18 de dez de 2016

O Centro de Gravidade Permanente.

Assim como as estrelas giram ao redor do centro de sua Galáxia todos nossas atitudes, pensamentos, vontades, etc. devem girar ao redor de nossa Consciência.

O ensinamento gnóstico é a chave que pode nos levar a auto-realização íntima do Ser, sendo assim muitos estudantes podem perguntar: Por que não existem tantos homens de consciência desperta ? O ensinamento gnóstico não é a chave da auto-realização?

Dentro de cada um de nós vivem muitas pessoas, são opiniões diferentes, desejos diferentes. A cada momento uma destas pessoas assume o controle da máquina humana e faz seus desejos e vontades. Jura amor eterno a uma pessoa, que jamais se separará dela, que será fiel até que a morte os separe. Passa-se um tempo e outro eu psicológico assume o controle da máquina e logo arruma outra pessoa, pede a separação e novamente jura amor a sua nova parceira.


A resposta para tal pergunta é simples. Não existe o indivíduo psicológico. Em cada um de nós vivem muitas pessoas, se não há um sujeito responsável, seria absurdo exigir de alguém continuidade de propósitos.

Dentro de cada um de nós vivem muitas pessoas, são opiniões diferentes, desejos diferentes. A cada momento uma destas pessoas assume o controle da máquina humana e faz seus desejos e vontades. Jura amor eterno a uma pessoa, que jamais se separará dela, que será fiel até que a morte os separe. Passa-se um tempo e outro eu psicológico assume o controle da máquina e logo arruma outra pessoa, pede a separação e novamente jura amor a sua nova parceira.

O que um eu determinado afirma num instante não tem nenhuma seriedade, devido ao fato concreto de que qualquer outro eu pode afirmar exatamente o contrário em qualquer outro momento.

O pior de tudo isto é que muitas pessoas afirmam ter o sentido da responsabilidade moral e se auto-enganam, afirmando ser sempre as mesmas. Se assim fosse não precisaríamos dos contratos para fecharmos um negócio ou para financiar um automóvel.

O próprio ser humano sabe que não tem continuidade de propósitos e por isso cria leis para proteger-se de si mesmo. Muitas pessoas quando tem seu primeiro contato com o ensinamento gnóstico empolgam-se, entusiasmam-se com o trabalho esotérico e até juram consagrar a totalidade de sua existência a estas questões. 

Todos os membros da instituição admiram um entusiasta assim. Qualquer instrutor gnóstico sente muita alegria quando ouve tal afirmação. Contudo, o idílio não dura muito tempo. Qualquer dia, devido a tal ou qual motivo, justo ou injusto, simples ou complicado, a pessoa se retira de Gnose. Então abandona o trabalho e, para endireitar o entortado, ou tratando de se justificar a si mesmo, afilia-se a qualquer outra organização mística e pensa que agora vai melhor. 

Tudo isto se deve a multiplicidade de eus, que em nosso interior, lutam entre si por sua própria supremacia. Cada eu psicológico possui mente própria, vontade própria. Cada eu segue seu próprio critério tem suas próprias idéias sendo assim é normal este mariposear constante de organizações, de ideal em ideal. 

Muitos estudantes devido a falta de prática, a falta de oração e iluminação interna dão margem a eus do fanatismo, da mitomania e num belo dia após uma experiência mística crêem-se deuses, mestres; brilham como luzes fátuas e logo desaparecem. É preciso estar sempre atento, pois a cada momento um novo eu aparece e domina a máquina humana. Precisamos começar a colocar disciplina e pratica em nossas vidas.

Se não lutamos contra a vida esta nos devora; e são raros os aspirantes que, de verdade, não se deixam tragar pela vida. Existindo dentro de nós esta imensa multiplicidade de eus o centro de gravidade permanente não pode existir. 

Para adquirirmos o centro de gravidade permanente precisamos ter continuidade de propósitos e para isso é necessário eliminarmos o ego de nossa psique. Somente mediante a morte do eu a essência pode liberar-se e cumprir com a vontade do Pai que está em segredo.Precisamos olhar para frente, traçar nosso objetivo impor disciplina naquilo que fazemos e cumprir com o que falamos. 

É muito normal que alguém se entusiasme pelo trabalho esotérico e que logo o abandone; o estranho é que alguém não abandone o trabalho e chegue a meta. Todos nós temos a capacidade de nos auto-realizar de despertar a nossa consciência e nos liberar deste vale de lágrimas em que vivemos. 

O Sol está realizando um grande experimento no laboratório da natureza e todos nós fazemos parte desta experiência. Dentro de cada um de nós existem germes, que convenientemente desenvolvidos, podem converter-nos em homens solares. Mas para isso é preciso ter um campo fértil para que estes germes possam germinar e darem frutos. Para que esta semente depositada em nossas glândulas sexuais possa germinar, necessita-se continuidade de propósitos e corpo físico normal. 

Atualmente os cientistas utilizam nossas glândulas de secreção interna para fazerem experiências. Se isto continuar ocorrendo qualquer possibilidade de desenvolvimento dos mencionados germes poderá perder-se. Num passado muito arcaico de nosso planeta terra houve uma civilização que passou por um processo muito semelhante ao que estamos vivendo hoje. Todos os grandes iniciados que despertaram a consciência sabem que as formigas, num passado muito remoto em que nem os maiores historiadores do mundo sequer suspeitam, foram uma raça humana que criou uma poderosíssima civilização socialista.

Esta notável civilização eliminou todos os ditadores, seitas religiosas, o livre arbítrio e tudo o que lhes tirava o poder, pois necessitavam ser totalitários no mais completo sentido da palavra. Aliado a tudo isto acrescentaram os experimentos científicos; transplantes de órgãos, glândulas, ensaios com hormônios, etc. tudo isto resultou no empequenecimento gradual e na alteração morfológica daqueles organismos humanos, até se converterem por último, nas formigas que hoje conhecemos. Qualquer pessoa enche-se de assombro ao ver um formigueiro, sua organização, hierarquia, mas não podemos mais que lamentar sua falta de inteligência. O mesmo ocorreu com os cupins e as abelhas, todos um dia foram humanos que degeneraram até se tornarem no que são atualmente. 

Todo aquele que não trabalha sobre si está condenado a involução e a degeneração. Toda civilização que utiliza erroneamente o laboratório solar para seus experimentos está condenada ao mesmo destino das formigas, abelhas e cupins. O experimento solar é muito difícil e tem dado poucos frutos. 

Só é possível a criação do homem solar se antes estabelecermos o centro de gravidade permanente em nossas vidas. Quando o Sol perde o interesse por uma determinada raça esta fica condenada a destruição e a involução.

Para nos tornarmos homens solares é preciso lutar contra a força lunar. Para nos livramos da força lunar é preciso criar o centro de gravidade permanente. Como poderíamos dissolver o eu pluralizado se não temos a continuidade de propósitos? De que maneira poderíamos ter continuidade de propósitos sem antes ter estabelecido um centro de gravidade permanente?

Precisamos lutar para nos livrar da influência lunar. Para isto temos os três fatores da revolução da consciência como arma. Só trabalhando sobre nós mesmos, com verdadeira continuidade de propósitos e sentido completo de responsabilidade moral, podemos converter-nos em homens solares. Isto implica consagrar a totalidade de nossa existência ao trabalho esotérico sobre nós mesmos. 


O trabalho esotérico começa agora, neste exato momento. Não podemos deixar para amanhã o inicio de nosso trabalho. O trabalho esotérico não tem nada a ver com nossa situação econômica, nossa situação emocional. 

Temos todas as ferramentas em nossas mãos e não podemos deixar que a influência lunar nos leve para o abismo. O estudante que não vê a importância de entregar a totalidade de sua existência ao trabalho sobre si mesmo, com o propósito de libertar-se da força lunar, segue rumo a involução e degeneração total. 


Em nossa vida existem muitas tentações, desculpas evasivas, existem atrações fascinantes, que, de fato, sói ser quase impossível compreender, por tal motivo, a urgência do trabalho esotérico. Mas para aquele que realmente almeja tornar-se homem solar, tem a seu favor uma pequena margem de livre arbítrio. Este livre arbítrio associado com o trabalho gnóstico pode nos conduzir a liberação total. 

A mente volúvel não entende o que aqui estamos dizendo; lê esta conferencia e posteriormente a esquece. Vem depois outro livro e outro; e finalmente acabamos afiliando-nos a qualquer instituição que nos venda um passaporte para o céu, que nos fale de forma mais otimista, que nos assegure comodidades no mais além.

Precisamos estar atentos a toda a classe de eus que se manifestam em nosso dia-a-dia para não nos tornarmos marionetes nas mãos do ego. 

Desde já precisamos nos organizarmos, pegar as ferramentas que possuímos e lutarmos com unhas e dentes pelo nosso despertar.

Fonte: http://www.pistissophiah.org/gnose/centro_gravidade_permanente.htm

Pesquise no Site por Assunto

AS 10 MAIS DO MÊS