprido – acredite nisto ou não, há um propósito para o tempo – após este propósito ter sido cumprido, você como a Mente, a extensão e a expressão da Mente, continuará em expansão, sempre perguntando, não em palavras, mas na Existência da Energia – “O que mais eu posso experienciar? O que mais eu posso criar? Onde posso me expressar?”


Vocês continuarão criando universos após universos, dentro de universos, físicos e espirituais, até o espaço onde vocês se conheçam verdadeiramente como espíritos; não definidos por qualquer coisa; sem que estejam limitados por qualquer coisa. E, no entanto, vocês escolheram, ofereceram-se para estar nesta encarnação, assumirem a forma, a unirem-se à Luz e à energia que vocês são, assumir a forma e viver com outros irmãos e irmãs que ainda acreditam que tem que haver uma forma que eles possam chegar e tocar, uma forma que eles possam ver, uma forma com que eles possam falar.

 Você disse: “Eu irei mais uma vez como a Luz e o Amor de Deus/Deusa/Pai/Mãe/Tudo O Que É, e falarei com meus irmãos e irmãs, mas mais do que isto, estarei com eles na essência de Tudo, na essência do Uno.

 Você é um mestre. Já falamos sobre isto em outros dias, em outros tempos. Você, porque você é um mestre, antes desta encarnação e de muitas outras encarnações, observou o que estava acontecendo na realidade de 3D – ou algumas vezes, na 2D – e disse, “Eu irei e levarei a minha Luz e a minha sabedoria, tanto quanto seja aceitável, para a experiência do todo”. E assim, como o mestre que você é, veio mais uma vez para servir no Despertar.

 Sei que você questiona isto. Você diz: “Bem, estou aqui para servir ao Despertar e posso ver todos estes problemas que estão acontecendo, não apenas no coletivo, mas também em minha vida individual. Como posso ser um mestre? Por que, se eu fosse um mestre, iria escolher entrar em tal experiência?”

Bem, é porque você é um mestre que escolheu e a cada dia, você escolhe. O segredo geral do mestre – e não é um segredo: é para que todos saibam – o segredo do mestre é a escolha, o fato de que você tem uma escolha. Você pode escolher viver com a mídia e dizer: “Oh, meu Deus, isto é tão ruim. Eu não sei como isto irá dar certo. Sinto-me muito mal pelos meus irmãos e irmãs que têm que passar por guerras e pela violência que a mídia relata. Como é que isto levará a um despertar?”

Neste momento, você tem a dádiva mais maravilhosa: a dádiva da escolha. Você pode escolher permanecer neste lugar em que você diz que é tão ruim, ou pode dizer que é a conclusão e a demonstração, o que é realmente. É a conclusão, algumas vezes, no nível individual. E muitas vezes é uma demonstração para que os irmãos e irmãs vejam e tenham a oportunidade de sentir empatia, a Unidade. Muitas vezes aqueles irmãos e irmãs que estão experienciando grandes desastres, violência, tendo todos os membros da família, talvez, desistindo do corpo, na maioria das vezes por torturas, são mestres que se dispuseram a desempenhar esta parte.

 Agora, não estou dizendo que seja fácil e que eles não sofram, porque isto ocorre. Eles conhecem a experiência do corpo humano. Eles conhecem a emoção humana. Ma, principalmente, a alma deles, o verdadeiro ser deles, é um mestre que concordou em participar, de modo que outros possam observar e ver que o que está acontecendo não é amoroso, não é a Unidade. É a divisão, e a não verdade da separação.

 E assim, quando você observar o que a sua mídia lhe traz, você tem o momento de identificação com o que está acontecendo. Você compreende a aparência. Você sabe o que está acontecendo. Então, entra neste espaço, como uma escolha consciente, para lhes agradecer pelo que eles estão fazendo para lhe trazer ao espaço onde você possa dizer: “Terminei com isto. Quero estar no amor. Quero saudar a todos com amor e quero ter todas as incompreensões resolvidas ao espaço de compreender a Unidade.”

E quando aqueles vierem e lhe trazerem um exemplo onde há a oportunidade de observar algo com a emoção humana, você tem a mais maravilhosa ferramenta da escolha. É tão simples que é negligenciada muitas vezes. É a própria simplicidade ao escolher; sem reagir, sem julgar, sem nem mesmo ver que haveria algo a julgar; mas ser grato por eles estarem completando e mostrando a conclusão da desumanidade do homem/mulher com o homem/mulher.

 Mesmo em uma escala mais pessoal, quando você tem amigos que talvez vejam as coisas de maneira diferente do que você, eles trazem a oportunidade onde você poderia ver a divisão: você tem a escolha. Você pode olhar além do que eles estão dizendo – como você tem feito – e amá-los como o ser, o verdadeiro ser que eles são. Palavras não importam.

 Você não percebe o grande poder da escolha, porque o ego separado lhe trará a possibilidade de que você poderia encarar isto no julgamento, dizendo: “Ah, mas é tão bom ficar no julgamento, porque eu sou superior. Eu não sei por que eles estão fazendo isto, assim eu julgarei.” E assim você faz, por um momento, e isto está bem, porque agora você sabe que não tem que ficar aí. Você reconhece: “Estou em um lugar onde não tenho que estar. Tenho o poder da escolha, de me afastar daquilo que eu considerava como a verdade – “v” com letra minúscula – que esta situação é, e eu tenho o poder da escolha de conhecer a Verdade – com “V” maiúsculo – desta situação.

 Se isto tem a ver com os relacionamentos e a cura do mesmo, ou se tem a ver com o corpo e a cura do corpo, você tem a escolha quanto a como irá encarar isto – a cura do planeta, a cura de todo o conhecimento que você trouxe a esta encarnação. Você tem a escolha.

 Agora, como eu disse, é a própria simplicidade. É tão simples que o ego separado despreza isto e diz: “Ah, sim, mas você sabe, parece realmente bom ter um pouco de raiva acontecendo aqui. Eu posso passar um ou dois minutos com algumas palavras bem escolhidas.” E você pode. Mas a parte maravilhosa que eu quero que compreenda, é que você tem e usa o poder da escolha, seja para permanecer aí ou optar por deixá-lo ir.

 Eu o vejo. Eu o vejo como você está deixando ir mais e mais rapidamente, enquanto está escolhendo estar em um espaço que diz: “Eu conheço o amor. Eu sinto amor. Este outro é somente o drama. Este outro está passando”. E está. “Eu conheço o sentimento de expansão do amor, e é onde eu escolho ficar.”

E uma vez que você escolha viver neste espaço de amor, você se percebe rindo da sua outra parte que ficava tão perturbada com qualquer coisa. Há uma citação em outro tratado que diz: “Eu poderia escolher a paz em vez disto.”

Mas nesta vida você tem sentimentos de julgamento. Você conhece as emoções humanas. Você sabe como é ter julgamentos, mas também sabe como sair deste espaço. Seus amados amigos, aqueles de quatro patas, seus adoráveis animais de estimação, não passam muito tempo no julgamento. Eles podem ter reação, mas então isto passa muito rapidamente.

 Tudo o que você chama aí está, porque você o chamou para lhe dar a oportunidade de escolher, dar-lhe a oportunidade de ter a emoção humana, que é muito bem treinada, por causa de muitas, muitas existências, e então você tem o poder de escolha para dizer: “Bem, eu posso permanecer realmente zangado diante desta situação’, ou “Eu não acho que vale a pena a energia.”

O julgamento de outros, até mesmo as expressões faciais de outros, pertencem a eles, e se eles tiverem determinada expressão facial que você poderia interpretar como sendo desanimadora, você pode rir. “Bem, eu apenas me lembrei de algo engraçado”, e você pode continuar. Isto muda toda a energia.

 O mestre conhece o segredo. O segredo é a escolha quanto a onde você permanecerá. Não há julgamento nisto: você não se julga por passar um minuto, cinco minutos, cinco dias em um determinado espaço de julgamento. E mais cedo ou mais tarde – algumas vezes mais tarde – você se afasta deste espaço, porque você tem a escolha e tem o poder.

 Este é o seu poder, o poder da escolha, que você construiu para esta realidade. Como eu disse, é tão simples que é frequentemente esquecida. E falamos muitas vezes do poder do sorriso. Quando você está frente a frente com alguém e se sente realmente provocado sobre o que ele/ela lhe disse, subitamente uma ideia pode vir: “Eu não tenho que reagir a isto. Eu posso sorrir.” Então você sorri, e o outro irá se perguntar: “Em que página ele está? Ele não está na mesma página do script em que eu estou. Ele deve ter escorregado para a frente em algum lugar.” E então a energia muda.

 Tente isto. Da próxima vez em que você tiver uma pessoa que talvez esteja querendo que você passe por momentos difíceis, você não tem que assumir isto. Você pode sorrir. Você pode escolher estar no espaço da verdadeira comunicação – a união comum – que um sorriso pode trazer. Ou talvez, você possa escolher se afastar com amor.

 Você não tem que viver neste espaço de julgamento. Você não tem que viver no espaço que é desagradável – até mesmo um espaço físico; você pode se afastar dele. Você pode expressar a sua verdade, sabendo que, talvez, o outro não o ouça da maneira que você está querendo que ele o ouça. Isto não importa. Você sorri e se afasta disto, algumas vezes, fisicamente, sempre emocionalmente.

 Em muitas, muitas existências você se envolveu no drama – um drama pesado, muito pesado – sem saber que havia outra alternativa para ele. Em muitas vidas você agiu de acordo com o ensinamento habitual das gerações que diz que se alguém atirar uma pedra em você, você tem que lançar uma de volta para ele, seja ela física ou seja um julgamento mental ou uma palavra. Mas agora você sabe que tem o poder da escolha. Você pode sorrir com os seus olhos brilhantes e avançar para algo que seja mais agradável.

 Você é um grande mestre que está se lembrando da simplicidade da escolha, do poder da escolha. Você pode escolher onde quer estar. Você pode mudar o seu mundo através de sua escolha, quanto a onde irá permanecer. Este é o seu poder.

 Fique comigo. Ria frequentemente. Na minha vida que é tão famosa, eu ri muitas vezes com você, meu discípulo. Pois, verdadeiramente, a vida pode ser opressiva, mas não tem que ser. Ela pode ser leve e levada de forma alegre, e eu escolho – eu opto neste dia e momento viver com você e como você – eu escolho viver levemente e rir frequentemente, porque o drama é apenas isto, e ele está passando e evoluindo.

 Escolha encarar o lado positivo das coisas. Escolha olhar para a luz. Escolha onde você irá ficar – na luz, no amor e comigo, sempre.

 Que assim seja.

 Jeshua ben Joseph (Jesus), expressando-se através de Judith Coates.
  
-.....---==II==----.....-
 Direitos Autorais 2012 Universidade Oakbridge. 

O material de Oakbridge é protegido por direitos autorais, mas gratuito para qualquer pessoa que queira usá-lo, contanto que os créditos apropriados sejam listados, incluindo o nosso endereço:
www.oakbridge.org

Traduzido por: Regina Drumond – reginamadrumond@yahoo.com.br

Pesquise no Site por Assunto

AS 10 MAIS DO MÊS