23 de jan de 2017

Medicina Psicoacústica: A Ciência do Som a Serviço da Saúde e do Bem-estar.



Embora o termo medicina psicoacústica seja relativamente novo, as práticas do uso de som e frequências para impactar a saúde física e emocional do corpo tem sido utilizadas desde o início dos tempos. A partir dos cantos gregorianos em igrejas, canto de monges tibetanos aos tambores de nativos, a canção e o som têm sido um catalisador na estimulação da saúde e cura para o corpo e a mente em todas as culturas. A definição de medicina psicoacústica é a ciência de como a música e o som influenciam o sistema nervoso, psicológica e fisiologicamente. Simplificando, é como o som influencia a mente e o corpo.


Uma área particular desta ciência do som é a da “batida binaural”. Batidas binaurais foram teorizadas pela primeira vez em 1839 por Heinrich Wilhelm Dove, mas foram testadas e comprovadas cientificamente pela primeira vez em 1973 pelo Dr. Gerald Oster, um médico e biofísico, quando ele publicou sua descoberta em um artigo de pesquisa chamado batidas auditivas no cérebro. O estudo abriu uma área completamente nova da ciência porque mostrou a maneira como o som afeta e como o cérebro rapidamente aprende a informação nova, o modo de controle, os padrões do sono e as respostas de cura dentro do corpo, entre muitos outros itens.

Artigo relacionado: Induzir um Aumento da Inteligência

Como as Batidas Binaurais Influenciam o Cérebro e o Corpo

Para começar, vamos primeiro olhar para o que são exatamente as batidas binaurais. Dra. Suzanne Evans Morris, Ph.D. que é uma fonoaudióloga, afirma:
“A pesquisa mostra que as diferentes frequências apresentadas em cada orelha através de auscultadores estereofônicos… criam um tom da diferença (ou batida binaural) quando o cérebro une os dois tons que ouve realmente. Através de monitoramento EEG o tom da diferença é identificado por uma mudança no padrão elétrico produzido pelo cérebro. Por exemplo, as frequências de 200 Hz e 210 Hz produzem uma frequência de batimento binaural de 10 Hz (A diferença entre 200 Hz e 210 Hz é 10 Hz). O monitoramento da eletricidade do cérebro (EEG) mostra que o cérebro produz um aumento da atividade de 10 Hz com igual frequência e amplitude da forma de onda em ambos hemisférios do cérebro (hemisfério esquerdo e direito).

post-01-23-2
A diferença entre uma frequência de 200 Hz e 190 Hz resulta num batimento binaural de 10 Hz.
O resultado disto é chamado de “arrastamento de ondas cerebrais”, que no exemplo acima, arrasta a 10 Hz. Qualquer atividade eletroquímica do cérebro resulta na produção de formas de ondas eletromagnéticas que podem ser objetivamente medidas com equipamento adequado. Como as ondas cerebrais mudam as frequências baseadas na atividade neural dentro do cérebro, e porque a atividade neural é eletroquímica, a função do cérebro pode ser modificada usando o som e as frequências. Assim, certas frequências/sons/músicas estimulam o cérebro a produzir determinados neurotransmissores como a serotonina, o mensageiro químico para “sentir-se bem” que ajuda a reduzir a dor e aumenta os sentimentos de prazer.
Os pesquisadores acreditam que diferentes padrões de ondas cerebrais estão ligados à produção no cérebro de vários neuroquímicos associados com relaxamento e liberação de estresse, aumento da aprendizagem e criatividade, memória e outros benefícios desejáveis. Estes neuroquímicos incluem beta-endorfinas, fatores de crescimento, peptídeos intestinais, acetilcolina, vasopressina e serotonina.
A engenheira de terapia neuro-elétrica Dra. Margaret Patterson e o Dr. Ifor Capel, mostraram neste experimento como uma frequência de ondas cerebrais de 10 Hz (ondas cerebrais alfa), aumentaram a produção de serotonina, para ajudar a aliviar a dor e aumentar o relaxamento. Eles também demonstraram como uma frequência de ondas cerebrais de 4 Hz (ondas cerebrais teta), aumentaram a produção de catecolaminas, que são importantes para a memória e aprendizagem.
“Tanto quanto podemos dizer, cada parte do cérebro gera impulsos em uma frequência específica com base no que o neurotransmissor predominante segrega. Em outras palavras, o sistema de comunicação interna do cérebro, tem sua linguagem baseada na frequência… Presumivelmente, quando enviamos ondas de energia elétrica em digamos, 10 Hz, certas células no tronco cerebral responderão porque elas normalmente funcionam dentro deste alcance de frequência”.

Isto é também exatamente o que provou a Dra. Candice Pert que é neurocientista, biofísica e farmacologista, que pesquisou no Instituto Nacional de Saúde (INS) e lecionou na “Georgetown University School of Medicine”. A Dra. Pert foi a primeira a provar que os pensamentos e emoções criam um efeito fisiológico direto sobre o corpo, demonstrando assim a crença há muito tempo mantida sobre a medicina da mente/corpo. Em outras palavras, ela provou que pensamentos positivos, negativos e emoções estão sempre melhorando ou diminuindo nossa saúde, com base nos produtos químicos que são liberados e transportados para cada célula.
Sobre os efeitos das frequências afetarem as células do corpo a Dra. Pert disse:
“Energia e vibração vão até o nível molecular. Temos 70 receptores diferentes sobre cada molécula e quando a vibração e a frequência os atingem eles começam a vibrar [permitindo assim que as células sejam afetadas diretamente pela vibração].

“Basicamente, os receptores funcionam como scanners. Eles se aglomeram em membranas celulares, esperando que a ligação correta (moléculas muito menores do que os receptores), venham dançando (difundindo) através do fluido que rodeia cada célula, montando, vinculando e (vibrando) para ligá-los e motivá-los a vibrar uma mensagem para a célula. Montando a ligação para o receptor que é comparada duas vozes, atingindo a mesma nota e produzindo uma vibração que toca uma campainha para abrir a porta da célula”.

Em outras palavras, para que qualquer mensagem (ligação vibratória) seja recebida por uma célula, a célula deve vibrar na mesma frequência que a ligação. Assim, quando as ondas cerebrais estão no estado Alfa, 8 a 14 Hz, esta vibração ou frequência está combinando com as células correspondentes para que a serotonina seja criada, por exemplo.

Aplicações Diárias Desta Medicina

Existem várias aplicações diferentes desta forma de medicina ser usada para beneficamente impactar nossas vidas, incluindo o alívio do estresse, alívio da dor, alivio de dores de cabeça, reverter e prevenir distúrbios cognitivos como Alzheimer e Parkinson, reverter e prevenir diferentes tipos de câncer, Aprendizagem e recordação, bem como melhores ciclos de sono, recuperação de dependência, habilidades cognitivas aumentadas devido à sincronização dos hemisférios cerebrais esquerdo e direito, bem como um bem-estar geral melhorado.
post-01-23-3É sabido e provado que exercitando nosso cérebro, nós temos uma saúde mental e emocional melhor e um funcionamento intelectual aumentado. Dr. Robert Cosgrove, Jr., Ph.D., M.D. diz:
“[Batidas Binaurais] foram observadas por nós como sendo um excelente exercitador de neuro-caminho. Como tal, acreditamos que ela tem grande potencial para uso no aumento do desempenho cerebral. Manter e melhorar o desempenho cerebral ao longo da vida atrasa por décadas a deterioração do cérebro, tradicionalmente associado com o envelhecimento…”

Como dito acima, se alguém quer relaxar e se desestressar, ouvindo uma batida binaural que produz ondas cerebrais alfa (entre 8 e 14 Hz), mais serotonina será produzida, bem como mais endorfinas. Isto ajuda a reduzir a dor física e emocional, bem como aumenta os sentimentos de relaxamento e felicidade. Ouvir uma batida binaural alfa também pode ajudar a aumentar as habilidades de aprendizagem. O Dr. Georgi Lozanov mostrou que os alunos no estado alfa podem aprender tanto quanto cinco vezes a quantidade de informação em menos tempo por dia e com maior retenção de memória a longo prazo.
Revendo as informações acima, percebemos que as ondas teta (entre 4 e 8 Hz) estimulam a liberação de catecolaminas, que são essenciais para a aprendizagem e memória. Ondas teta também ajudam dramaticamente a sincronizar ou aumentar a comunicação entre os hemisférios esquerdo e direito do cérebro, ativando mais partes do cérebro, o que pode levar a um aumento na função cognitiva. Então, se uma pessoa está precisando se desestressar ou quer aprender e lembrar de forma mais eficaz, escutar frequência de ondas alfa ou teta pode ser tremendamente benéfico. Além disto, a música clássica, de harpa ou piano muda o cérebro para o estado alfa ou teta relaxado, enquanto a maioria da “musica” metal, rock pesado e similares deslocam o foco do cérebro para um estado beta elevado, que é estressante e pode elevar os níveis de cortisol que nos faz armazenar mais gordura corporal, diminuir a assimilação de nutrientes e acelerar o processo de envelhecimento.
Frequências alfa e teta também podem ser usadas para ajudar na recuperação de vícios e modificação de comportamentos. O Dr. Eugene Peniston e o Dr. Paul Kulkosky, da “University of Southern Colorado”, ajudaram um grupo de alcoólicos a entrar nos estados alfa e teta. “Esta experiência envolveu dois grupos de alcoólicos. Um grupo foi enviado para um programa regular de “12 passos” de AA para ajudar em sua condição (grupo de controle). O outro grupo não recebeu aconselhamento, mas foi enviado para escutar 15 sessões de vinte minutos de batidas binaurais alfa e teta (grupo experimental). Dentro do grupo de controle de AA, as taxas de recaída de alcoolismo 13 meses após o teste foram de 80% e não houve alteração nos níveis de depressão (medida pelo Inventário de depressão de Beck). Dentro do grupo experimental que escutou batidas binaurais 13 meses mais tarde houve uma recaída de apenas 20% e os níveis de depressão tinham reduzido para a de um terceiro grupo de controle, sem álcool”.
O Dr. Gene Brockopp explica porque ele acredita que a batida binaural e a medicina psicoacústica pode ajudar as pessoas a modificar dramaticamente comportamentos aprendidos/programados:
“Se pudermos ajudar uma pessoa a experimentar diferentes estados de ondas cerebrais conscientemente através da condução delas pela estimulação externa (batida binaural), podemos facilitar a capacidade do indivíduo de permitir mais variações em seu comportamento através da quebra de padrões à nível neural. Isto pode ajudá-lo a desenvolver a capacidade de mudar de marcha ou “transporte” afastando-o dos padrões de hábitos de comportamentos ineficientes para torná-lo mais flexível e criativo, desenvolvendo estratégias ideais de comportamento”.

Em termos de utilização a frequência delta pode ser usada para adormecer mais rápido, reparar e recuperar mais rápido lesões, cansaço de exercícios ou estresse físico diário, já que o hormônio do crescimento humano (GH) é liberado quando nosso cérebro está no estado delta. É por isto que é fundamental obter um bom e profundo sono para o corpo poder se reparar e recuperar totalmente a cada noite. Certas ervas medicinais também podem ajudar uma pessoa a obter um sono profundo e repousante. Drogas farmacêuticas para dormir na verdade impedem o corpo de produzir certos neurotransmissores e realmente destroem o funcionamento natural do cérebro quando usadas. Elas também impedem que o cérebro mergulhe no estado delta.
Embora existam inúmeros outros benefícios que poderiam ser listados, tem sido demonstrado que a medicina psicoacústica é extremamente benéfica e pode ser usada para melhorar uma ampla gama de transtornos. O que cada um de nós pode melhorar em sua vida com esta forma de medicina ?
Como eu escrevi este artigo escutando uma frequência teta. Vou postar alguns vídeos diferentes abaixo que podem ser ouvidos. No entanto, uma vez que são batidas binaurais, o fone de ouvido deve ser usado para aproveitar os benefícios.





©Lance Schuttler
Origem: wakingtimes
Tradução e Divulgação: A Luz é Invencível ☼

Pesquise no Site por Assunto

AS 10 MAIS DO MÊS