25 de out de 2016

Artes: Os Três Reis Magos



Melchior, rei da Pérsia; Gaspar, rei da Índia; e Baltazar, rei da Arábia. & Os 3 reis magos existiram?


Os Três Reis Magos ou simplesmente Magos, Melquior, Baltasar e Gaspar, são personagens da narrativa cristã que visitaram Jesus após seu nascimento (Evangelho de Mateus). A Escritura diz uns magos, que não seriam, portanto, reis nem necessariamente três e, sim, talvez, sacerdotes da religião zoroástrica da Pérsia ou conselheiros. Como não diz quantos eram, diz-se três pela quantia dos presentes oferecidos. Talvez fossem astrólogos ou astrônomos, pois, segundo consta, viram uma estrela e foram, por isso, até a região onde nascera Jesus, dito o Cristo.


 Pórtico dos Reis Magos na entrada de Natal, Rio Grande do Norte.


Assim os magos sabendo que se tratava do nascimento de um rei, foram ao palácio do cruel rei Herodes em Jerusalém na Judéia. Perguntaram eles ao rei sobre a criança. Este disse nada saber. Herodes alarmou-se e sentiu-se ameaçado, e pediu aos magos que, se o encontrassem, falassem a ele, pois iria adorá-lo também, embora suas intenções fossem a de matá-lo. Até que os magos chegassem ao local onde estava o menino, já havia se passado algum tempo, por causa da distância percorridas, assim a tradição atribuiu à visitação dos Magos o dia 6 de janeiro. A estrela, conta o evangelho, os precedia e parou por sobre onde estava o menino Jesus. "E vendo a estrela, alegraram-se eles com grande e intenso júbilo" (Mt 2, 10). "Os Magos ofereceram três presentes ao menino Jesus: ouro, incenso e mirra, cujo significado e simbolismo espiritual é, juntamente com a própria visitação dos magos, ser um resumo do evangelho e da fé cristã, embora existam outras especulações respeito do significado das dádivas dadas por eles. O ouro pode representa a realeza (além providência divina para sua futura fuga ao Egito, quando Herodes mandaria matar todos os meninos até dois anos de idade de Belém). O incenso pode representar a fé, pois o incenso é usado nos templos para simbolizar a oração que chega a Deus assim como a fumaça sobe ao céu (Salmos 141:2). A mirra, resina antiséptica usada em embalsamamentos desde o Egito antigo, nos remete ao gênero da morte de Jesus, o martírio, sendo que um composto de mirra e aloés foi usado no embalsamamento de Jesus (João 19: 39 e 40), sendo que estudos no Sudário de Turim encontraram estes produtos.


"Entrando na casa, viram o menino (Jesus), com Maria sua mãe. Prostando-se, o adoraram; e abrindo os seus tesouros, entregaram-lhe suas ofertas: ouro, incenso e mirra." (Mt 2, 11). "Sendo por divina advertência prevenidos em sonho a não voltarem à presença de Herodes, regressaram por outro caminho a sua terra" 

(Mt 2, 12). Nada mais a Escritura diz sobre essa história cheia de poesia, não havendo também quaisquer outros documentos históricos sobre eles. 

Devemos aos Magos a tradição de trocar presentes no Natal. Dos seus presentes dos Magos surgiu essa tradição em celebração do nascimento de Jesus. Em diversos países a principal troca de presentes é feita não no Natal, mas no dia 6 de janeiro, e os pais muitas vezes se fantasiam de reis magos. A melhor descrição dos reis magos foi feita por São Beda, o Venerável (673-735), que no seu tratado “Excerpta et Colletanea” assim relata: 

“Melquior era velho de setenta anos, de cabelos e barbas brancas, tendo partido de Ur, terra dos Caldeus. Gaspar era moço, de vinte anos, robusto e partira de uma distante região montanhosa, perto do Mar Cáspio. E Baltasar era mouro, de barba cerrada e com quarenta anos, partira do Golfo Pérsico, na Arábia Feliz”. Quanto a seus nomes, Gaspar significa “Aquele que vai inspecionar”, Melquior quer dizer: “Meu Rei é Luz”, e Baltasar se traduz por “Deus manifesta o Rei”. Como se pretendia dizer que representavam os reis de todo o mundo, representando as três raças humanas existentes, em idades diferentes. Assim, Melquior entregou-Lhe ouro em reconhecimento da realeza; Gaspar, incenso em reconhecimento da divindade; e Baltasar, mirra em reconhecimento da humanidade. A exegese vê na chegada dos reis magos o cumprimento a profecia contida no livro dos Salmos (Sl. 71, 11): “Os reis de toda a terra hão de adorá-Lo”.


Os três Reis Magos adorando o Menino Jesus. Na antigüidade, o ouro era um presente para um rei, o olíbano (incenso) para um sacerdote, representando a espiritualidade e a mirra, para um profeta (a mirra era usada para embalsamar corpos e, simbolicamente, representava a imortalidade). Durante a Idade Média começa a devoção dos Reis Magos (e que são "baptizados"), tendo as suas relíquias sido transladadas no séc. VI desde Constantinopla (Istambul) até Milão. Em 1164, com os três já a serem venerados como santos, estas foram colocadas na catedral de Colônia, em Colônia (Alemanha), onde ainda se encontram. Em várias partes do mundo, há festas e celebrações em honra aos Magos. Com o nome de Festa de Santos Reis há importantes manifestações culturais e folclóricas no Brasil. Diferentes opiniões quanto a quando o menino Jesus foi visitado A tradicional crença de que Jesus foi visitado aquando do seu nascimento não é consensual entre todas as pessoas. Há pessoas que acreditam que Jesus já possuia uma certa idade. Segundo seus defensores há quatro linhas de evidência para acreditar que Jesus já não era mais um bebé quando recebeu a visita: a tradução para o texto de Mat. 2.11 usa a expressão "uma criancinha", "um menino", e não um bebê em diversas traduções de respeito, como a Almeida; Mat 2.11 também cita que quando Jesus foi encontrado estava em uma casa e não em uma manjedoura; o fato de Herodes mandar matar as crianças de até dois anos e, por último, o fato de Maria ter dado apenas dois pássaros no templo como contribuição pelo nascimento do menino, o que a identificava como muito pobre, e não parte dos presentes que supostamente já teria ganho, já que na visita ela, através de seu filho, ganhou ouro e outros ítens valiosos. Fonte: http://pt.wikipedia.org/wiki/Tr%C3%AAs_Reis_Magos


Os 3 reis magos existiram?

Paira sobre a historia dos Reis Magos uma nuvem de incerteza que nós leva a perguntar “Os Reis Magos existiram?”. A tradição admite a existência de três reis: Melquior, Baltasar e Gaspar, tendo em vista que só Mateus relata o episodio e pelo fato de não dar detalhes sobre nomes e quantidade, alguns estudiosos acreditam que os Reis Magos são personagens criados por Mateus para simbolizar que Jesus é o Senhor de todas as nações. Mas eles existiram sim vamos ler o texto de Mateus antes de prosseguir: (Mt. 2:1-12) que diz:

"Tendo Jesus nascido em Belém da judéia, em dias do rei Herodes, eis que vieram uns magos do Oriente a Jerusalem. E perguntavam: Onde está o recém-nascido Rei dos judeus? Porque vimos a sua estrela no Oriente e viemos para adorá-lo. Tendo ouvido isso, alarmou-se o Rei Herodes, e, com ele, toda a Jerusalem; então, convocando todos os principais sacerdotes e escribas do povo, indagava deles onde o Cristo deveria nascer. Em Belém da Judéia, responderam eles, porque assim está escrito por intermérdio do profeta:

E tu, Belém, terra de Judá, não és de modo algum a menor entre as principais de Judá; porque de ti sairá o Guia que há de apascentar a meu povo, Israel.

Com isso, Herodes, tendo chamado secretamente os magos, inquiriu deles com precisão quanto ao tempo em que a estrela aparecera.E , enviando-os a Belém, disse-lhes: Ide informar-vos cuidadosamente a respeito do menino; e, quando o tiverdes encontrado, avisai-me, para eu também ir adorá-lo. Depois de ouvirem o rei, partiram; e eis que a estrela que viram no Oriente os precedia, até que, chegando, parou sore onde estava o menino. E, vendo eles a estrela, alegraram-se com grande e intenso júbilo. entrando na casa, viram o menino com Maria, sua mãe. Prostando-se, o adoraram; e, abraindo os seus tesouros, entregaram-lhe suas ofertas: ouro, incenso e mirra. Sendo por divina advertência prevenidos em sonho para não voltarem a presença de Herodes, regressaram por outro caminho a sua terra."


Muito do que você sabe sobre os 3 Reis magos é pura lenda, como por exemplo:

  • A Bílbia não diz que eles não eram Reis
  • O Cometa. Muitos acreditam que eles não estavam seguindo um cometa ou estrela. Uma teoria diz que é Jupiter que eles seguiam.
  • A Bíblia não diz nem que eles eram 3
  • Não diz de qual país ele vieram
  • O nome que demos aos Reis: Baltazar, Belquior e Gaspar, mas nada disto esta escrito na Bílbia.


A Cadedral de Colônia abriga os ossos dos 3 Reis Magos. Eles ficam dentro de um santuário de ouro e talvez sejam as únicas relíquias restantes de pessoas que realmente conheceram Jesus Cristo.


Satuário de ouro dos 3 reis magos


Para descobrir de onde eles vieram, podemos nos basear na palavra Mago, uma palavra Persa do tempo da religião de Zoroastro. Outra pista são calças que no primeiro quadro sobre os 3 reis magos eles vestem. O único povo a usar calças no antigo oriente médio eram os Persas. Hoje a Pérsia é o Irã.


Os 3 reis magos usando chapeu pontudo e calças

Nota-se que eles eram respectivamente um adulto, um jovem e um senhor. Na igreja de Colônia, estão os crânios dos 3 Reis Magos. Existe uma foto sobre eles, veja abaixo:
Cranios dos 3 reis magos

Como descobrir que eles não são uma fraude da idade média? Com a ajuda da anatomia. Os crânios são formados por placas ósseas que se unem em suturas. Com o passar dos anos essas suturas se fundem e não são mais visíveis.


Através da foto acima, em uma resolução melhor, podemos ver que o crânio do jovem mostra as suturas desunidas, o do adulto parcialmente unidas e as do crânio do velho totalmente unidas, não sendo possível vê-las.

Sutura do mais jovem dos 3 reis magos

Desta forma, muito se encaixa e é quase certo que os crânios não são uma fraude, mas sim pertenceram aos Reis que foram adorar o menino Jesus.

Parece que os 3 Reis magos existiram realmente e conheceram o menino Jesus.



Eram três?



A Bíblia não diz quantos magos eram. Mas os presépios e as canções natalinas refletem a tradição de que eram três. Evidentemente isso decorre do fato de que havia três tipos de presentes, sobre os quais a Bíblia diz: “Abriram também seus tesouros e presentearam [Jesus] com dádivas: ouro, olíbano e mirra.” — Mateus 2:11.



É razoável concluir que havia três magos porque os presentes eram três? Consideremos o relato sobre outra personagem notável que esteve em Israel. A rainha de Sabá certa vez visitou o Rei Salomão e o presenteou com ‘óleo de bálsamo, muitíssimo ouro e pedras preciosas’. (1 Reis 10:2) Embora se fale de três tipos de presentes, a única pessoa mencionada como ofertante é a rainha de Sabá. O número dos presentes não significa que três pessoas tenham levado dádivas a Salomão naquela ocasião. Similarmente, os três presentes oferecidos a Jesus nada têm a ver com o número dos que os trouxeram.



De acordo com The Catholic Encyclopedia, “a narrativa dos Evangelhos não menciona o número de magos, e não existe uma tradição específica sobre o assunto. Alguns pais da Igreja falam de três magos; é bem provável que tenham sido influenciados pela quantidade de dádivas”. A mesma enciclopédia menciona também que obras de arte retratam dois, três, quatro e até oito visitantes. Algumas tradições favorecem 12. Simplesmente não há como saber ao certo quantos eram.



A versão popular, mas inexata



Contrário à crença popular, os magos foram primeiro a Jerusalém, e não a Belém, depois que Jesus nasceu. Eles não estavam presentes por ocasião do nascimento de Jesus. Mais tarde, quando foram a Belém, diz a Bíblia, “ao entrarem na casa, viram a criancinha”. (Mateus 2:1, 11) Assim, é claro que quando os magos visitaram Jesus, a família estava morando numa casa. Eles não o encontraram numa manjedoura.



À luz das Escrituras, a história popular de três reis que prestaram homenagem a Jesus por ocasião do seu nascimento não é exata. Conforme já mencionado, a Bíblia ensina que os magos que visitaram Jesus não eram reis, mas astrólogos que praticavam o ocultismo. O registro bíblico não diz quantos eram. Também, eles não visitaram Jesus quando ele nasceu e foi colocado numa manjedoura, mas algum tempo depois, quando a família morava numa casa.



A narrativa popular dos três reis e outras histórias tradicionais do Natal, embora não se baseiem na Bíblia, são geralmente encaradas como contos inofensivos. Os cristãos, contudo, prezam muito a forma de adoração que esteja livre de qualquer falsidade. O próprio Jesus tinha esse conceito. Em oração a seu Pai, ele disse certa vez: “A tua palavra é a verdade.” (João 17:17) Ele declarou que “os verdadeiros adoradores adorarão o Pai com espírito e verdade, pois, deveras, o Pai está procurando a tais para o adorarem”. — João 4:23.as sim pertenceram aos Reis que foram adorar o menino Jesus. Parece que os 3 Reis magos existiram realmente e conheceram o menino Jesus. Fontes:- Detetives do Passado - Os 3 Reis Magos http://www.sobrenatural.org/materia/detalhar/4357/os_3_reis_magos/ Na Harmonice Mundi trata da alma, da astrologia e da ação coordenada de raios invisíveis, provenientes dos astros, que atuam sobre a Terra, influindo também sobre a vontade dos seres humanos. Esta influência, segundo ele, teria origem na preexistência de uma relação harmônica entre fenômenos exteriores, a faculdade psíquica que os percebe e a alma. Explica a influência astrológica sobre o homem pelas correspondências com protótipos universais. Dessa forma, Kepler foi um precursor das teorias psicológicas atuais que admitem arquétipos. Também foi um dos primeiros a procurar explicar, em termos astrológicos e astronômicos, o fenômeno celeste que poderia ser associado à Estrela dos Reis Magos, indicativa do nascimento de Jesus. Sabendo que Herodes morreu no ano 4 antes de nossa era, constatou que pouco antes houve um agrupamento planetário, em Peixes, signo que representa os judeus e que pode ser associado ao advento do cristianismo. Esse stellium, essa estrela, podia ser visto por aqueles que possuíam conhecimentos das posições planetárias, como os Reis Magos [astrólogos], mas não podia ser percebido pelos demais. fonte: http://www.forumespirita.net/fe/livros/sobre-as-%27mentiras%27-de-r... Em 1619 publicou "Harmonice mundi", a Terceira Lei de Kepler, que é a relação da distância entre um planeta e o Sol e o tempo que o planeta leva para completar uma órbita em torno do Sol.

Estrela de Belém A Estrela de Belém foi uma estrela ou um objeto similar que, segundo a descrição do Evangelho segundo Mateus, anunciou o nascimento de Jesus e guiou os Três Reis Magos até ao local onde este se encontrava. Registros demonstram que era uma prática entre astrólogos da antiguidade interpretar fenômenos astronômicos como anúncio do nascimento de reis. Existem várias teorias entre os biblistas sobre a natureza deste estrela. Contudo é consenso que sua aparição alude à estrela de Jacó (Nm 14,17) que foi profetizada por Balãao. Contexto bíblico Após o nascimento de Jesus em Belém, ainda governava a Judeia o Rei Herodes, chegaram "do Oriente à Jerusalém uns magos [ou sacerdotes astrólogos, em gr. magoi] que perguntavam: Onde está aquele que é nascido Rei dos Judeus? Pois do Oriente vimos a sua estrela [em gr. astêr] e viemos adorá-lo." (Mateus 2:1-2) A "sua estrela" não era uma estrela [em gr. astêr] comum, visto que seguia um percurso invulgar de Oriente para Ocidente, sempre adiante dos magos. Seria um ponto luminoso que ao observador comum se pareceria uma "estrela", e permitiria ao Rei Herodes achar o futuro "Rei dos Judeus". Primeiramente, conduziu os magos até Jerusalém, e dai, à presença do Rei Herodes. Somente depois, a "estrela" conduziu-os de Jerusalém até Belém, e uma vez chegados a Belém, "se deteve sobre o lugar onde estava o menino". Não é possível determinar em absoluto o que era essa "estrela". Teorias sobre a estrela Cometa, supernova ou alinhamento de planetas? A primeira explicação astronómica que se procurou dar para a "Estrela de Belém" foi que teria sido um cometa. Astrônomos do Século XVI propuseram o cometa Halley como a "Estrela de Belém". Essa imagem ainda é muito forte no imaginário popular, onde frequentemente a "Estrela de Belém" é representada como uma "estrela com cauda". Hoje sabemos que o Cometa Halley apareceu no ano 12 a.C.; muito cedo para estar associado ao nascimento de Jesus. E nenhum dos cometas conhecidos, segundo os dados hoje catalogados, passou na Judeia capaz de ser visto a olho nu, entre 7 a.C. e 1 d.C.. Astrónomos chineses, entretanto, registraram uma "nova estrela" na Constelação de Capricórnio, no ano 5 a.C. Essa "nova estrela" poderia ser um cometa ou uma estrela "explodindo", uma vez que os registos não nos dizem se essa nova estrela se movimentava em relação às estrelas de fundo. Ao fenómeno de "explosão de uma estrela" os astrónomos chamaram de "supernovas". No ano 7 a.C., houve uma tripla conjunção planetária entre Júpiter e Saturno. Esses planetas se aproximaram no céu (mas não o bastante para serem confundidos como um único objecto), na Constelação de Peixes, nos meses de Maio, Setembro e Dezembro. Aqueles que acreditam ser essa tripla conjunção a "Estrela de Belém", argumentam que os magos viram a 1.ª conjunção em Maio, e iniciaram a jornada. Durante a 2.ª conjunção, em Setembro, chegaram a Jerusalém e durante a 3.ª conjunção, em Dezembro, chegaram a Belém. Em Fevereiro de 6 a.C., houve uma grande aproximação (quase uma conjunção planetária) entre Júpiter, Saturno e Marte - também na Constelação de Peixes...... Conjunções Júpiter-Régulo e Júpiter-Vênus Em Setembro de 3 a.C., Júpiter se aproximou de Régulo (do lat. Régulus, que significa "pequeno Rei"), a estrela mais brilhante da Constelação de Leão. Essa constelação era considerada a constelação dos reis. Além disso, o "novo leão jubado" estava associado à Tribo de Judá. Em Outubro, houve uma nova conjunção entre Júpiter e Vénus, na Constelação de Leão. No ano 2 a.C., em Fevereiro e Maio, aconteceram outras duas conjunções entre Júpiter e Régulo. Em Junho, houve uma conjunção planetária entre Júpiter e Vénus. Nesse mesmo ano, Júpiter realizou um "loop" no céu um movimento retrógrado, onde inverteu a direcção de seu movimento em relação às estrelas de fundo - ficando então estacionário - no dia 25 de Dezembro. Outras teorias Outros teólogos encaram esta estrela como uma estrela teológica. Segundo eles, Mateus estaria a fazer interpretação de tradições e, por isso, não se refere a uma estrela literal, apenas no significado do nascimento de um personagem importante. De acordo com tradições antigas, pode se tratar de um anjo, ou ainda de um conglomerado de anjos que teriam recebido a missão de anunciar o nascimento de Jesus. As evidências bíblicas que relacionam estrelas a anjos são frequentes (Is 14:12-14, Ap 1:20, 12:4), o que explicaria a razão pela qual a estrela movia-se, detinha-se, aparececia e desaparecia de forma inusitada (Mt 2:9-11). Fonte: http://pt.wikipedia.org/wiki/Estrela_de_Bel%C3%A9m Como puderam os magos interpretar a estrela como sendo a do novo rei dos judeus? Talvez os magos ligaram a profecia de Balaão (Números 24:17) com a de Daniel (Daniel 9:24) e Deus possivelmente atendeu ao seu anseio de ver o seu cumprimento dando-lhes a visão do aparecimento dessa estrela, cujas características diferiam de todas as conhecidas. Eles foram a Jerusalém para adorar o novo rei, que sabiam ser o Messias de Deus. fonte: www.bible-facts.info/.../nt/.../MagoseEgito.htm A Estrela do Rei Há muita evidência que sugere que o que nós chamamos a estrela de Davi como um alinhamento dos planetas gigantes Júpiter e Saturno. Na tradição judaica antiga, Júpiter era o planeta chamado "estrela do rei". Mesmo mais tarde na mitologia grega, Júpiter representava o rei dos deuses. A cada 20 anos, quando a estrela do rei ficava alinhada com Saturno, a chamada estrela da autoridade final, os judeus da antiguidade chamavam isto de estrela de Davi. Cristo é uma palavra grega para designar o rei. Rei era quem descendia cosmicamente da estrela de Davi. Jesus, como nós sabemos, era descendente da linhagem da casa de Davi, mostrando todo o significado de sua descendência. Seu nascimento também mostra a importância do alinhamento ocorrido sob a estrela de Davi, que aconteceu quando Júpiter - estrela do rei - estava alinhada com Saturno. Johannes Kepler Quinze séculos após o nascimento de Jesus surge Kepler, denominado o pai da astronomia moderna. E que era também um astrólogo brilhante, descobriu a matemática do cosmos e as leis do movimento planetário. Movido por seu espírito pesquisador observou uma junção de Júpiter e Saturno em 1603, um pouco antes do natal. Kepler fez uma reflexão sobre a estrela do natal e após alguns cálculos achou que tinha havido uma conjunção Júpiter Saturno nos anos de 7 e 6 antes de Cristo. Embora Júpiter e Saturno alcancem a conjunção a cada vinte anos, existe um fenômeno chamado de conjunção tripla. De acordo com os cálculos de Kepler, havia de fato uma conjunção tripla envolvendo Júpiter e Saturno, no signo de Peixes, nos anos 7-6 antes de Cristo.
Kepler aprendeu nos escritos de um estudioso medieval, Rabi Don Isaac Abravanel, a importância de Júpiter e Saturno no signo de Peixes para o povo judeu. Este conceito intrigou Johannes Kepler e assim Kepler foi a primeira pessoa de nossa era a afirmar que a Estrela de Belém era um alinhamento entre Júpiter e Saturno, baseado nas profecias do velho testamento sobre a vinda do reis dos reis. Os profetas antigos disseram que a chegada deste Messias estaria associada com um evento celestial como um sinal do Criador. fonte: http://www.parana-online.com.br/colunistas/70/4118/?postagem=A+NOIT...
Os Evangelhos são documentos históricos de extremo valor.
Na Epistola do profeta Isaías que diz:
"Virão de longe os teus filhos, e tuas filhas surgirão de todos os lados. Vendo isto, transbordarás de alegria: o teu coração se há de admirar e dilatar, quando se voltarem para ti os povos de além mar e vier ter contigo o poder das nações. Cobrir-te-á uma multidão de camelos e dromedários de Madiã e Efa. Todos virão de Sabá, trazendo ouro e incenso, e publicando os louvores."
Essa profecia foi realizada quando do nascimento de Cristo em Belém, pois se lê no Evangelho de São Mateus:
"Eis que alguns magos chegaram do Oriente a Jerusalém, dizendo: "Onde está o rei dos judeus? "... "E entrando na casa, encontraram o Menino com Maria, sua Mãe, e, prostrando-se o adoraram e, abrindo os seus tesouros, lhe ofereceram presentes de ouro, incenso e mirra"
Portanto, o evangelista quis demonstrar que há uma relação direta entre o texto de Isaías e o que aconteceu em Belém, quando nasceu Cristo: "o poder das nações", isto é, soberanos pagãos, os Reis, que o Evangelho chama de "Magos".
***
As velas começaram a ser usadas nas cerimônias realizadas nas catacumbas com finalidade prática: visava-se iluminar os livros e textos a serem lidos nas cerimônias litúrgicas.
Uma vela é feita de um pouco de sebo, tendo, no seu interior, um barbante, que se chama a "alma" da vela. Ao se colocar fogo no pavio, o fogo vai consumindo a vela, produzindo luz e calor.
Ora, nós também temos um corpo de "sebo", e nossa alma é simbolizada pelo pavio da vela. Quando se acende o fogo da fé verdadeira em nossa alma, e a aceitamos, o fogo da fé ilumina nossos semelhantes com a sua luz, e aquecemos nossos irmãos com o calor da caridade. E assim como o fogo da vela a vai consumindo, assim também o fogo da verdade produz luz da verdade e calor da caridade para a humanidade.
As velas, têm um significado lindíssimo.

Fonte: E-Mail
www.luizantonio.com.br 


Addthis Amazon AOL Mail Baidu Facebook Messenger Copy Link Email Gmail Google+ Google Translate Favorites LinkedIn Myspace Outlook Pinterest Twitter WhatsApp Yahoo Mail
Imprimir 

x

Sugestão do Editor.

AS 10 MAIS DO MÊS