19 de jul de 2017

Com nossos pensamentos, criamos nosso mundo.



O Budha ensinou que o karma nos fornece apenas condições. Em cada momento, somos livres para escolher ter um pensamento sábio e assim produzir uma ação sábia e positiva. O budismo é brutal em sua defesa da responsabilidade (Livre Arbítrio) pessoal sobre o seu próprio destino. “Tudo o que somos é o resultado do que pensamos. Se um homem fala ou age com um pensamento maligno, a dor o acompanhará como uma sombra. Se um homem fala ou age com um pensamento puro, a felicidade o segue, como uma luz que nunca o deixa”. – Budha


Tradução, edição e imagens: Thoth3126@protonmail.ch

“O que somos hoje vem dos nossos pensamentos de ontem, e os nossos pensamentos presentes criam a nossa vida do amanhã: a nossa vida é a criação da nossa mente”. – Budha

Por Walter Mason – Fonte: http://www.newdawnmagazine.com/

Aqueles de nós que cresceram na década de 1980 estavam, sem saber, absorvendo uma dose saudável de misticismo oriental quando assistíamos a maravilhosa série de televisão japonesa “Monkey” toda noite durante a semana, às 18h30. Por toda a cor e movimento e linguagem ocasionalmente risqué que apelava para a minha mente infantil, eu também estava, talvez, levando em consideração os abstrações da filosofia budista que constituíam a introdução a cada episódio: “Com nossos pensamentos, criamos o nosso mundo.”


Esta é uma citação de “The Dhammapada”, esse texto exquisitamente breve que fornece ao leitor todas as principais idéias a serem encontradas em todas as escolas do budismo. Na verdade, é o primeiro verso desse livro mais fundamental. É a construção que informa a visão de mundo budista – tudo isso, que denominamos “realidade”, é um produto do pensamento humano (individual e coletivo), e isso pode ser influenciado pela forma de nossos pensamentos e podemos começar a criar uma nova realidade através da disciplina do nosso processo de pensamento e direcioná-lo para resultados mais sábios.

O devaneio (volição) e a vontade livre eram os pontos de divergência entre o budismo e os outros sistemas religiosos do mundo antigo, que tendiam a favorecer noções de destino e pré-destino. O Budha ensinou que o karma nos fornece apenas condições. Em cada momento, somos livres para escolher ter um pensamento sábio e assim produzir uma ação sábia. O budismo é brutal em sua defesa da responsabilidade pessoal sobre o seu próprio destino. Esse ponto de vista parece surpreendentemente moderno e racional, embora talvez um pouco politicamente incorreto nesta idade muito mais emocional.

É o controle rigoroso do pensamento, a disciplina cuidadosa, que se tornou a principal prática dos praticantes budistas. Samantabhadra, o Bodhisattva digno universal, é o santo padroeiro do meticuloso treinamento religioso no mundo do Budismo Mahayana. Ele impôs sobre si mesmo a quase impossível tarefa de honrar o Budha em cada pensamento. Se seus pensamentos foram preenchidos com o Budha, também devem suas ações e palavras serem habitadas pela bondade do Despertado. Cuide dos seus pensamentos, e as ações decorrentes cuidarão de si mesmas.


Na tradição ocidental surgiu, também, a noção de que as ações de alguém refletiam o bem-estar espiritual de alguém. A maneira como uma pessoa se parece e fala foi vista por Emanuel Swedenborg como prova de reflexão habitual: quer nas belezas do céu, quer nos tormentos do mundo natural. Muito mais tarde, os grandes professores do Novo Pensamento no século XX viram a importância espiritual do controle do pensamento, ensinando que os pensamentos eram nossos canais para Deus e, portanto, deveriam ser tão perfeitos, amorosos e felizes quanto possível.

Nós podemos enganar-nos que nossos pensamentos podem ser permitidos e nossas vidas não serão afetadas. As fofocas, a negatividade habitual, o julgamento e a crítica constante podem parecer divertidos quando estamos envolvidos neles. Podemos justificá-los ou elevá-los, orgulhando-nos de nosso cinismo e capacidades críticas. Mas o Budha estava ciente de que tudo o que pensávamos era, de fato, a soma total da experiência da nossa vida – não podemos conhecer o bem e a felicidade se não permitimos que nossos pensamentos cultivem essas qualidades.

Ele reconheceu que exige muita disciplina e a aplicação consciente da energia para direcionar nossas mentes em direções positivas. Sem esse cuidado, podemos deslizar em padrões negativos e destrutivos. Para vigiar a mente, ele disse, é propício pensar na felicidade.


“Existem três coisas que não podem ser escondidas por muito tempo: a Lua, o Sol e a VERDADE” – Sidhartha Gautama (Budha)

“Tudo o que somos é o resultado do que pensamos. Se um homem fala ou age com um pensamento maligno, a dor o acompanhará como uma sombra. Se um homem fala ou age com um pensamento puro, a felicidade o segue, como uma luz que nunca o deixa”. – Budha

Saiba mais em:

Permitida a reprodução desde que mantida a formatação original e a citação das fontes.

x

Pesquise no Site por Assunto

AS 10 MAIS DO MÊS