5 de fev de 2015

Revelações do êxodo: Moisés – parte I

oisés, meu servo(Nm 12:7), a poderosa mão direita e braço estendido do SENHOR! Poucos personagens históricos são maiores do que Moisés ou já permearam as páginas de qualquer documento, seja da Sagrada Escritura, tradições, ou contos fantásticos, nem há muitos nomes engendrados com tanto respeito ou admiração. Reverenciado pelas três grandes tradições monoteístas, e respeitado por muitos outros ao redor do mundo por milhares de anos Moisés, tanto o nome quanto o homem, ainda permanece um mistério.

A história de Moisés, seu misterioso nascimento, vida e morte foram cuidadosamente registrados nos livros de Êxodo, Levítico, Números, Deuteronômio e Josué, e seus escritos continuam até hoje na forma do Pentateuco, os cinco primeiros livros da Bíblia : Gênesis , Êxodo , Levítico , Números e Deuteronômio. Muitos também creditam a ele a autoria de alguns Salmos, e outros defendem que ele também pode ter sido o autor, ou pelo menos transcrito, o Livro de Jó , mas isso é um tema para outro artigo.


O mistério de Moises começa com seu próprio nome. Moisés começou a sua vida fugindo, como um mero bebê sendo caçado pelo faraó Seti I, (1)o velho dragão do antigo Egito(Ezequiel 29:3, Almeida corrigida), porque os oráculos sacerdotais do faraó haviam profetizado que um grande libertador iria surgir de entre os hebreus e destruir o Egito. Moisés, porém, foi resgatado da morte certa por sua mãe, Joquebede da tribo de Levi , que o colocou em uma cesta de juncos selada com betume, e, em seguida, colocou-a sobre o Nilo, deixando que Deus determinasse o seu destino.  Moisés foi encontrado pela filha do Faraó (Josephus creditou que ela chamava-se Thermutis ou Bithiah), que, em seguida, adotou-o como seu próprio filho, como ela era, aparentemente, sem filhos ou incapaz de ter filhos. Foi então que a ele foi dado o nome misterioso de “Moisés”.


MOISÉS, O NOME


"Encontrar de Moses ', por Edwin Longo
”The Finding of Moses“, pintura de Edwin Longo, que descreve a descoberta de Moisés nos juncos do Nilo pela filha do Faraó. O famoso estudioso judeu Josefus acreditava que o nome dela era Thermutis, mas a Bíblia é omissa sobre a questão, talvez porque era teofórico na natureza – ou seja, ela pode ter contido um ou mais nomes de divindades egípcias. Outras fontes tem seu nome como ” Bithiah “, que significa” filha de Deus “, em honra de ela ter salvo Moisés da água.

Não só o nascimento de Moisés tem sido um assunto de debate acadêmico, as teorias que variam ao longo do Novo Império, um período da história egípcia(1570-1070 aC), até mesmo o próprio significado do nome de Moisés foi submetido a escrutínio. Alguns acreditam que seu nome hebraico real, em hebr. Móshe (מֹשֶׁה),pronuncia-se “mo-sheh”, foi derivado da palavra hebraica Mashah , “tirar”, lembrando que ele tinha sido retirado da água pela filha do Faraó. Este nome foi mais tarde helenizado no nome que conhecemos melhor hoje como “Moisés”, tal como o nome do notável Nazareno “Joshua” foi mais tarde Helenizado para o nome mais conhecido como”Jesus”. Veja também Antiguidades Judaicas, Flávio Josefo, Livro II, Cap. 9 § 6.

Outros, incluindo o famoso historiador judeu Flávio Josefo , acreditou que o nome “Moisés” foi derivado das palavras egípcias mo , “água” e uses “, para salvar, salvamento”. Outra possibilidade era que seu nome foi formado a partir da palavras egípcias mo , “água” e sa , “filho”, o que significaria que Moisés literalmente significa “filho da água”. E apesar de todos estes são muito boas explicações, talvez a melhor tradução é baseada no fato de que as palavras de Moisés em egípcio significa “filho de”. Esta palavra foi utilizada nos nomes de faraós, como Faraó Tutmés III (anos de reinado 1479 aC a 1425 aC), cujo nome thutmoses literalmente significa “filho de Thoth “, o antigo deus egípcio da sabedoria. Da mesma forma, o nome do faraó Ramsés I(reinou nos anos de 1292-1290 aC), o faraó provável anterior a matança dos inocentes (e deRamsés II (anos de reinado 1279-1212 aC), o faraó do Êxodo), divide-se a Moses ra , “filho de Ra “, o antigo deus egípcio do sol e deus principal do panteão egípcio (pelo menos durante esse período da história egípcia). Este é, talvez, a melhor tradução como, uma vez que o nome do Deus de Moisés não era conhecido pela filha do Faraó, a ausência de um teofórico “nome deus” antes do nome “Moisés” (Ra, Thoth-, Hapi-, etc. ) faria sentido. Se assim for, “Moisés” pode significar literalmente, “filho do Deus desconhecido”, ou talvez mais precisamente, “filho de Deus, que não tem nome”. O último é provavelmente é melhor, assim como não só Bithiah não sabiao nome do Deus da criança bonita a quem ela havia salvo do Nilo, mas como o próprio Deus disse que Ele não tinha um nome em Êxodo 3:14 , chamar a si mesmo de forma simples, “EU SOU”. Isto significa, literalmente, que Deus não tem nome, pois estamos entender o conceito, pelo menos não um que possa ser falado ou compreendido pela carne mortal. Como tal, no contexto, o nome simplificado “Moisés” foi a escolha perfeita. (2)

MOISÉS, O LEVITA
Moisés, o levita
Uma fotografia de um rabino judeu em 1937. Ele está vestindo O talit – טַלִּית (no hebraico moderno), talet – טַלֵּית (em sefaradi) ou talis (em Iídiche) é um acessório religioso judaico em forma de um xale feito de seda, lã (mais caro e elegante que o de seda) ou linho, tendo em suas extremidades as tsitsiot ou sissiot “sefaradi” (franjas). Ele é usado como uma cobertura na hora das preces judaicas, principalmente no momento da oração de Shacharit (primeiras orações feitas pela manhã), e oTefilin (em hebraico תפילין, com raiz na palavra tefilá, significando “prece”) é o nome dado a duas caixinhas de couro, cada qual presa a uma tira de couro de animal kasher, dentro das quais está contido um pergaminho com os quatro trechos da Torá em que se baseia o uso dos filactérios (Shemá Israel, Vehaiá Im Shamoa, Cadêsh Li e Vehayá Ki Yeviachá). Uma caixa com uma fita longa de couro é colocada no braço esquerdo e aponta para a região do coração. A fita dá Sete voltas o lado. Lá, três rotações formam a letra hebraica Shin , a primeira letra da palavra hebraica “Shema” (“Ouça”, como em “Ouve, ó Israel”, as três primeiras palavras de uma declaração teológica muito importante feita por Moisés, em Deuteronômio 6: 4 ). A segunda caixa é colocada sobre a testa, com as suas duas fitas caindo para a direita e à esquerda da mama. Embora o tefilin não seja oficialmente ordenado até depois do Êxodo ( Êxodo 13: 9-10 ), este homem provavelmente teve esse rito direito na sociedade israelita durante seu cativeiro no Egito. Imagem da Faculdade de Wabash Culturas e Tradições: ” Slides de Roman Vishniac “.

Mesmo que Moisés sendo salvo do assassinato pelos sacerdotes egípcios, cujos oráculos haviam previsto a vinda de um grande homem de entre os hebreus, que iria destruir o Egito, ele se recusou todas as amas de leite dos egípcios, tendo apenas o peito de sua mãe quem sua irmã, Miriam tinha sugerido como alternativa. Sem saber que esta estranha mulher hebraica, Joquebede, da tribo de Levi, era na verdade a “verdadeira mãe, e  Moisés cresceu em força e sabedoria , os egípcios decidiram manter e criar a Moisés como um dos seus próprios. Como resultado, durante sua infância, Moisés foi muito provavelmente introduzido nos ensinos básicos e tradições dos levitas, embora a quantidade e a duração da sua interação com os seus irmãos levitas seja desconhecida.

QUEM FORAM OS LEVITAS?

Os levitas eram os descendentes de Levi , o terceiro filho de Jaco através de Lea . Durante o período de Êxodo o Senhor deu aos levitas a honra especial de serem levantados para serem sacerdotes sobre todo o Israel, o seu papel primário era o de gerir a arca e seu tabernáculo ( Deut. 10: 8 ) e todos os rituais de acompanhamento ( Números 8 ) , servindo como um intermediários entre o tabernáculo e as outras 11 tribos, “para que não haja indignação sobre a congregação dos filhos de Israel” ( Números 1: 50-53). Após o sucesso na conquista de Canaã, os levitas foram dadas suas próprias cidades especiais durante todo Israel que foram espalhados pelas outras 11 tribos, de onde eles iriam servir como sacerdotes para toda a nação ( Números 8 ; 35 ; cf. também Gênesis 49: 5 -7 ). E, embora a sua função principal era o de servir como intermediários sacerdotais entre o Senhor e Israel, como também os levitas tinham a função importante de ser uma espécie de agentes de ligação sócio-econômica / político para a nação. Ao manterem as regras e normas comuns, baseadas sobre o tabernáculo padrão(mais tarde Templo) , os levitas tinham uma função social de manterem todas as tribos unidos, o próprio nome Levi significa “unido” ( Gen. 29:34 ).

E apesar de todos saudáveis, os descendentes masculinos de Levi foram qualificadso para serem sacerdotes, apenas a linha sacerdotal especial de Aarão, irmão de Moisés, foi autorizada a ministrar no tabernáculo – o santuário central do antigo Israel. Este direito incluiaa a gestão da Arca da Aliança e do resto do mobiliário do tabernáculo, todos os utensílios que acompanhavam o ritual, as vestes sacerdotais especiais, e todos os rituais do tabernáculo que os sacerdotes Aaronitas tinham que manter de forma precisa, “para que vos não morrais “( Levítico 10 ; Números 18 ). E, embora a criação do tabernáculo, a arca e tudo o que acompanhava não teria lugar até que o tempo do Êxodo, porque durante o seu tempo no Egito, os levitas, como Moisés, poderiam muito bem ter tido acesso aos ensinamentos dos egípcios, que incluiu não só a leitura, a escrita, e todas as artes liberais, mas também as suas artes “mágicas”, particularmente o que chamaríamos hoje de “ciências”.

MOISÉS, O OCULTISTA


Embora os sacerdotes egípcios, como vimos, suspeitassem que Moisés fosse o único pessoa com as qualidades a quem as suas profecias tinha predito que seria levantado pelos deuses para golpear e ferir o Egito, por causa do amor de Bithiah, a filha de Faraó, com grandeza, uma beleza quase divina, os sacerdotes cederam e levantaram Moisés como um dos seus, dando-lhe a maior educação e treinamento disponível em qualquer lugar do mundo naquela época. “E Moisés tornou-se instruído em toda a ciência dos egípcios, e era poderoso em palavras e obras” ( Atos 7:22 ). A maioria dos teólogos tendem a evitar este lado de Moisés, mas a verdade é que, como o filho adotivo da filha de Faraó, Moisés teria tido acesso a toda antiga sabedoria e conhecimento dos egípcios – ainda maior do que a maioria dos sacerdotes, que eram os detentores e intérpretes do conhecimento e tradições antigas. Isso aconteceu porque, como um membro da casa real, ou da per-aa , (lit., “grande casa”, a partir do qual mais tarde foi derivada o termo “faraó”), ele teria tido acesso às tradições de todo o sacerdócio do Egito – os dos deuses Ra , Amon , Ptah , Osiris , Hathor , e de cada tradição sacerdotal. Isso aconteceu porque a religião egípcia não era monolítica em caráter, mas, na verdade, um politeísmo de tradições separadas com base na adoração de muitos e diferentes deuses, cujos templos dominavam as numerosas províncias, ou “nomos” do Egito, divisões políticas semelhante em função dos Estados Brasileiros, a não ser que cada estado também tinha sua própria visão religiosa única de mundo

 O FARAÓ

Horus proteger faraó Khafre

A famosa estátua do faraó Khafre , onde o falcão-deus Horus pode ser visto protegendo-o de todo o mal. Os anos exatos de reinado de Quéfren são desconhecidos, mas estima-se que há algum tempo durante o século 25 aC , Khafre é acreditado pela arqueologia tradicional como sendo o construtor da segunda pirâmide de Giza, a chamada ” pirâmide de Khafre “.

A única e verdadeiramente força unificadora religiosa, social, econômica e política do país era o Faraó. O Faraó acredita ser a encarnação do deus Hórus , o deus todo-poderoso do panteão egípcio quem os egípcios acreditavam que, em tempos primitivos, havia conquistado e levado soberania sobre todo o resto dos deuses do Egito. Assim, como a encarnação de Hórus, o Faraó foi considerado o governante de todos os deuses e, por extensão, seus sacerdócios, e todos os territórios que cada sacerdócio controlava, fazendo-o a absoluto lidre religioso e chefe político absoluto da nação. Como resultado, ao contrário dos sacerdotes, cujo conhecimento era geralmente limitado aos ensinamentos e tradições de seus templos particulares, todos aqueles que habitavam dentro da família faraônica recebiam privilégios e acesso ao conhecimento de sacerdócios de todos os deuses do Egito ( 42, segundo algumas estimativas, e possivelmente mais). E considerando o antigo legado dessas sacerdócios, eca multiplicidade de divindades do Egito, que o conhecimento deve ter sido substancial e de uma qualidade superlativa em relação à de outras nações do mundo antigo.

É razoável afirmar, então, que Moisés tenha sido perfeitamente posicionado por Deus para acumular e consolidar as enormes quantidades de sabedoria e conhecimento antigo que os egípcios tinham guardados e mantidos por milhares de anos. Que o acesso quase ilimitado, juntamente com a humildade e temor de Deus, Moisés através de sua educação levíta, deu a Moisés a capacidade única de escolher o bem, e rejeitar o mal, fazendo dele o árbitro perfeito para peneirar os milhares de anos de conhecimento acumulado dos egípcios e escolher qual manter e quais descartar.


TODA A SABEDORIA DOS EGÍPCIOS

Mas o que era esse conhecimento? Com base nestas declarações sobre sua educação em “toda a sabedoria dos egípcios”, vários comentadores ao longo da história têm tentado escrever a história oculta de Moisés, embora nenhum tenha conseguido capturar completamente a mente complexa e experiências dessa figura enigmática. EA Wallis Budge , em seu ”From Fetish To God Ancient Egypt” (Kegan Paul Library of Ancient Egypt), postula que “Moisés era um performer hábil de rituais mágicos e foi ensinado profundamente no conhecimento dos feitiços, encantamentos e fórmulas mágicas de todos os tipos … [ Além disso] os milagres que Ele operou … sugerem que no Egito ele não foi apenas um sacerdote, mas um mago da mais alta ordem e talvez até um Ker Heb [Sumo Sacerdote egípcio ]. “(3) O sumo sacerdote egípcio Manethon , mais conhecido por sua compilação da antiga lista faraônica que tem servido como um de nossos guias principais para cronologia egípcia antiga, acreditava que “Moisés, um filho da tribo de Levi, educado no Egito e iniciada a Heliopolis(do grego Ἡλιούπολις, “cidade do sol”) , tornou-se um Sumo Sacerdote da Irmandade sob o reinado do faraó Amenhotep IV [mesmo  Aquenáton]. Ele foi eleito pelos hebreus como seu líder e ele adaptou às idéias de seu povo a ciência e a filosofia que ele tinha obtido nos mistérios egípcios . “ (4)

Moisés e Arão perante Faraó

Embora estas suposições provavelmente contenham somente fragmentos de verdade, a resposta final pode ser encontrada no velho aforismo (com base em Mateus 07:16 ), “Você pode dizer a uma árvore de seus frutos.” Se Moisés tivesse aprendido todos os feitiços ocultos, encantamentos e fórmulas mágicas dos antigos egípcios, ele certamente os teria usado, mas ele não o fez. Pelo contrário, ele era extremamente manso e humilde, quase a atitude de um poderoso mago empenhado em impor a sua vontade sobre os outros ( Êxodo 4: 10-13 ;Números 12: 3 ). Além disso, é evidente a partir dos “maravilhas” mostradas pelo Senhor a Moisés no Monte Sinai que Moisés poderia ou não estar familiarizados com aquelas manifestações, ou ficou surpreso ao vê-los realmente acontecerem, como ele ficou com medo e fugiu quando o Senhor transformou o cajado de Moisés em uma “serpente”, e, em seguida, mostrou sua mão “leprosa” ( Êxodo 4: 1-8 ). Se ele soubesse dessas coisas, ele não teria se surpreendido ou impressionado com eles, assim como os magos de Faraó não só não ficaram surpresos, mas como foram capazes de duplicar a façanha de ransformar os cajados em serpentes ( Êxodo 7: 8-12 ). Ou, pode ser que sua surpresa ao ver o cajado realmente se transformar em uma cobra de verdade indicasse que ele sabia que a “magia” dos egípcios era de fato uma  trapaça -, ilusões ou passes de mágica – ao contrário dos verdadeiros milagres que o Senhor havia feito antes dele. A última idéia é apoiada pelo fato de que, mesmo que os magos do Faraó tenham sido capazes da façanha de transformar as varas em cobras , o fato de que só serpente do Senhor ficou e ao ter “devorado” as outras serpentes dos magos indica que suas serpentes eram de fato apenas o resultado de artifícios, enquanto serpente do Senhor era real, o resultado de um verdadeiro milagre – e, portanto, infinitamente mais poderoso. O que continua a impressionante e evidente, no entanto, é como Moisés transformou seu cajado em uma “serpente”, e de como ela foi capaz de “devorar” todas as serpentes dos magos de Faraó. Foi um combate contra “magia” através do poder de Deus, ou algum tipo de “ciência” foi utilizada pelos magos?

MOISÉS , O CIENTISTA?
"Thoth, Scribe dos deuses" © 1988 Jenny Carrington
Thoth, Scribe of the gods © 1988, pintura de Jenny Carrington. Thoth era o antigo deus egípcio da sabedoria, e foi o único que deu à humanidade o conhecimento da matemática, escrita, astronomia, e muitas outras habilidades. Ocultistas frequentemente associam Moisés a Thoth, segundo eles, em grande parte porque muitas de suas criações tecnológicas (a arca, o tabernáculo, a serpente de bronze, etc.) que são vistos por muitos como tendo sido feitos científicos significativos, a verdadeira natureza da qual somos só agora começando a entender. Note-se a medição da régua na mão direita de Thoth, e o fio de prumo pendurado em seu cinto.
Então, se Moisés não foi um “mago”, mas um Ker Heb familiarizado com as “artes negras” e magias e tal, o que ele aprendeu com os sacerdotes egípcios? Muitos acreditam que ele não aprendeu a “magia”, mas conhecimentos científicos da época. Ciência, para o ignorante e supersticioso, parece ser mágica, mas para aqueles que tiveram seus olhos abertos por meio da educação, a ciência é apenas um meio de explicar como o mundo funciona, uma compreensão do que seria de fato ser “poderoso em suas palavras e ações “, particularmente em um mundo onde a crença na magia e superstição foi a regra. Graham Hancock explica em sua obra seminal, Sign and the Seal: The Quest for the Lost Ark of the Covenant, “Moisés … foi frequentemente comparado ao [o deus egípcio da sabedoria] Thoth (na verdade, no século II aC um trabalho inteiro foi preenchido com tais comparações pelo filósofo judeu-grego Artapanus, que creditou ao profeta com uma clara gama de notáveis invenções “científicas”). ” E nada menos que o famoso fundador da física moderna, Sir Isaac Newton acreditava que “Moisés entendeu que a matéria consistia de átomos, e que esses átomos eram  sólidso e imutáveis.”Bom pelos menos para o conhecimento da epoca e Newton (5)

Em retrospecto, embora comentaristas modernos vejam pessoas como Artapanus como tendo lendas inventadas em seu afã de promover o interesse do pensamento judaico e da literatura em todo o mundo de seu tempo, e  maçônicos como Isaac Newton tentaram equiparar Moisés com ícones do ocultismo, como Thoth e Hermes , embora a maioria de suas especulações sejam heréticas na melhor das hipóteses, pode ter havido núcleo de verdade em suas suposições sobre as realizações científicas avançadas de Moisés e dos israelitas. No entanto, como veremos, pode ser mais exato dizer que Moisés pode não ter realmente inventado uma tecnologia avançada, mas redescobriu uma tecnologia antiga, ou tecnologia celestial, divina desde os tempos mais antigos da história da humanidade. Todos os acontecimentos miraculosos do Exodus foram alcançados através da aplicação do poder sagrado, único por aquele tinha fielmente exercido fé, e confiou nos ensinemamentos dados por Deus nos tempos antigos, pois MOISES  TINHA E VIA O SENHOR DEUS COMO SEU ÚNICO AMIGO. Esta ciência sagrada não é a corrupta “geometria sagrada” dos maçons(satanas gosta de imitar, ele é omentiroso, o enganador) , no entanto, mas uma tecnologia posta em oposição à da linhagem da serpente, uma tecnologia projetada para neutralizar o poder do mal com o bem. Esta batalha, que já dura desde o início dos tempos, foi conclamada novamente durante a época do Êxodo, e em breve será ordenado novamente nesses tempos finais contra linhagens satânicas que estão sendo atraídas para para a última batalha contra Hórus, o anticristo, para decidir se a semente de a mulher ou a semente da serpente vai dominar o universo. E ao estudar os sobrenaturais de Deus no Apocalipse ou talvez os sagrados poderes divinos do passado nos acontecimentos do Êxodo, podemos ter uma visão especial sobre os acontecimentos que se repetirão no fim dos tempos que irão espelhar os acontecimentos do Êxodo, só que desta vez eles vão ter lugar em uma escala global, novamente Faraó Anticristo se levantará contra o Israel espiritual, mais será derrotado pelo poder de Deus ois a história sempre se repete.


NOTAS

1) Embora a datação exata do Êxodo não seja clara, para os fins deste estudo que iremos tomar o que é conhecido como a “data final”, do tempo do Êxodo, que pode colocá-lo em torno de 1212 aC, mais ou menos. Isto baseia-se em inúmeras suposições muito elaboradas para citarmos aqui, mas neste cenário o Faraó Ramsés I (anos de reinado 1292-1290 aC), foi, provavelmente, o faraó por trás da matança dos Inocentes (Êxodo 1: 15-22 ), e Ramsés II (anos de reinado 1279-1212 aC) foi o faraó do Êxodo. Esta conclusão é corroborada pelo fato de que Moisés em cerca de 80 anos de idade , quando ele levou os filhos de Israel do Egito, e havia cerca de 80 anos entre o início do reinado de Ramsés I, quando o bebê Moisés quase foi morto por Ramsés O assassinato de I do primogênito, e no final do reinado de Ramsés II, quando Moisés conduziu Israel para fora do Egito. Ramsés I foi o primeiro faraó da dinastia XIX do Egito, e não era de sangue real, mas tinha, como Faraó Horemheb antes dele, subiu nas fileiras do exército, servindo como vizir Horemheb e ajudá-lo a acabar com o caos que se seguiu após a queda vertiginosa da dinastia XVIII (causada pela “heresia monoteísta” do Faraó Akenaton na  adoração  da Aton ). Horemheb não tinha herdeiro do sexo masculino, por isso ele tinha ungido Ramsés I como seu sucessor, essencialmente levantando um plebeu (como ele mesmo) para o nível da realeza. Como tal Ramsés I foi, provavelmente, poderia ter sido poderia ter sido muito menos tolerante do que os seus predecessores sobre a presença estrangeira na terra, como os hebreus, que desde a época de Jose (que viveu cerca de 1900 aC, provavelmente em algum momento durante do Egito 12ª dinastia ) eles ” aumentaram muito, e multiplicaram-se, e foram fortalecidos grandemente; e a terra se encheu deles “( Êxodo 1: 7 ). No contexto, a descrição do tratamento do faraó dos israelitas no Êxodo 1-2 soa muito parecido com as ações de um novo rei confrontado com uma situação potencialmente desastrosa. Precisando provar a si mesmo, e vendo o perigo potencial de uma grande presença estrangeira em uma das províncias mais ricas do Egito, Ramsés I agiu como qualquer outro ditador militar brutal faria – escravizar os estrangeiros e, em seguida sistematicamente assassiná-los começando com os primogênitos. O facto de Ramsés I reinou por menos de dois anos indica que ele provavelmente foi amaldiçoado por Deus por suas ações contra Israel, bem como o destino de Herodes , que morreu horrivelmente depois de seu massacre dos inocentes em sua tentativa de matar o recém-nascido Rei Jesus conforme descrito em Mateus 2 . Veja esteb link útil  cronograma no Wikipédia para ver um panorama completo dos anos de reinado de todos os monarcas do Novo Império.

2)Ecoando a revelação de Deus como “EU SOU” em Êxodo 3:14 , e mais tarde conceito de Paulo do “deus desconhecido” em Atos 17:23 . Isto é muito semelhante ao conceito do deus egípcio Amon, que também foi pensado como uma divindade associada com o carneiro, que criou o universo e que foi visto como sendo transcendente e externo para o universo, assim como sendo oculto, um conceito reforçado pelo fato de que o significado do nome ” Amun “, significa” o oculto “. Amun também era conhecido como “Amém”, que pode ter sido a origem da palavra “amém” no idioma hebraico e religião. Amen era uma divindade dominante ao longo da história egípcia, indicando possivelmente que grande parte da teologia por trás Amen foi inspirado por Jose e posteriores pensadores hebreus até o tempo do Êxodo. Alguns estudiosos acreditam que Jose realmente pode ter sido faraó Amenemhat IV , ou, mais provavelmente, Mentuhotep, o vizir do faraó Sesostris I . Ele também pode ter sido o faraó Mentuhotep IV , o último rei da 11ª dinastia. Mentuhotep IV foi um rei obscuro que, como Jose, foi associado a um período de sete anos, embora de acordo com o registro bíblico, Jose nunca subiu acima do grau do vizir – o chefe dos conselheiros do faraó e o segundo homem no Egito. Essas possibilidades também assumem a data mais anterior para a permanência egípcio (e Êxodo), que postula que os israelitas viveram no Egito por volta de 1900 aC-1500 aC, +/- 50 anos ou mais. Veja http://christiananswers.net/q-abr/abr-a016.html para uma análise informativo desta questão.

 3 )Illuminations, “Moses and the Egyptian Priesthood”

4 )Ibid.

5 )Ibid.

6) A revelação do próprio Deus como ”Eu Sou” tem enormes implicações teológicas. Não só isso significa que ele não tem nome, tal como o entendemos, ou mesmo que o seu nome não pode ser pronunciado por meros mortais, mas a implicação desta ousada declarações no contexto é que não só é Deus, o maior nome debaixo do céu, mas que Ele é realmente a única coisa que realmente existe, o mundo material que é ilusório, o mundo fisico se desfaz, virá pó como nososo corpos(o mundo material chama-se matrix), por comparação. O “realismo” do universo só é verdadeiramente real, enquanto um está dentro do universo dentro de um corpo carnal que está sujeito às suas regras fisicas do mundo material. No entanto, a partir da perspectiva de uma ordem superior de ser como Deus, que é “Espírito”, vejo o universo como virtual na natureza, uma coisa transitória que é altamente instável e, inevitavelmente, ilusória na natureza em comparação com Deus, que é constante , imutável, e existia antes do universo foi mesmo criado, o mundo espiritual é o real. Como tal, nomeando próprio EU SOU, Deus é essencialmente dizendo: Eu sou o único ser que existe – todo o resto é ilusão. Cf. Eclesiastes 1: 1 )

 7) Walter Reinhold Warttig Mattfeld y de la Torre, “Various Map Proposals for the The Route of the Exodus” (Bible Origins: http://www.bibleorigins.net).

8) Walter Reinhold Warttig Mattfeld y de la Torre, “Various Site Proposals for the Location of Biblical Mount Sinai or Mount Horeb” (Bible Origins: http://www.bibleorigins.net).

9) Ibid.

10) O nome Serabit al-Kadim pode vir do hebraico Sarav ( samech-raysh-vet ), “rebelde, rebelião” e qadeymah “, começando, origem, os primeiros tempos”, e / ou qaydemah , “leste” – como no Leste ? do Éden Também pode ser que este lugar era o lugar de murmurações de Israel em Êxodo 17: 5 , quando Moisés bateu nas rochas e saiu água, depois nomear o rochas Massah (“tentações”) e Meribá (“lutando”). Juntos, os dois significa “luta com a tentação”, que pode ser um bom nome para Serabit al-Kadim, o que são parecidos com um grande par de seios, como Anu na Irlanda ou o Tetons em Wyoming. O templo Hathor nas proximidades provavelmente foi construído em sua sombra, por essa razão, Hathor sendo uma deusa da fertilidade, por isso, mudança de nome da montanha de dois picos desta forma de Moisés seria apropriado, como Israel ainda não tinha completamente deixado para trás seu amor as maneiras do Egito. Além disso, o nome original egípcio, provavelmente, era de natureza pornográfica, e, portanto, inutilizável. Outra resposta é que Kadim baseia-se na palavra hebraica Ketem ( caph-TAV-mem ) que significa “ouro escondido”. Esta é provavelmente a raiz da palavra verdadeira, dando o significado, “ouro escondido dos rebeldes”. E embora Sarav pode ser a raiz da palavra Serabit , uma palavra melhor seria tsarephat ( tsade-raysh-phey-TAV) – literalmente, “reunião para refino de ouro”. Junto com el-katam , “o ouro escondido”, juntamente o significado mais provável de Serabit al-Kadim é “A Refinaria do ouro escondido.”

11) Walter Reinhold Warttig Mattfeld y de la Torre, “The Route of the Exodus” (Bible Origins: http://www.bibleorigins.net).

12 )Lawrence Lo, “Proto-Sinaitic” (AncientScripts.com: http://www.ancientscripts.com).

13 )The University of Western Australia Linguistics Dept., “Introduction to Semitic Languages: Chapter 2: Semitic Writing Systems” (The University of Western Australia: http://www.linguistics.uwa.edu.au).

14 )Walter Reinhold Warttig Mattfeld y de la Torre, “Has Archaeology “Found” Moses’ Shattered Ten Commandments on Tables of Stone?” (Bible Origins: http://www.bibleorigins.net).

15 )Dale R. Broadhurst, “The Origins of Hathor” (Bible Origins: http://sidneyrigdon.com/DRB/BEGIN/begin.htm).

16) O termo “herói” pode ter sido, na verdade, derivado da palavra “horus”. A ascensão de Horus rei , e outros como ele, pode estar ligada ao aumento dos refains gigantes depois do dilúvio, e também pode ser ligado ao misterioso Nimrod da Bíblia.

17) Caroline Seawright “, Hathor, deusa do amor, música, beleza …… “(Tour Egito:http://touregypt.net )

18 )Broadhurst, “The Origins of Hathor“.

19 )Stephanie Cass, “Hathor” (Encyclopedia Mythica: http://www.pantheon.org).


21 )Wikipedia, “Serabit el-Khadim” (Wikipedia: http://en.wikipedia.org).

22) Gary McKay, “The Mines of the Pharoahs – Serabit El-Khadim, Sinai, Egypt” (Archaeology at the University of Edinburgh: http://www.arcl.ed.ac.uk/).

23 )Walter Reinhold Warttig Mattfeld y de la Torre, “The Hathor Temple at Serabit el Khadim in the Southern Sinai” (Bible Origins: http://www.bibleorigins.net).

24) Katheryn A. Bard, Encyclopedia of the Archaeology of Ancient Egypt (Oxford: Routledge, 1999), 524.

25 Gardner, Laurence, Lost Secrets of the Sacred Ark (Great Britain: Element Books, 2003), 4-9, parte do texto

26 )William Flinders Petrie, “Researches in Sinai: Chapter VII, History and Purpose of the Temple” (Serendipity: (Extracts from Researches in Sinai) http://www.arcl.ed.ac.uk/),ênfase minha.

27 )Andrew Bayuk, “Gold Powder” (Guardians Ancient Egypt Discussion Board: http://egyptologist.org).

28) Amelia Ann Blanford Edwards, “Pharaohs Fellahs and Explorers” (University of Pennsylvania Digital Library Projects: http://digital.library.upenn.edu).

LINKS:
MOISÉS



MUSEUS


BIBLIOGRAFIA
Lost Secrets of the Sacred Ark:
Amazing Revelations of the Incredible Power of Gold
Laurence Gardner
Em Segredos Perdidos da Arca Sagrada , Gardner acompanha sua pesquisa inovadora sobre o tema do mfkzt , o misterioso “pó branco de ouro” que ele argumenta convincentemente é na verdade uma forma de ouro monoatômico  que alguns sacerdócios antigos, incluindo o mais proeminente  antigos egípcios e hebreus, usavam ​​em seus rituais religiosos, a fim de criarem um portal entre o mundo material e o mundo espiritual. Comido em forma de pão, o ouro monoatômico, Gardner argumenta, foi usado pelos antigos sacerdócios para trazer saúde, longa vida, e discernimento espiritual. Usado na famosa Arca da Aliança, o pó branco de ouro poderia ser usado para a comunhão com Deus, para a cura, ou para a destruição. A pesquisa de Gardner Embora dificilmente a qualifique como “erudita”,  faz demonstrar uma compreensão substancial de ambas as disciplinas científicas das escrituras, esotéricas e até mesmo relacionados e harmoniza-las muito bem de uma forma que tem de ser lida para ser acreditada. Apesar de sua prova científica da existência de ouro monoatômico não é bem suportado, o conceito de Ormes (orbitalmente Rearranged monoatômico Elements), portanto, a sua tese não é sem credibilidade. E se o ouro monoatomico é de fato uma realidade científica, cuja existência de fato responderia a muitas perguntas sobre alguns dos conceitos mais misteriosos apresentados no Antigo Testamento, então os segredos perdidos da arca Sagrada poderia ser considerado um dos livros mais importantes já escritos no campo da pesquisa do Antigo Testamento, em especial a investigação sobre a Arca da Aliança. E embora Gardner desperdice vários capítulos sobre a heresia  ridícula e insuportável de Madalena, que por si só reduziu a classificação deste livro de 5 “estrelas” para quatro, o material sobre o pó branco de ouro, literalmente, vale seu peso em ouro. Baize aqui este livro:os segredos perdidos da arca sagrada

Researches in Sinai
William Matthew Flinders Petrie
William Flinders Petrie pesquisa todos os monumentos egípcios encontrados na Península do Sinai. O livro pode realmente conter pistas ocultas que revelam os segredos mais importantes sobre os mais antigos mistérios da humanidade, incluindo a verdadeira localização de Mt. Sinai, a localização do Jardim do Éden, a Árvore da Vida, a Árvore do Conhecimento do Bem e do Mal, e possivelmente até mesmo a entrada para o submundo. Excelente para qualquer egiptólogo sério, particularmente um interessado nos escritos de Petrie.

 
Encyclopedia of the Archaeology of Ancient Egypt
Kathryn Bard
Este excelente trabalho é preparado por acadêmicos para estudantes sérios da arqueologia do Egito antigo. Egiptólogos, filólogos, historiadores, classicistas, historiadores de arte e arqueólogos antropologicamente treinados ajudaram a escreve-lo. É muito mais acessível e mais a preços razoáveis ​​para o público, de ensino médio, de ensino médio, universitários e bibliotecas de graduação. Suas ilustrações em preto-e-branco são fortes e as definições são breves e claras . O trabalho de Bard, no entanto, vale bem a pena o custo e pertence em todas as bibliotecas de faculdades e universidades e outras bibliotecas de apoio à pesquisa na antiga arqueologia.

The Mountain of God (Hardcover)
Emmanuel Anati
O autor, que já dirigiu a expedição em Har Karkom no Neguev nos últimos cinco anos, apresenta suas descobertas, juntamente com a hipótese de que a montanha é, na realidade, o Monte Sinai, a montanha de Moisés e do êxodo.  Anati aponta dois grandes obstáculos à sua teoria de que a montanha está longe de versões atuais da rota do Êxodo e que não há descobertas a partir da data do local para a cronologia aceita do Êxodo. Anati, no entanto, sugere uma data muito anterior para o Êxodo, em meados do terceiro milênio aC. Este último aspecto do livro será extremamente controverso entre os especialistas, para dizer o mínimo. O ricamente produzido livro para coleções de arqueologia.

 
Sign and the Seal: The Quest for the Lost Ark of the Covenant
Graham Hancock

Jornalista Inglês Hancock reconta as circunstâncias e os pensamentos que levaram à sua descoberta de que a Arca Perdida da Aliança realmente existe. Hancock viajou para a Etiópia em 1983, depois de ter sido contratado pelo governo etíope para escrever e produzir um livro exaltando as antigas glórias do seu país. Ele ficou muito surpreso quando soube que ele não tinha permissão para documentar a população de falasha(judeus negros), porque eles “não existiam” oficialmente, e que muitas pessoas poderiam acabar na prisão, ou pior, se ele deu um jeito para fotografar esses não existents. Apesar disso, ele continuou até Axum, no fundo do deserto, onde testemunhou os templos e estátuas dos judeus negros da Etiópia. Depois de seguir uma trilha de pistas religiosas e etnográficas que lembram uma história de detetive, Hancock finalmente localizoua uma seita que alegaram terem a Arca original do Pacto, embora eles se recusassem a deixá-lo ver o artefato sagrado, a fim de provar a sua alegação.


From Fetish to God in Ancient Egypt

Sir E. A. Wallis Budge
Uma pesquisa rica, detalhada da concepção egípcia de “Deus” e deuses, magia, culto de animais, Osiris, e mais. Além disso, traduções inglesas soberbas de hinos e lendas. 240 ilustrações.



Fonte: http://apocalink.com.br/revelacoes-do-exodo-moises-parte-i/


x

Pesquise no Site por Assunto

AS 10 MAIS DO MÊS