26 de jul de 2017

Reclamar Faz Mal Ao Cérebro>

Vega Conhecimentos


Especialista dá dicas para você fugir deste hábito.

Ouvir um resmungão pode te trazer mais do que vontade de sair correndo para bem longe do papo mal-humorado. A Ciência explica que uma enxurrada de reclamações, além de encher seu ouvido, atinge negativamente seu cérebro e o funcionamento do seu corpo.

Pior: se você é a pessoa que tem o hábito de criticar tudo e todos, o efeito também se aplica à sua saúde mental.

Mas, parece que o hábito de reclamar acaba fazendo parte da nossa vida vez ou outra, não é mesmo?

Para evitar (ou reduzir) os danos, entrevistamos a coach de alta performance e produtividade Patricia Marinho, que ensina como devemos lidar com os chatões e jeitos práticos de levantar o astral daquele conhecido que só vê a vida em tons de cinza. Entre as dicas, ela ensina a “regra da água” para manter o otimismo em dia. Que tal testar?
Por que reclamar atinge seu cérebro negativamente

O articulista e cientista da computação Steven Parton publicou um texto no site Curious Apes sobre como o fato de resmungar pode acabar com seu bem-estar e daqueles que o cercam, atingindo diretamente o cérebro dos indivíduos.

Ele explica que a cada pensamento que temos, nosso cérebro é remodelado, alterando a construção física da realidade. Isto porque a ponte que se forma entre as células nervosas (os neurônios) acaba se estreitando ainda mais para a produção daquele pensamento.

“Ao longo de seu cérebro há uma coleção de sinapses separadas por um espaço vazio chamado de fenda sináptica. Sempre que você tem um pensamento, uma sinapse dispara um produto químico através da fenda para outra sinapse, construindo assim uma ponte sobre a qual um sinal elétrico pode atravessar, levando consigo a informação relevante que você está pensando”, detalha.

Sinapses

“Toda vez que essa carga elétrica é acionada, as sinapses diminuem a distância que a carga elétrica tem que atravessar. Portanto, o cérebro é religado em seu próprio circuito, e se altera fisicamente para tornar mais fácil a realização das sinapses adequadas – e isto faz com que o pensamento, em essência, seja mais facilmente disparado”.

Aliado a essa capacidade cerebral, está o fato de que as sinapses que você tem mais fortalecidas definem sua personalidade. No fim das contas: aquele pensamento que se repete mais dentro da sua cabeça reforça as pontes dentro da rede dos seus neurônios.

“Através da repetição do pensamento, você aproxima cada vez mais o par de sinapses que representa suas inclinações, e quando surgir o momento oportuno para que você possa formar um pensamento, o pensamento que ganha é aquele que tem menos distância para viajar”.

Isto quer dizer que, quanto mais você reclamar, mais reforçará o jeito “reclamão” de seu cérebro.

Aceitação x desgosto

Steven aponta outro fator que faz com que os resmungos, por vezes, destruam nosso cérebro: a dualidade entre a aceitação e o desgosto, o amor e o medo, o otimismo e o pessimismo. Em uma experiência pessoal, o autor resolveu seguir, frente a situações boas e ruins, o preceito de “agradecer pela experiência e pela lição”.

“Mas, como qualquer músculo, se você exercer essas sinapses ‘amorosas’, você vai encontrar uma nova força inata que fará o mundo brilhar com muito mais frequência. Você também vai se perceber muito mais feliz por causa de seu bem-estar”.

Ouvir reclamação dos outros

Quando você ouve muito blá-blá-blá negativo, seu cérebro se relaciona com a outra pessoa em virtude dos “neurônios-espelho”.

Nesta experiência, a empatia com o outro faz com que tentemos sentir a emoção que ele está sentindo – e aí, você literalmente, “troca energias negativas” com seu interlocutor.

O que fazer para evitar negatividade

A coach de alta performance e produtividade Patricia Marinho nos deu 8 dicas comportamentais para escapar de gente “pra baixo”. Se você é uma pessoa assim, a especialista também orienta a melhor maneira de mudar sua forma de ver as experiências na vida:

1- “Somos o resultado das cinco pessoas que mais nos relacionamos”

“Se você está do lado de pessoas que só reclamam, em breve pode se tornar assim também”, comenta Patricia.

2 - A palavra tem muito poder

“Se você está no meio de uma crise e diz que vai ser assim até o final do ano, será”, comenta a especialista. “Leve otimismo para a conversa: ‘existe uma crise, sim. Mas o que vamos fazer para mudar?”.

3- Esteja ao lado de pessoas que são altruístas e otimistas

“Uma âncora é apenas 10% do peso do navio e, mesmo assim, o prende. Não deixe que ninguém seja uma âncora”.

4- Reclamar é um hábito e, por isso, pode ser mudado

“Nosso cérebro demora 21 dias para entender que criamos um hábito. Depois, vira rotina”. 

Por isso, evite manter atitudes negativas, como respostas ríspidas e mau-humor.

5- Tente mudar o assunto sempre que quem reclama entrar em ação

“Você dá um bom-dia, e a pessoa responde ‘bom dia por quê?’; peça para ela respirar fundo e diga que o fato de ela estar viva já é motivo para um bom dia”.

6- Se alguém reclamar do seu lado, não faça coro à crítica

“Ela fala mal de alguém e você fala bem. Um dia essa pessoa mudará o comportamento”, pondera a coach.

7- Mude de assunto sempre que se sentir arrastado pelas energias negativas do interlocutor

Se a pessoa reclama de alguma coisa, pergunte algo como “você já viu como o céu está aberto hoje?”, para forçá-la a mudar de assunto.

8- Não tente chamar atenção da pessoa

Frases do tipo “você só reclama” ou “você fala tão mal” não funcionam, segundo a coach.
“Quando alguém fizer uma crítica, fale uma coisa positiva”.

Dica de ouro: a regra da água

A coach sugere um hábito às pessoas que têm o costume de reclamar sempre.

“Ande com uma garrafinha de água e toda vez que pensar em falar mal de alguma coisa, beba a água e segure o líquido na boca”, explica.

“É uma dica que traz benefício à saúde do corpo e da mente”.





Fonte secundária: 
Colaboração: Vera Lucia Sabo 
Veja mais Artigos Aqui

x

Pesquise no Site por Assunto

AS 10 MAIS DO MÊS