20 de mar de 2017

Bibliografia: Plutarco


Plutarco (em grego antigo: Πλούταρχος, translit.Ploútarkhos, IPA: [plŭːtarkʰos]) ou Lucius Mestrius Plutarchus (em grego, Λούκιος Μέστριος Πλούταρχος), nome que adotou ao se tornar cidadão romano ca. 46 d.C. – 120 d.C., foi um historiador, biógrafo, ensaísta e filósofo médio platônico grego, conhecido principalmente por suas obras Vidas Paralelas e Moralia.

Vida

Pertencente a uma família proeminente, nasceu em Queroneia, na Beócia, a cerca de 30 quilômetros a leste de Delfos. Viajou pela Ásia e pelo Egito, viveu algum tempo em Roma e foi sacerdote de Apolo em Delfos em 95 d.C. O seu enorme prestígio valeu-lhe a obtenção de direitos de cidadão em Delfos, Atenas e mesmo em Roma (Mestrius Plutarchus).

Estudou matemática e filosofia no Academia em Atenas sob Amônio de Atenas de 66 a 67[3].


Após concluir sua educação, visitou o Egito. A "sabedoria dos egípcios" sempre fascinou os gregos e neste período, a Alexandria com sua famosa biblioteca, era um importante centro da atividade intelectual grega.

O evento mais importante de sua vida, é sem dúvida quando viajou para a Itália e para Roma, onde aprendeu um pouco de latim. Em Roma, pesquisou sobre antiguidades e lecionou filosofia e outros assuntos. Muitas dessas aulas foram depois refeitas por ele em vários pequenos tratados, sobre vários assuntos sob o título de Moralia.

Em algum momento, Plutarco assumiu cidadania romana. Como evidenciado por seu novo nome, 'Lucius Mestrius Plutarchus', o seu patrocinador para a cidadania era Lucius Mestrius Florus, um cônsul romano de quem Plutarco também usou como uma fonte histórica para seu escrito A vida de Oto.

Plutarco morreu entre os anos 119 e 120 em Delfos.

Trabalho como magistrado e embaixador

Além de suas funções como sacerdote do templo de Delfos, Plutarco também foi um magistrado em Queroneia e representou sua pátria em várias missões em países estrangeiros. Plutarco ocupava o cargo de arconte em seu município natal, provavelmente, apenas um projecto anual que provavelmente onde serviu mais de uma vez. Ele ocupou-se com todos os pequenos assuntos da cidade e realizando até as mais humildes tarefas.

Vidas Paralelas

Os primeiros trabalhos biográficos escritos por Plutarco eram as vidas dos imperadores romanos, de Augusto a Vitélio. Destas, restaram apenas as Vidas de Galba e Otão. Das obras A Vida de Tibério e A Vida de Nero existem apenas fragmentos, fornecidos por Damáscio (A Vida de Tibério, cf. em sua obra Vida de Isidoro) e pelo próprio Plutarco (Vida de Nero, cf. Galba 2.1), respectivamente. Estes primeiras biografias dos imperadores foram provavelmente publicadas sob a dinastia dos Flávios, ou durante o reinado de Nerva (96–98 d.C.).

Filosofia

Plutarco - Não preciso de amigos que mudem quando eu mudo e concordem quando eu concordo - A minha sombra faz isso muito melhor.svg

Plutarco era um platônico, mas era aberto a influência dos peripatéticos e em alguns detalhes até mesmo tendendo ao estoicismo, apesar de sua polêmica contra os seus princípios. Ele rejeitou em absoluto somente o epicurismo. Interessado em questões morais e religiosas, atribuiu pouca importância às questões teóricas e duvidou da possibilidade de algum dia estas questões serem resolvidas.

Em oposição ao materialismo estóico e ao "ateísmo" epicurista, alimentou a ideia de Deus que estava mais de acordo com Platão e adotou um segundo princípio (díade), a fim de explicar o mundo fenomenal. No entanto ele buscou esse princípio não em uma matéria indeterminada, mas na maligna alma do mundo que desde o início está ligada à matéria, mas no momento da criação era cheia de razão e fora arranjada por ela, assim, a alma do mundo foi transformada em alma divina do mundo, mas continuou a funcionar como a fonte de todo o mal.


Fonte: 
Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...

Pesquise no Site por Assunto

AS 10 MAIS DO MÊS