Menu 2

.

10 de jun de 2018

Centro emocional superior

Como acessar o centro emocional superior.
Por Ali Onaissi

É necessário que nunca nos deixemos levar por emoções negativas, do ponto de vista psicológico. Os estudantes querem poder visitar ou entrar nas regiões sefiróticas do espaço. Uma coisa é captar um sefirote e outra coisa é penetrar nele. Obviamente, os sefirotes são atômicos e nós somos gnósticos e temos de penetrar na Árvore da Vida.



Devemos saber que há distintas regiões sefiróticas no espaço, penetrar nelas é maravilho. Como poderíamos entrar na região cabalística de Hod se não temos um corpo psicológico? Existem desdobramentos psicológicos. Os diversos agregados psicológicos podem integrar-se em um dado instante para penetrar no sefirote Hod, porém, seria uma entrada muito subjetiva, não teria a objetividade de quando se criou um segundo corpo.
Criar um corpo para essas emoções. A que classe de emoções me refiro? São as emoções superiores. As emoções inferiores são obstáculos para a experiência do real e para o crescimento anímico do Ser. Se quisermos criar um segundo corpo para entrar na região sefirótica de Hod, é óbvio que não devemos gastar nossas energias estupidamente, deixando-nos levar pelas emoções negativas, sejam de violência, ódio, ciúmes, ou orgulho, sejam de qual classe for.
Se gastarmos as energias em emoções inferiores, com que energia vamos criar o corpo psicológico? De que maneira, se as estamos gastando? Para criar o corpo psicológico é necessário economizar as energias.
Para explorar depois essas regiões de Hod (foi-nos dito que essas imensas regiões estão governadas por seres inefáveis, por seres solares, os Beni-Elohim, os Filhos de Deus que moram em tão vastas e profundas regiões), somente o que economiza energia pode penetrar nas profundezas de Hod. Nos mistério da vida e da morte não seria possível penetrar ou ter acesso sem a cabalista Hod. Isso é óbvio.
Comecemos por economizar energias. Quando uma emoção negativa nos sacode, bem vale a pena que conheçamos que tipo de agregado psicológico a produziu e, depois de havê-lo observado em ação, submetê-lo à técnica de meditação para desintegrar tal agregado. Do contrário, como faríamos?

Conectar-se com Deus ou ser mentiroso

O mais grave é que as emoções negativas tornam mentiroso o ser humano. A mentira produz uma conexão equivocada, porque a energia do Ancião dos Dias flui harmoniosa e perfeita através dos dez sefirotes da cabala hebraica até chegar a Malchut, o Reino, à pessoa física, ou psicofísica. O mentiroso conecta-se mal, produz uma deslocação intencional de sua mente, e como consequência surge a mentira; uma conexão equivocada…
Pode-se ser mentiroso por uma emoção negativa, que nos torna caluniadores e mentirosos, ou pode-se ser mentiroso conscientemente e à vontade. Em todo caso, é uma conexão negativa da mente com os Centros Superiores do Ser, produz-se um deslocamento da mente com relação aos Centros Superiores do Ser.
De todos os Centros que temos em nosso organismo, não há dúvida de que o mais difícil de controlar é o Centro Emocional. O Centro Intelectual, ainda que custe muito trabalho, ao final de certas disciplinas podemos controlá-lo mais ou menos.
O Centro Motor, que produz os movimentos e está situado na parte superior da espinha dorsal, também é controlável. Uma pessoa pode controlar os movimentos de seu corpo caminhando, levantando ou não um braço se assim o quiser, enrugar a testa ou não enrugar etc. Assim, toda a atividade do Centro Motor está sob o controle da vontade.
Mas o Centro Emocional é terrível. Essa questão das emoções negativas, do sentimento e do sentimentalismo, é muito difícil de se controlar. Na Índia, por exemplo, comparam o Centro Emocional a um elefante, um elefante louco. Que fazem para controlá-lo? Colocam-no lado a lado com dois elefantes sãos, obedientes, e os amarram para não irem embora. Por fim, os dois elefantes cordatos ensinam o louco a ser obediente, e este se torna então um elefante cordato. É um sistema que os indianos usam muito bem.
O Centro Emocional é um elefante, o Motor e o Intelectual também o são. Estes dois elefantes, o Intelectual e o Motor, podem controlar o elefante louco das emoções. Se num momento estamos para explodir de desespero ou de angústia, se nos identificamos com uma emoção negativa, estamos mal.
Que devemos fazer? Deitar-nos na cama, relaxar e pôr a mente em branco. Ao relaxarmos, estamos atuando com o Centro Motor, visto que relaxamos todo o corpo, afrouxamos os músculos e aliviamos a tensão no organismo.
Ao pôr a mente em branco, isto é, ao levar a mente à quietude e ao silêncio, o que acontece? Ao Centro emocional não resta outro remédio senão se acalmar um pouco, ir serenando. Por fim o Centro Intelectual e o Motor vêm a dominar o Emocional. São dois elefantes obedientes que terminam dominando o elefante louco.
Também é possível se controlar as emoções inferiores mediante as emoções superiores. Há muitos tipos de emoções inferiores, vocês o sabem. Se morre um de nossos familiares, gritamos, choramos, ficamos desesperados… Por quê? Porque não queremos cooperar com o inevitável. Isso é o pior.
Qualquer pessoa na vida deve aprender a cooperar com o inevitável. Se morre um ser querido, não nos conformamos e gritamos cheios de angústia, não aceitamos. Vemos seu corpo dentro do féretro e, no entanto, não nos parece que esteja morto, não o cremos, para nós não é possível que esse ser tenha morrido e nos entregamos à angústia e à desolação. Isso é terrível. Como poderíamos dominar esse estado?
De duas maneira: poderíamos apelar ao par de elefantes: os Centros Motor e Intelectual. Relaxar o corpo e pôr a mente em silêncio seria um sistema. O outro seria apelar para uma emoção diferente, uma emoção superior. Talvez nos faça muito bem nesses momentos escutar alguma sinfonia de Beethoven ou A Flauta Mágica de Mozart.
Podemos ainda submergir, cheios de emoção, numa meditação profunda, refletindo sobre os mistérios da vida e da morte. Portanto, através de uma emoção superior, controlamos as emoções inferiores e anulamos a dor que nos causa a morte de um ser querido.
O Centro Emocional é muito interessante, mas temos de dominar as emoções inferiores, controlar e submetê-las, e isso é possível de acordo com nossa didática. As emoções inferiores causam muito prejuízo.
Emoções inferiores como as das touradas, emoções inferiores como as do cinema, emoções inferiores como as das orgias e das grandes jogatinas, emoções inferiores como as de quem ganha na loteria, como as de quem se emociona com as notícias dos jornais sobre uma guerra ou sobre tantas coisas que há no mundo, emoções inferiores como as de quem bebe aguardente, emoções inferiores como as que as pessoas desenvolvem em todas as suas bestialidades, não servem senão para fortificar os agregados psíquicos inumanos que carregamos em nosso interior para criar outros novos.
Precisamos eliminar as emoções inferiores através das emoções superiores, e isso é possível. Precisamos aprender a viver uma vida edificante e essencialmente dignificante, isso é fundamental. Do contrário, progresso algum será possível.
Como? De que maneira? Precisamos ser mais sinceros conosco a fim de desenvolver o Centro Emocional Superior e nos libertarmos das emoções meramente negativas e superficiais.

Verdadeira Amizade – O que é isso?

Há pessoas que são gentis conosco, decentes. Há pessoas que brindam os outros com sua amizade. Mas esse é o procedimento público ou exotérico, diríamos, porém não é tudo. Sabemos que temos uma psicologia interior, não basta se comportar decentemente diante de outras pessoas, não basta apenas a fragrância da amizade do ponto de vista externo.
Qual é o comportamento que se tem internamente para com as outras pessoas? Normalmente, quem oferece amizade às outras pessoas tem duas facetas: a de dentro e a de fora. A de fora é a magnífica, mas a de dentro, quem a conhece?
Estamos seguros de que não criticamos o amigo a quem temos dedicado tanta estima? Estamos seguros de que não sentimos alguma antipatia por alguma de suas facetas?
Estamos seguros de que não estamos atraindo para a caverna secreta que temos na mente, para torturá-lo, para fazer escárnio dele enquanto lhe sorrimos docemente?
Quantos estimam alguém, mas não deixam de criticá-lo em seu interior, ainda que não exteriorizem suas críticas? Fazem escárnio de seus melhores amigos, ainda que sorriam docemente em sua presença. Realmente, devemos ser mais completos, mais íntegros.
Tratemos de, por um momento, pôr os dois relógios, o de fora e o de dentro, o exterior e o psicológico, em igualdade de marcha, para que andem em perfeita harmonia um com o outro.
De nada serve que estejamos nos comportando bem com nossas amizades, que estejamos oferecendo a elas nosso carinho, se por dentro zombamos delas, se por dentro as estamos criticando, se interiormente as estamos torturando…
O melhor é que os dois relógios, o exterior e o interior, caminhem uníssonos de segundo a segundo, de instante em instante. Devemos ser mais íntegros, mais completos, abandonar a crítica mordaz com a psicologia interna, às pessoas que estimamos.
Como é possível essa contradição, que estimemos a uma pessoa e por dentro a estejamos criticando? Estamos até falando bem dessa pessoa a quem estimamos, mas por dentro a estamos devorando viva. Ora, vocês sabem muito bem que dentro de cada um de nós vive muita gente, vivem todos os eus.
Quando alguém pega um desses eus e o estuda com o sentido da auto-observação psicológica, pode evidenciar que ele possui os Centros Intelectual, Emocional e Motor-Instintivo-Sexual, isto é, que tem os três cérebros.
Todo eu tem mente engarrafada, tem vontade engarrafada, é uma pessoa completa. Assim é que dentro de nós existem muitas pessoas, dentro de cada pessoa vivem muitas pessoas, ou seja, os agregados psíquicos. Assim, qualquer amizade que tenhamos merece ser devidamente tratada.
Por exemplo, vocês têm um amigo. Há coisas desse amigo que lhes agradam e há coisas dele que os desagradam. Isto é, vocês são amigos de algum Eu de seu amigo ou de alguns Eus, mas há outros Eus de que vocês não gostam, que lhe causam antipatia.
Precisamos ter em conta que dentro de cada pessoa se manifestam muitas outras pessoas. Vocês são amigos de determinados agregados de tal ou qual amigo, de tal ou qual pessoa, porém, não são amigos de todos os agregados desse seu amigo em questão.
Por isso, dizem: “Há coisas em tal sujeito que me agradam e há coisas que não tolero. Ele tem coisas boas e tem coisas más!” Esta é a maneira que usamos para falar. Tudo depende do agregado que em dado momento esteja falando. Logo, a amizade que sentimos por outra pessoa não é completa. Só sentimos amizade por uns quantos agregados dessa pessoa.
Não sentimos carinho por todos os agregados dela. Poder ser que a pessoa física e psicológica que estimamos tenha agregados psíquicos que não estimamos. Em certas horas, essa pessoa nos desagrada justamente porque nela estão se expressando agregados pelos quais não temos amizade alguma. Esta é a crua realidade dos fatos.
Se tivéssemos um eu permanente, diríamos: sou amigo de fulano de forma total, completa, não encontraríamos nele nem um mas nem um porém de espécie alguma. Acontece que não há um eu permanente e sim muitos eus, e então, qual desse agregados ou quais desses eus do sujeito é que estimamos? Não será a todos. Por causa disso, precisamos ser compreensivos na questão do relacionamento.
Por que brigam os amigos? Simplesmente porque de repente intervém dentro da personalidade de um deles um agregado que não é amigo e surge a discórdia. Mas se esse agregado se retira e intervém outro que seja amigo do amigo, ah… fazem as pazes.
Quão fátuas e passageiras são as amizades! Não são completas, e não o são porque não são compreensivas, não entendem isso da pluralidade do Eu. Se entendessem isso, seriam completas, saberiam desculpar os defeitos do amigo e não brigariam com ele. Falta-nos este conhecimento para que não briguemos com nosso amigos. Precisamos nos tornar mais conscientes disso. Assim, melhoramos o relacionamento, a convivência.
Há simpatias e antipatias que poderíamos chamar de mecânicas. Nem uma nem outra servem porque são mecânicas… Às vezes, dizemos que alguém não é simpático. Mas o que e isso que nos desagrada nele? Um agregado psíquico que possivelmente não é o nosso amigo, isso é tudo.
Não devemos tratar de criar simpatia à força por alguém com quem antipatizamos e sim, antes de tudo, descobrir qual é a causa da antipatia. Quando descobrimos, à base de reflexões, que essa antipatia é mecânica, ela desaparece e, por este motivo, sobra a simpatia.
Como poderíamos ou que base poderia nos servir para chegar à conclusão de que uma simpatia é mecânica? Respondo simplesmente: compreendendo a pluralidade do eu, já que é indubitável que dentro de uma pessoa vivem muitas pessoas.
Há vezes em que em determinado sujeito expressam-se alguns agregados que não nos agradam, e isto é mecânico. Reflitamos no fato de que dentro dessa pessoa a quem temos antipatia também há agregados que podem simpatizar conosco, que podem nos ser prestativos e amigos…
Que nem todos os agregados que se manifestam em tal sujeito são desagraváveis a nós. Pode ser que se manifeste no determinado fulano que não nos agrada algum agregado que nos agrade.
Se refletirmos nisso, compreenderemos que, do ponto de vista da pluralidade do Eu, desaparece a antipatia mecânica, que é bastante prejudicial, pois desenvolve cada vez mais os elementos psíquicos inumanos que estão relacionados com o Centro Emocional negativo.
Quanto mais formos eliminando os agregados psíquicos do centro Emocional, mais e mais irá se desenvolvendo em nós o Centro Emocional Superior. Acrescento que o Centro Emocional Superior é grandioso, muito mais poderoso que o intelecto.
Com o Centro Emocional Superior poderemos compreender a natureza do Fogo. Os livros sagrados foram escritos com carvão em brasa, isto é, com Fogo. A linguagem da Bíblia, por exemplo, a linguagem das parábolas bíblicas, é a linguagem do Centro Emocional Superior.
As experiências místicas e incorpóreas tomam, obviamente, a forma de parábolas e somente podem ser entendidas pelo Centro Emocional Superior. Os mistérios da vida e da morte são perfeitamente cognoscíveis através do Centro Emocional Superior.
Já lhes disse que a Mônada é o que há de mais importante em nós e que, quanto mais formos eliminando os elementos os psíquicos inferiores, mais e mais irão recebendo as radiações da Mônada. Ela é Atman-Budhi, e Atman é o Inefável. É ele quem recebe a força que vem do Demiurgo Criador.
O Demiurgo, por sua vez, recebe de Adi-Budha, a Seidade Incognoscível. Atman, como desdobramento do Divino Arquiteto do Universo, é inefável, é o que se poderia chamar Paramatman ou Shivatatwa.

Budhi, Eros e Anteros

Budhi, apesar de ser também espiritual, resulta mais corpóreo, mais concreto que Atman. Budhi-Eros, como princípio ígneo, obviamente vai se tornando cada vez mais evidente para nós, suas radiações nos vão chegando cada vez mais fundo à medida que formos dissolvendo as emoções negativas do Centro Emocional e conforme o Centro Emocional Superior for se desenvolvendo. Atman-Budhi é a Mônada, é a realidade dentro de nós, aquilo que conta, o Real Ser em nós.
Temos de lutar muito, eliminando emoções negativas, para irmos nos aproximando cada vez mais da Mônada, e esta nos ajuda, porque justamente do Budhi emana Eros, que é a força sexual extraordinária com a qual podemos desintegrar os agregados psíquicos na Forja dos Ciclopes. Que seria de nós sem Eros?
A Eros opõe-se Anteros, a personificação das potências do mal, as quais não estão fora e sim dentro de nós, aqui e agora. São todos esses agregados do Centro Emocional inferior, isto é, Anteros. Conforme formos eliminando as emoções negativas e desenvolvendo o Centro Emocional Superior, iremos penetrando cada vez mais na essência do Fogo, iremos nos aproximando cada vez mais de nossa Mônada interna, a qual sempre nos sorriu.
Não se esqueçam de que o Centro Emocional em princípio é puro, radiante. São as emoções inferiores situadas nas partes e nos pontos inferiores do Centro Emocional que constituem o Emocional inferior. Por isso, se eliminarmos as emoções inferiores tudo fica perfeito. O Centro Emocional Superior é como uma deliciosa flor de lótus.
Em todo caso, Atman é o raio que nos liga ao Logos e ao Adi-Budha, a força do Adi-Budha e do Logos Interior chega a Atman e fica contida em Budhi, porém, a aproximação a Budhi é impossível enquanto se tenham emoções negativas. Em outros termos, a aproximação a Mônada torna-se difícil se continuamos com emoções inferiores.

Arte Superior e Emoções Superiores

Não devemos aceitar emoções inferiores dentro de nós; devemos cultivar as emoções superiores. Quanto à música, devemos escutar Beethoven, Mozart, Liszt, Tchaikovski etc. Devemos aprender a pintar, porém, que os quadros que pintemos não sejam infra-humanos. Devemos vertes neles nossos sentimentos mais nobres. Tudo o que fizermos deverá ser dignificante e essencialmente edificante.

Quanta gente não se enche de êxtase ao contemplar as colunas coríntias dos tempos antigos, feitas com os mármores de Roma e Atenas, ou as magníficas esculturas de uma Ísis morena na terra dos Faraós, de um Apolo, de uma Vênus de Milo, de uma casta Diana etc.
Quanta gente não se enche de êxtase, vibra com emoção superior ao escutar, por exemplo, a lira dos tempos antigos, ao entregar-se à meditação profunda no seio da Natureza, ao passear pelas ruínas da antiga Roma, ao caminhar pelas margens do rio Ganges ou cair de joelhos diante do guru nas neves perpétuas dos Himalaias, então aí vibra a emoção superior.
Nos antigos tempos, na Lemúria, nas épocas em que os rios de água pura vertiam leite e mel, quando a lira de Orfeu não tinha ainda caído no pavimento do templo fazendo-se em pedaços, o Centro Emocional Superior vibrava intensamente em cada ser humano.
Essa foi a época dos Titãs, a época em que os seres humanos que povoavam a superfície da Terra podiam ver a aura dos mundos e perceber mais que a metade de um holtapamnas (tonalidades de cor).
Bem sabemos que um holtapamnas tem mais de 5 milhões de tonalidades. Porém, quando o Centro Emocional inferior se desenvolveu com as paixões violentas, com a luxúria, com o ódio, com as cruéis guerras entre irmãos, aquele sentido se atrofiou e a humanidade ficou presa neste mundo tridimensional de Euclides.
Chegou a hora de entender que só mediante o Centro Emocional Superior é possível penetrarmos mais profundamente em nós mesmos. Se procedermos com retidão, se aprendermos a viver, se aprendermos a nos relacionar com nossos semelhantes de uma bela maneira, então nos aproximaremos mais e mais da Mônada Sagrada, e diferentes cintilações de Consciência Cósmica irão nos surpreendendo, irão se fazendo cada vez mais contínuas. Por fim, teremos todos, na realidade e de verdade, a Consciência desperta, a Consciência Superlativa do Ser, Budhi.
Nesse dia, seremos felizes, nessa deliciosa manhã as vibrações de Budhi nos saturarão totalmente e saberemos viver de verdade em estado consciente e perfeito.
Aqui termino esta exposição.
(Samael Aun Weor)
************

DEVER PARLOCK – Nosso dever cósmico

Se cumpríssemos com nosso dever cósmico nos converteríamos em Homens verdadeiros. Qual é o nosso dever cósmico, ou Dever Parlock do Ser? Vou dizer a vocês qual é:
1º – Não permitir que os conceitos intelectuais passem por nossa mente de forma mecânica. Em outras palavras, fazer-nos conscientes de todos os dados intelectivos que venham à mente. Como fazer-nos conscientes desses dados? Por meio da meditação. Se lermos um livro, devemos meditar nele, tratar de compreendê-lo.
2º – Devemos fazer-nos conscientes de todas as atividades do Centro Emocional. É lamentável ver como as pessoas se movem sob o impulso de todas as emoções, de forma completamente mecânica, sem controle algum. Devemos fazer-nos conscientes de todas as nossas emoções.
3º – Hábitos e costumes do Centro Motor. Devemos fazer-nos autoconscientes de todas as nossas atividades, de todos os nossos movimentos e de todos os nossos hábitos, e não fazer nada de forma mecânica.
4º – Devemos ser donos de nossos próprios instintos e submetê-los. Devemos compreendê-los a fundo e integralmente.
5º – Transmutar a energia sexual. Mediante certos procedimentos alquimistas, transmutaremos nossas energias criadores.
Assim, cumprindo com nosso dever, é óbvio que nossa vida se desenvolverá harmoniosamente, e se formarão em nós os CORPOS EXISTENCIAIS SUPERIORES DO SER. Então, em harmonia com o Infinito e em sintonia com a Grande Lei, poderemos chegar à velhice cheios de êxtase e alcançar a Maestria e a Perfeição.
(Samael Aun Weor, Os Planetas Metálicos da Alquimia)

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Participe deixe seu comentário:

AS 10 MAIS DO MÊS

...

PESQUISE POR ASSUNTO