4 de ago de 2016

O Segredo oculto:

a trágica história do desastre com o submarino russo Kursk.



O gigantesco Kursk, o maior submarino de ataque já construído.
Quando o submarino russo Kursk partiu dos arredores da gelada cidade de Murmansk em 12 de Agosto de 2000 para exercícios de tiro de rotina, seus 118 tripulantes sentiam-se bastante animados.


Murmansk, a maior cidade do planeta localizada dentro do Círculo Polar Ártico

Um movimentado porto e estaleiro durante a Guerra Fria. Hoje, um verdadeiro túmulo de submarinos e navios militares russos. Depois de uma década de descaso e cortes orçamentários, Moscou finalmente acenava com novas verbas e retomada dos projetos militares, já que o Presidente Vladimir Putin, ex-Diretor para Assuntos Externos da KGB, parecia ter grandes planos nesta área.


Os 118 tripulantes do Kursk tinham grandes esperanças na virada do milênio. Com nada menos do que 154 metros de comprimento, o submarino nuclear classe OSCAR II era o maior já construído até então, um verdadeiro prodígio da engenharia naval russa, orgulho de toda a frota.


Comparação entre um ônibus, um Boeing 747 e o Kursk. Assim fica fácil verificar o quão impressionante era esta máquina. Porém, quando um erro operacional durante a carga dos torpedos causou uma primeira explosão com 2.2 graus na Escala Richter, e outra 2 minutos depois, que registrou 4.4 graus na mesma escala,  danificando seriamente toda a estrutura do Kursk, as chances daqueles marinheiros foram pulverizadas.

Local do acidente, no Mar de Barents


Ilustração mostrando a posição e os estragos do Kursk após o acidente. O Kursk afundou rapidamente e repousou numa parte relativamente rasa do Mar de Barents, a 108 metros de profundidade e 135 km de distância de sua base. Assim que a notícia se espalhou, os governos da Noruega e Reino Unido ofereceram todos os seus recursos tecnológicos, para que eventuais sobreviventes pudessem ser resgatados.


O então Presidente Vladimir Pútin sequer interrompeu suas férias durante o incidente. Teria sido ele o responsável por não autorizar o resgate? http://pt.wikipedia.org/wiki/Vladimir_Putin
Vladimir Putin, que estava de férias na costa do Mar Negro informou rapidamente a imprensa mundial que qualquer plano de resgate seria infrutífero, pois a amplitude da explosão teria sido suficiente para inundar todo o submarino, e que minutos depois do acidente nenhum dos 118 tripulantes estaria vivo.

Restos do Kursk em uma base russa na península de Kola

Operários fazem trabalho de rescaldo no que sobrou do Kursk


O tamanho impressiona




 Foram 3 anos de trabalho para recuperar esta enorme estrutura do fundo do Mar. Porém, o resgate dos restos do Kursk, efetuado em etapas entre 2001 e 2003 nas gélidas águas do pólo, mostrou uma realidade bem diferente. Bilhetes encontrados nos corpos resgatados e relatos de bases russas mostraram que 23 dos 118 tripulantes sobreviveram à explosão, refugiando-se em um pequena sala, aguardando na total escuridão e silêncio do fundo do mar por não menos do que 48 horas, enviando sinais desesperados de alerta para o continente, que nunca foram respondidos.


Um emocionante bilhete escrito na escuridão por um dos sobreviventes à explosão. Ainda havia esperança de um resgate.

Texto Traduzido
“Está escuro aqui para escrever, mas vou tentar pelo tato. Parece que não há chances, 10-20%. Vamos torcer para que pelo menos alguém leia isto. Aqui está a lista de pessoal de outras secções, que estão agora no nono e tentarão sair. Cumprimentos a todos, sem necessidade de ficar desesperados.”
Capitão-Tenente Dmitri Kolesnikov



Monumento aos tripulantes do Kursk em Murmansk. Muitos dizem que a ajuda internacional para o resgate foi recusada não pela impossibilidade de achar sobreviventes, mas sim para que segredos militares nucleares e bélicos não fossem revelados, numa atitude que se imaginava desnecessária desde o colapso do comunismo que ocorrera dez anos antes em todo o leste europeu.


Que outros segredos teriam sido enterrados com os 118 bravos marinheiros, que morreram com a esperança de voltar à superfície, e quantos outros as grandes potências ainda guardam em suas bases ocultas e desconhecidas ? Só o tempo dirá…

Mais sobre a história do Kursk em…
Curiosidade: o submarino foi batizado com o nome Kursk em homenagem a uma das mais famosas batalhas da 2a Guerra Mundial, a Batalha de Kursk.
A pauta deste post foi baseada em artigo do fantástico blog russo ENGLISH RUSSIA
http://englishrussia.com/index.php/2007/04/16/the-remains-of-kursk-submarine/

Fonte: http://apocalink.com.br/?p=734

Compartilhe com seus amigos, imprima, copie o link, envie por e-mail.


Facebook Addthis Amazon AOL Mail Baidu Facebook Messenger Copy Link Email Gmail Google+ LinkedIn Myspace Outlook Print PrintFriendly Pinterest Twitter WhatsApp

Voltar

Pesquise no Site por Assunto

AS 10 MAIS DO MÊS