29 de set de 2016

Vaticano - Constantino e seus segredos ...

A atual cidade do vaticano é um estado sacerdotal monárquico, governada pelo Papa , onde reside  desde 1929, quando a cidade foi oficialmente criada pelo Tratado de Latrão . A residência papal nem sempre foi lá, o Papa vivia no palácio de Latrão na colina Célio, localizada no lado oposto de Roma,  o local foi dado ao papa Milcíades em 313 por Constantino (falaremos dele em breve)  . Na época, Constantino  forneceu liberdade religiosa  pelo Edito de Milão, o que pode ter sido algo muito importante ,  contribuindo para o crescimento do cristianismo.


Segue um trecho do Edito de Milão:


"Havemos por bem anular por completo todas as retrições contidas em decretos anteriores, acerca dos cristãos - restrições odiosas e indignas de nossa clemência - e de dar total liberdade aos que quiserem praticar a religião cristã".
 
Todos já ouviram falar do poder da Igreja pela história ... mas poucos sabem sobre o  tratado de latrão em si.  Tudo que foi  "acordado lá" só nos revela o poder que  essa instituição religiosa alcançou ao longo de anos e anos em nome de "Cristo" . No tratado há três documentos que resumem bem tudo o que quero dizer. Os documentos descrevem:
  1. Um reconhecimento total da soberania da Santa Sé no estado do Vaticano.
  2. Uma concordata regulando a posição da religião católica no Estado .
  3. Uma convenção financeira acordando a liquidação definitiva das reivindicações da Santa Sé por suas perdas territoriais e de propriedade
O tratado de Latrão foi assinado pelo ditador fascista Benito Mussoline ,então chefe do Governo italiano, e o cardeal Pietro Gasparri, secretário de Estado da Santa Sé. Este Tratado formalizou a existência do Estado do Vaticano (cidade do Vaticano), Estado soberano, neutro e inviolável, sob a autoridade do papa, e os privilégios de extraterritorialidade do palácio de Castelgandolfo e das três basílicas de São João de Latrão, Santa Maria Maior e São Paulo Extramuros. Por outro lado, a Santa Sé renunciou aos territórios que havia possuído desde a Idade Média e reconheceu Roma como capital da Itália. 


O acordo também garantiu ao Vaticano o recebimento de uma indenização financeira pelas perdas territoriais durante o movimento de unificação da Itália. O documento estabeleceu normas para as relações entre a Santa Sé e a Itália, reconheceu o catolicismo como religião oficial desse país, instituiu o ensino confessional obrigatório nas escolas italianas, conferiu efeitos civis ao casamento religioso, aboliu o divórcio, proibiu a admissão em cargos públicos dos sacerdotes que abandonassem a batina e concedeu numerosas vantagens ao clero.

Algumas coisas mudaram desde 1929, mas não muito ... o poder do Vaticano e do Papa ainda são inquestionáveis e muitos dos seus arquivos são INASCESSÍVEIS.
Bom, Mussoline dispensa apresentações, mas Constantino e suas relações com a igreja e o cristianismo merece nossa atenção:



Pode-se dizer que um dos responsáveis diretos pela criação da Bíblia foi o imperador romano, Constantino, o Grande. Constantino foi pagão a vida inteira, batizado apenas poucas  horas antes de sua  morte (e ainda assim, sua conversão é questionada até hoje).

Constantino apoiou o cristianismo , mas vale lembrar que na época de Constantino, a religião oficial de Roma era o culto de adoração ao Sol – o culto do Sol Invictus, ou do Sol Invencível -, e o imperador supramencionado era o sumo sacerdote

Há rumores de que Constantino fora instruído por uma família aristocrática, "Os Pisos" – Carlpunius Piso – a não só "aceitar"e a "autorizar" a prática do cristianismo e a fundação  definitiva da igreja como também foi essa família que influenciou  a criação do Novo testamento baseando-se em personagens babilônicos antigos. Só para constar, Os Pisos eram estoicos, e como tal , eles sabiam que as pessoas são motivadas pelo medo e pela esperança.


   Adoração ao Sol; Na figura, Deus Aton na parte central: o disco solar cujos raios são braços que seguram a cruz egípcia, símbolo da vida.


Rumores a parte,  o fato é que  Roma estava passando por um momento crítico em relação à "religião" . Nessa época,  estava ocorrendo uma "revolução religiosa". Trezentos anos após a " crucificação" de Cristo, muitas pessoas estavam se convertendo ao cristianismo, resultando em uma luta entre cristãos e pagãos. O conflito chegou ao ponto de dividir Roma ao meio, forçando Constantino a tomar uma atitude. O imperador, em 325 d.C. resolveu unificar Roma sob uma única religião: o cristianismo. Foram utilizadas várias estratégias para converter os pagãos adoradores do Sol em cristãos: fundindo símbolos, datas, rituais pagãos com tradição cristã em ascensão, ele gerou uma espécie de religião híbrida aceitável para ambas as partes. Ou seja, sincretismo.









                                                            Ísis amamentando Hórus 









Madonna Litta. Leonardo da Vinci. 1490. Ísis amamentando Hórus transformou-se  CLARAMENTE em Maria amamentando Jesus.
 



Brown:


“Os vestígios da religião pagã na simbologia cristã são inegáveis. Os discos solares egípcios tornaram-se as auréolas dos santos católicos. Os pictogramas de Ísis dando o seio a seu filho Hórus milagrosamente concebido tornaram-se a base para nossas modernas imagens de Virgem Maria com o Menino Jesus no colo. E praticamente todos os elementos do ritual católico – a mitra, o altar, a doxologia e a comunhão, o ato de “comer Deus”, por assim dizer – foram diretamente copiados de religiões pagãs místicas mais antigas.”
E quando ele quer dizer MAIS ANTIGA, ele se refere ao EGITO ANTIGO e a BABILÔNIA-SUMÉRIA...




                                                            Hórus com disco solar






     St. Clare and St. Elizabeth of Hungary. Simone Martini. 1317. Os discos solares dos egípcios        transformaram-se nas auréolas dos santos católicos, INCLUINDO JESUS CRISTO




Pode-se, portanto, concluir que nada é original no cristianismo, não existindo nem sequer um simbologista especializado em símbolos cristãos.



Nas palavras de Brown (2004):

“O Deus pré-cristão Mitra – chamado o Filho de Deus e a Luz do Mundo – nasceu no dia 25 de dezembro, morreu, foi enterrado em um sepulcro de pedra e depois ressuscitou em três dias. O dia 25 de dezembro é também o dia de celebrar o nascimento de Osíris, Adônis e Dionisio. O recém-nascido Krishna recebeu ouro, incenso e mirra. Até mesmo o dia santo semanal dos cristãos foi roubado dos pagãos. Originalmente a cristandade celebrava o sabá judeu no sábado, mas Constantino mudou isso de modo que a celebração coincidisse com o dia em que os pagãos veneram o Sol. Até hoje, a maioria dos fiéis vai à Igreja na manhã de domingo sem fazer a menor idéia de que estão ali para pagar tributo semanal ao deus Sol, e por isso em inglês o domingo é chamado de Sunday, “dia do Sol”.”

Portanto, os cristãos vão a igreja no domingo, dia do Sol - conhecido na língua inglesa como Sunday e os Judeus praticam o sábado - Saturday - Dia do Saturno. Saturno, O SENHOR DOS ANÉIS (Também portador do anel do poder supremo do cosmo ), é o nome popular para ENLIL, o deus Saturno. Curiosamente, Enlil é o Senhor do Sétimo planeta (contando pelos sumérios, do Sol para "fora"), mas curiosamente, os  Anunnakis, em seu épico da criação diz que Enlil é o Senhor do sétimo planeta que, de fora para dentro, é a TERRA. (a contagem suméria inclui a lua).


 Curiodidades à parte : Acima temos a imagem de Enlil, segurando uma espécie de Pinha e ao lado a Pinha da Antiga Basílica, hoje no Cortile della Pigna, Vaticano 



Mitra. Foto tirada no Museu Britânico por Mike Young em 2007. Créditos: Wikipédia. Mitra também nasceu dia 25 de Dezembro.


Para "cristalizar" a nova tradição cristã, Constantino realizou o Concílio de Niceia ( a primeira tentativa de obter um consenso da igreja através de uma assembleia representando toda a "cristandade" ),  basicamente  uma reunião ecumênica. Durante essas reuniões, muitos aspectos foram debatidos e receberam votação, como a data da Páscoa, o papel dos bispos e a administração dos sacramentos, “além, naturalmente, da divindade de Jesus”, como aponta Brown . Pois  Jesus, anteriormente, era visto pelos seus discípulos como um mero profeta mortal (considerado assim até hoje pela maçonaria), não passando de apenas um homem. Jesus passou a ser conhecido como “Filho de Deus” quando o Concílio de Niceia propôs tal título, ocorrendo a aprovação por votação. Ou seja, “a divindade de Jesus foi resultado de uma votação”, afirma Brown (2004).



Provavelmente foi aí que "Jesus " perdeu a sua essência.

Registros maçônicos nunca descartaram a existência de Jesus, mas não o descrevem como conhecemos. Jesus , um homem comum, que descobriu, digamos, o caminho do "meio" e do equilíbrio, existiu e foi possivelmente  crucificado (prática comum à época) . Ele foi morto ( talvez)  por falar demais , ao ensinar o que não devia aos pobres manipulados Associação aos essênios se faz perceptível, sendo que os essênios, bom, eram como os maçons de hoje em dia ( Existia toda uma iniciação e tal ..) .e curiosamente, onde os essênios viviam, foram achados inúmeros pergaminhos que se referem a AKENATHON , FARAÓ CLARAMENTE ENLIITA.  Mas inegavelmente, os ensinamentos e escrituras  se arremetem a Thoth (filho de ENKI),  .... Portanto , claramente o novo testamento, é uma mistura de verdades , muito bem manipulada e simbólica que alcançou seu objetivo : confundir a todos que buscam entender a verdade e levar a humanidade a adorar ao Deus SOL, O MESMO DE SEU CONSTANTINO ...



Jesus Cristo como um ser divino. Foto do teto da Basílica do Santo Sepulcro em Jerusalém por B. Gian.


Voltando as palavras de Brow: 



"Jesus não passava de um homem que sabia a chave para obter pensamentos pacíficos e utilizá-los para espalhar bondade e amor, resultando em paz e equilíbrio. Para conseguir unificar novamente o Império Romano e para lançar as bases do novo poderio do Vaticano, bastava declarar Jesus, o homem que todos veneravam, como um homem de origem divina. Deste modo, todos seguiriam suas palavras, até das mais absurdas, elaboradas por Constantino e o Concílio."

“Isso não só evitava mais contestações pagãs à cristandade, como os seguidores de Cristo poderiam se redimir através do canal sagrado estabelecido – a Igreja Católica Romana. Tudo não passou de uma disputa de poder. Cristo, como Messias, era fundamental para o funcionamento da Igreja e do Estado. Muitos estudiosos alegam que a Igreja Católica Romana literalmente roubou Jesus de seus seguidores originais, sufocando sua mensagem humana ao envolvê-la em um manto impenetrável de divindade e usando-a para expandir seu próprio poder”.

Constantino aproveitou que todos respeitavam e veneram Cristo, e o usou para conseguir colocar ordem em Roma novamente. Para conseguir manter seu poder, utilizou como base algumas palavras de Jesus e construiu a Bíblia, resultando em um livro onde se encontra o que seria o certo e o errado segundo a ótica do Imperador. Pode-se dizer que “Constantino moldou a face da cristandade como a conhecemos hoje em dia”, diz Brown (2004).

Porém há milhares de documentos contendo crônicas da vida de Jesus como um homem mortal, pois Constantino o nomeou como divindade quase quatro séculos após a crucificação. A Bíblia feita por Constantino “omitia os evangelhos que falavam do aspecto humano de Cristo e enfatizada aqueles que o tratavam como divino. Os evangelhos anteriores foram considerados heréticos, reunidos e queimados”, aponta Brown (2004).




Convém dizer que a pessoa era considerada herege ao escolher os evangelhos proibidos ao invés da Bíblia Cristã (e foi assim por muito tempo, vide a santa inquisição). Neste momento da história surgiu, portanto, a palavra herege. Como diz Brown (2004): “A palavra latina hereticus significa “escolha”. Aqueles que “escolheram” a história original de Cristo foram os primeiros hereges do mundo.” 









  Um dos manuscritos do Mar Morto encontrado perto da caverna Qumran.


Entretanto, para a felicidade de alguns historiadores, conseguiu-se preservar alguns evangelhos que Constantino tentou extinguir. Em 1945 foram encontrados manuscritos coptas em Nag Hammadi. Também foram encontrados no deserto da Judéia na década de 50 os manuscritos do mar Morto em uma caverna perto do Qumran.



Qumran – onde foram encontrados os manuscritos.

Os principais manuscritos não são acessíveis, estão sob posse  de Israel, de um dos museus relacionados a FAMÍLIA ROCKEFELLER!!!!



 
Museu de Israel 



A única coisa que nos resta de novo são as palavras de Brown: 



“Além de contarem a verdadeira história do Graal, esses documentos falam do mistério de Cristo em termos muito humanos. Naturalmente, o Vaticano, mantendo sua tradição de enganar os fiéis, tentou com todas as forças evitar que esses manuscritos fossem divulgados. E por quê? Acontece que os manuscritos apontam certas discrepâncias e invencionices históricas, confirmando claramente que a Bíblia moderna foi compilada e revisada por homens com um objetivo político – promover a divindade do homem Jesus Cristo e usar Sua influência para solidificar a própria base de poder desses mesmos homens.” 


“O famoso livro sagrado para muitos são os olhos da verdade
Hipnotizados por suas palavras enganosas, o defendem até o fim dos tempos
Libertem-se do mundo escuro e cheio de patranhas!
As verdadeiras histórias são mais belas às embustes histórias sagradas
Não tomem como verdade o que lhes é mais dito
E sim, resgatem os segredos escondidos nas entrelinhas da história da
humanidade!”.

“Não há ninguém mais doutrinado do que o próprio doutrinador”, diz Brown (2004).




Origens possíveis do nome Vaticano, com destaque a um citado, no livro Os segredos da Capela Cistina:


O próprio nome “Vaticano” tem uma origem surpreendente. Não vem do latim ou do grego, nem tem origem bíblica. Na verdade, a palavra que associamos à Igreja tem origem pagã. Há mais de 28 séculos, antes mesmo da lendária fundação de Roma por Rômulo e Remo, havia um povo chamado de etrusco. Muito do que pensamos ser da cultura e civilização romanas na verdade vem dos etruscos, e apesar de ainda estarmos tentando compreender sua língua complexa, já descobrimos muito a respeito deles. Sabemos que, assim como os hebreus e os romanos, os etruscos não enterravam seus mortos dentro dos muros de suas cidades. Por este motivo, eles construíram um cemitério enorme em uma encosta de uma colina fora dos limites de sua antiga cidade, no local que posteriormente se tornaria a cidade de Roma. O nome da deusa etrusca pagã que protegia sua necrópole, ou cidade dos mortos, era Vatika.

Outros significados para Vaticano vão também de desde "O deus dos Romanos" a "Oráculo ou vidente" em dicionários latinos e católicos.

Percebe-se que até o nome Vaticano pode ter sido originado do paganismo que levou o vaticano a matar milhares de pessoas. Às vezes eu me pergunto se eles fizeram isso com medo de alguém descobrir a verdade ... só que ,  a verdade não pode ser escondida por muito tempo e eu acho que  já foi tempo demais ...












Ghent Altarpiece. Jan van Eyck Ghent Altarpiece. 1432. A expansão do Clero.

Fontes usadas :
http://marianaplorenzo.com/2011/01/17/as-origens-do-cristianismo-e-a-criacao-da-biblia/ 
http://tigredefogo.wordpress.com/2009/05/27/trecho-do-livro-os-segredos-da-capela-sistina-benjamin-blech-e-roy-doliner/
http://wwwnovas.blogspot.com.br/2010/05/os-segredos-da-capela-sistina.html
http://rmorais76.blogspot.com.br/2011/03/senhora-anunnaki-da-reencarnacao.html
http://pt.wikipedia.org/wiki/Wikip%C3%A9dia:P%C3%A1gina_principal

 

www.montfort.org.br 


Livro : As origens egípcias do cristianismo

As origens ocultas da maçonaria

Código da Vince , Dan Brown 2004 

Os mistérios dos pergaminhos  de cobre de Qurman

 Site  onde vc encontra alguns  do pergaminhos liberados pelo Museu de Israel :
http://dss.collections.imj.org.il/ 


Pesquise no Site por Assunto

AS 10 MAIS DO MÊS