25 de jun de 2017

Aspartame e o Câncer.

Você consome aspartame como adoçante para evitar as calorias do açúcar? Pois um recente estudo feito nos Estados Unidos acaba de comprovar que esta substância pode ser tão nociva quanto refrigerantes dietéticos, que podem causar leucemia em homens e mulheres, e linfoma não-Hodgkin em homens. Veja as informações a seguir.


O estudo mais completo do mundo sobre aspartame

Este estudo analisou os dados do Centro de Estudo de Profissionais da Saúde por um período de 22 anos. Um total de 77.218 mulheres e 47.810 homens foram incluídos na análise, totalizando 2.278.396 pessoas por ano (o número de participantes e a quantidade de tempo que cada pessoa gasta participando deste estudo). O que torna este estudo superior aos anteriores é o detalhe em que a ingestão de aspartame foi severamente avaliada.

Os participantes receberam um questionário dietético detalhado a cada ano, e suas dietas foram reavaliadas de quatro em quatro anos. Estudos anteriores, que não encontraram nenhuma ligação entre aspartame e câncer, apenas avaliaram a ingestão de aspartame dos participantes em um período de tempo, e não há longo prazo.

Os resultados deste novo estudo mostraram que beber uma lata de refrigerante diet por dia leva a:
42% maior risco de leucemia em homens e mulheres.
102% maior risco de mieloma múltiplo em homens.
31% de risco de linfoma não-Hodgkin em homens.

A razão pela qual apenas os homens mostraram um aumento do risco de mieloma múltiplo e linfoma não-Hodgkin é desconhecida. O refrigerante diet é a principal fonte dietética de aspartame nos Estados Unidos. Todos os anos, os americanos consomem 5,2 toneladas de aspartame no total, e 4,5 toneladas são de refrigerantes dietéticos.

Pesquisa anterior sobre animais

Este estudo mostra a importância da pesquisa de qualidade.

A maioria dos estudos anteriores que não mostraram nenhuma ligação entre aspartame e certos tipos de câncer têm sido fortemente criticados por serem muito curtos e por ignorarem a ingestão de aspartame no longo prazo. Este, feito recentemente, resolve esses dois problemas.

O fato dos novos resultados mostrarem uma ligação positiva entre o aspartame e os diferentes tipos de câncer não é realmente surpreendente, considerando que um estudo anterior realizado no ano de 2006 em 900 ratos, ao longo de toda a vida, mostrou resultados surpreendentemente similares. O aspartame aumentou significativamente o risco de ratos do sexo masculino e feminino obter linfomas e leucemia.

O que é talvez mais preocupante é a pesquisa de acompanhamento, que analisou os efeitos da exposição ao aspartame em ratos durante a fase fetal. Aumentaram os riscos de leucemia e linfoma e, desta vez, as fêmeas tiveram um aumento nas taxas de câncer de mama. Isso levanta uma questão muito assustadora: futuros estudos de alta qualidade revelarão ligações entre o aspartame e os outros tipos de câncer com os quais envolvel cérebro, próstata e mama?

Agora há mais razões do que nunca para evitar o aspartame em nossa alimentação. Para aqueles que pensam que voltar a consumir os produtos açucarados é uma alternativa "mais saudável", este estudo descobriu algo surpreendente: homens que consomem um ou mais refrigerantes comuns por dia têm um aumento de 66% no linfoma não-Hodgkin (o que é ainda pior Do que isso para refrigerante dietético). Portanto, talvez o melhor seja não beber nenhum tipo de refrigerante e outros produtos com aspartame.

Exemplos de produtos que contém aspartame

Hoje em dia, o aspartame pode ser encontrado em mais de 6 mil produtos, mais frequentemente em alimentos dietéticos e sem açúcar.

Abaixo estão alguns exemplos chocantes:
Goma de mascar
Laxantes
Iogurte
Café
Balas de hortelã
Leite pasteurizado
Medicamentos sem receita médica

Reações adversas ao aspartame que você pode não estar ciente:

De acordo com o órgão que regulamenta esses produtos para o consumo, o aspartame é "seguro" para o consumo, apesar de 85% das queixas relatadas por outros órgãos, e as reações adversas ao aspartame (incluindo cinco óbitos). Há uma questão governamental envolvida nesta aceitação, já qu o lucro fala mais alto na maioria dos negócios.

Outros efeitos colaterais bem documentados do aspartame são:
Dor de cabeça / enxaquecas
Tontura
Espasmos musculares
Náusea
Palpitações cardíacas
Vertigem
Dificuldades respiratórias
Perda de memória
Dores nas articulações
Insônia
Depressão
Fala arrastada
Ataques de ansiedade ou de pânico

Devido a esses efeitos colaterais, doenças crônicas como tumores cerebrais, esclerose múltipla, diabetes, doença de Alzheimer, Parkinson, epilepsia e fibromialgia podem ser gravadas ainda mais se você consumir esse adoçante artificial.

Os componentes do aspartame (ácido aspártico, metanol e fenilalanina) são os culpados da história. O último foi sinteticamente alterado para que ele seja capaz de transportar um grupo metilo, o que dá ao aspartame o seu sabor doce. Esta ligação de metilo de fenilalanina permite que o grupo metilo na fenilalanina se separe facilmente e forme metanol.

Nas frutas e vegetais, o metanol é ligado a uma fibra chamada pectina e isso permite passar com segurança através do sistema digestivo. No entanto, no caso do aspartame, o metanol não está ligado a nada que ajude a eliminá-lo do nosso corpo. Portanto, o metanol é convertido pela enzima álcool desidrogenase (ADH) em formaldeído, que pode causar estragos no seu corpo. Todos os animais, além de nós seres humanos, têm a capacidade natural de quebrar o metanol em ácido fórmico seguro.

Pesquise no Site por Assunto

AS 10 MAIS DO MÊS