Menu 2

.

8 de ago de 2018

Blu-Ray


Blu-ray, também conhecido como BD (de Blu-ray Disc) é um formato de disco óptico da nova geração de 12 cm de diâmetro (igual ao CD e ao DVD) para vídeo de alta definiçãoe armazenamento de dados de alta densidade. É o sucessor do DVD e capaz de armazenar filmes até 1080p Full HD de até 4 horas sem perdas. Requer obviamente uma TV de alta definição (Plasma ou LCD) para exibir todo seu potencial e justificar a troca do DVD. Sua capacidade varia de 25 (camada simples) a 50 (camada dupla) Gigabytes. O disco Blu-Ray faz uso de um laser de cor azul-violeta, cujo comprimento de onda é 405 nanometros, permitindo gravar mais informação num disco do mesmo tamanho usado por tecnologias anteriores (o DVD usa um laser de cor vermelha de 650 nanometros). Blu-ray obteve o seu nome a partir da cor azul do ...

raio laser ("blue ray" em inglês significa "raio azul"). A letra "e" da palavra original "blue" foi eliminada porque, em alguns países, não se pode registrar, para um nome comercial, uma palavra comum. Este raio azul mostra um comprimento de onda curta de 405 nm e conjuntamente com outras técnicas, permite armazenar substancialmente mais dados que um DVD ou um CD. A Blu-ray Disc Association (BDA) é responsável pelos padrões e o desenvolvimento do disco Blu-ray e foi criado pela Sony e Panasonic. Disputou uma guerra de formatos com o HD-DVD e em 2008 venceu com o apoio exclusivo da Warner Bros., MGM, Fox e Columbia Pictures.
História
Em 1998, comerciais da HDTV começaram a aparecer no mercado consumidor; no entanto, não havia então uma maneira barata para gravar ou reproduzir conteúdo em alta definição (high definition - HD). Na verdade, não havia qualquer meio de armazenagem de HD Codecs, com exceção da JVC Digital VHS e da Sony HDCAM. Não obstante, era bem conhecido que utilizando lasers com comprimento de onda mais curto permitiria um armazenamento ótico com maior densidade. Quando Shuji Nakamura inventou prático laser de diodos azul, foi uma sensação, apesar de que uma longa ação atrasou a introdução comercial do produto.

Tecnologia
O tamanho do "ponto" mínimo no qual um laser pode gravar está limitado pela difracção, e depende do comprimento de onda de luz do laser e da largura da lente utilizada para gravar. No caso do laser azul-violeta utilizado nos discos Blu-ray, o comprimento de onda é menor que nas tecnologias anteriores, aumentando portanto o aproveitamento do espaço físico no Blu-ray (0.85, comparado com 0.6 para DVD). Com ele, e graças a um sistema de lentes duplas e a uma camada protetora mais larga, o raio laser pode direcionar-se de forma muito mais precisa na superfície do disco. Os pontos de informação legíveis no disco são muito menores e, portanto, o mesmo espaço pode conter muito mais informação. Por último, mesmo com as melhorias na tecnologia, os discos Blu-ray incorporam um sistema melhorado de codificação de dados que permite guardar ainda mais informação.
Outra característica importante dos discos Blu-ray é sua resistência aos arranhões e impressões digitais devido à sua morfologia. Os discos têm uma capa de substrato, cujo nome comercial é Durabis, que é composta por uma camada de substrato de 1,1 mm para um lado e 1 mm para o outro para permitir a criação de mais ficheiros de dados e o uso de um só lado. Inicialmente, pensou-se em criá-los como cartuchos, semelhantes a disquetes de computador, mas a TDK descobriu um substrato que permite evitar os arranhões e facilitar a leitura (mesmo que agora eles sejam bem menos comuns) quando sujos de gordura. Esta nova característica será muito apreciada pelos utilizadores, porque dificulta o surgimento de defeitos como nos CD e DVD arranhados sendo, por isso, uma qualidade adicional quando comparado com o formato concorrente, HD DVD.
Guerra dos formatos
Blu-ray e HD DVD concorreram pela sucessão do DVD. No entanto em 19 de Fevereiro de 2008, a Toshiba comunicou a decisão de não continuar com o desenvolvimento, fabricação e comercialização do HD DVD. Segundo Atsutoshi Nishida, presidente da Toshiba, a decisão da Warner Bros em usar exclusivamente o Blu-ray foi preponderante para a tomada dessa decisão. [2] Outro fator que influenciou a vitória foi o video game PlayStation 3 que o foi Blu-ray player mais barato do mercado e vendia mais que todos os outros players de HD-DVD. A Microsoft também é apontada como responsável, pois por ser a única força financeira com condições de fazer frente ao consórcio Blu-ray não embutiu o HD-DVD como formato padrão no Xbox 360, priorizando a distribuição digital. O Blu-ray ganhou assim a guerra contra o HD DVD e é o novo sucessor do DVD. Em 2008, todos os grandes estúdios migraram para o Blu-Ray, incluindo o ex-exclusivos do HD-DVD como Universal e Paramount.
Há atualmente um debate se o Blu-ray irá conter a distribuição digital como futuro do formato de entretenimento. O grande diferencial do disco é não precisar de banda larga e discos rígidos de alta capacidade de armazenamento, além dos consumidores estarem habituados a discos CD e DVD. E também já há estudos para um formato sucessor como o HVD que permitirá ainda mais armazenamento possibilitando mais de 100 horas de alta definição ou 3 Terabytes de capacidade por disco.
A China propos um formato, CH-DVD em março de 2008 para não pagar royalities a Sony, mas já é ignorada pela industria de entretenimento por o país ser um grande polo mundial de pirataria.
Capacidade de Armazenagem e velocidade
Os discos BD vem em diferentes formatos de disco. ->BD-ROM: Um disco que é só de leitura. ->BD-R: Disco gravável. ->BD-RE: Disco regravável.
Um disco (kh) de camada única (Single Layer em inglês) Blu-Ray pode conter cerca de 25 GB de dados ou cerca de 6 horas de vídeo de alta definição mais áudio, e, no modo de dupla camada (Double Layer), este espaço é duplicado, podendo conter, aproximadamente, 50 GB. Suporta os formatos de compressão MPEG-2, MPEG-4 e VC-1. A velocidade de transferência de dados é de 36 Mbit/s (54 Mbps para BD-ROM), mas protótipos a 2x de velocidade com 72 Mbit por segundo de velocidade de transferência estão em desenvolvimento. O BD-RE (formato regravável) padrão já está disponível, assim como os formatos BD-R (gravável) e o BD-ROM, como parte da versão 2.0 das especificações do Blu-ray. Em 19 de Maio de 2005, TDK anunciou um protótipo de disco Blu-ray de quatro camadas (100 GB). Outros discos Blu-ray com capacidades de 200 GB (oito camadas) estão também em desenvolvimento.
Recentemente a TDK anunciou ter criado um disco Blu-ray experimental capaz de armazenar até 200 GB de informação em um único lado (3 camadas de 33.3 GB)[
Apoio das empresas
Os estúdios de cinema e distribuidores apoiaram inicialmente, em grande escala, o formato rival HD DVD, foram migrando aos poucos para o Blu-Ray e em 2008 a Toshiba encerrou a produção de HD DVD.

blue1Como esperado, as subsidiárias da Sony, Sony Pictures Entertainment e Metro-Goldwyn-Mayer, anunciaram seu apoio ao formato. Em 3 de outubro de 2004, a 20th Century Fox anunciou que iria juntar-se à BDA, e em 29 de julho de 2005 o estúdio anunciou oficialmente seu apoio ao formato. Em 8 de dezembro de 2004, a Walt Disney Company (e sua divisão de home video, Buena Vista Home Entertainment) anunciou seu apoio não-exclusivo ao Blu-ray. Em 7 de janeiro de 2005, a Vivendi Universal Games (VU Games) e a Electronic Arts anunciaram seu apoio ao formato. Em 10 de março de 2005, a Apple Computer anunciou seu apoio ao formato e juntou-se à BDA. Em 17 de agosto de 2005, a Lions Gate Home Entertainment anunciou que iria lançar seus produtos utilizando o formato Blu-ray. Em 7 de setembro de 2005, a Samsung confirmou que sua próxima geração de leitores ópticos suportaria tanto Blu-ray quanto HD DVD. Em 2 de outubro de 2005, a Paramount anunciou que iria apoiar o Blu-ray, mas ainda ofereceria produtos no formato HD DVD para dar uma escolha aos seus clientes. Em 20 de outubro de 2005, a Warner Bros. anunciou que iria lançar títulos no formato Blu-ray, além do HD DVD, deixando apenas a Universal Studios apoiando exclusivamente o HD DVD; os outros apoiam tanto ambos ou somente Blu-ray Disc. Em 9 de novembro de 2005, a Metro-Goldwyn-Mayer anunciou que apoiará o Blu-ray Disc e que planeja ter títulos a disposição quando o formato for lançado.
Em 19 de novembro de 2005, a Sony Pictures Home Entertainment anunciou que tinha terminado o processo de produção de um longa-metragem, Charlie's Angels: Full Throttle (As Panteras: Detonando), em um disco Blu-ray. O disco usa compressão MPEG-2 a uma resolução de 1920 × 1080 (1080i ou 1080p; não foi informado qual foi usado) e diz ter usado uma interface de menus que iria suceder as interfaces atuais do DVD-Video. Em 12 de janeiro de 2006, a Digital Playground, grande estúdio de filmes pornográficos, anunciou que iria lançar seu conteúdo no formato Blu-ray. Em 3 de abril de 2006, a Blueray, uma empresa italiana de produção de vídeo, anunciou que lançaria seus produtos no formato. Em 10 de abril de 2006, a TDK anunciou que começou a expedir mídia BD-R e BD-RE de 25 GB (a US$ 19,99 e US$ 24,99, respectivamente) e que iria lançar, mais tarde no ano, mídia BD-R e BD-RE de 50 GB (a US$ 47,99 e US$ 59,99, respectivamente). Em 20 de agosto de 2007, a Paramount e a Dreamworks anunciaram o apoio em exclusivo ao HD DVD em detrimento ao Blu-Ray. Em 4 de janeiro de 2008, a Warner Bros. anunciou o apoio em exclusivo ao Blu-Ray começando em 1 de junho de 2008. Em 19 de fevereiro de 2008, a Toshiba anunciou a parada na produção de aparelhos de HD-DVD, sendo esse um importante passo para o blu-ray
 Leia também - Fibra de Vidro
Blu-ray X HD-DVD

blue2Blu-Ray e HD-DVD são duas tecnologias de armazenamento óptico que brigam pela sucessão do DVD. Neste artigo você aprenderá tudo o que precisa saber sobre essas tecnologias, bem como as motivações que levaram à criação delas. Será mesmo que o DVD está com os dias contados? Com o advento da TV de alta definição (HDTV) a capacidade de armazenamento do DVD tornou-se insuficiente para este tipo de aplicação. A resolução máxima suportada por um DVD é de 720x480 pixels, enquanto que a TV de alta definição trabalha com resoluções mais altas como 1920x1080 pixels. Só para você ter uma idéia, duas horas de vídeo de alta definição com compactação de dados requer 22 GB de espaço em disco. Lembre-se que a capacidade máxima de armazenamento de um DVD é de 17 GB se um disco DVD-18 for usado (tenha em mente que este é um disco de dois lados e duas camadas por lado).
Portanto, o que fazer para permitir o armazenamento de mais dados de modo a suportar a gravação de conteúdo de alta definição? É aqui que entram duas tecnologias candidatas à sucessão do DVD: Blu-Ray e HD-DVD.
A tecnologia Blu-Ray foi desenvolvida em fevereiro de 2002 por um consórcio de empresas que incluem a Apple, Dell, Hitachi, HP, JVC, LG, Mitsubishi, Panasonic, Pioneer, Philips, Samsung, Sharp, Sony, TDK e Thomson com o intuito de ser a sucessora do DVD. Já a tecnologia HD-DVD foi criada pela Toshiba e recentemente recebeu o apoio da Microsoft, HP e Intel.
Os discos Blu-Ray e HD-DVD têm o mesmo tamanho físico dos discos de DVD (e CDs), 12 cm de diâmetro.
O ponto chave das tecnologias Blu-Ray e HD-DVD é a utilização de um laser azul-violeta usado para ler e gravar dados no disco. Este laser tem um comprimento de onda menor do que o laser vermelho usado pelos aparelhos de DVD, o que permite uma maior densidade de gravação.
Durante a gravação de um disco Blu-Ray ou HD-DVD um laser azul-violeta de alta potência é usado para queimar buracos na superfície do disco. Esses buracos são conhecidos como pits (sulcos) e as áreas na superfície do disco que não foram queimadas são conhecidas como lands (áreas lisas).
Na leitura do disco Blu-Ray ou HD-DVD um laser azul-violeta com intensidade menor incide sobre os sulcos e áreas lisas. Quando a luz incide sobre um sulco, ela é refletida com menor intensidade em relação à luz refletida por uma área lisa. Isto acontece porque a altura de um sulco corresponde a ¼ do comprimento de onda, e por essa razão a luz refletida chega no dispositivo fotodetector do leitor Blu-Ray ou HD-DVD defasada em meio comprimento de onda (¼ na ida + ¼ na volta = ½). É dessa forma que o leitor Blu-Ray ou HD-DVD diferencia um sulco de uma área lisa: a quantidade de luz refletida por uma área lisa é maior do que a refletida por um sulco.
A princípio você poderia pensar que cada ponto onde a luz é refletida com maior intensidade (área lisa) equivale a um bit 1, enquanto que em cada ponto onde a luz é refletida com menor intensidade (sulco) equivale a um bit 0. Acontece que o leitor Blu-Ray ou HD-DVD usa uma transição sulco/área lisa ou área lisa/sulco para representar um bit 1, e sua ausência para representar um bit 0.
Cada bit lido desta forma é chamado bit óptico. Estes ainda não representam diretamente um “0” ou um “1” de dados. É preciso que um processo conhecido como modulação seja usado para converter os bits ópticos em bits de dados. Na tecnologia HD-DVD é usado o esquema de modulação ETM (Eight to Twelve Modulation, ou em português Modulação de Doze para Oito), que converte cada grupo de oito bits (um byte) em 12 bits ópticos. Já a tecnologia Blu-Ray utiliza o esquema de modulação chamado 17PP que converte um número variável de bits ópticos em bits de dados com base em regras definidas pelo algoritmo de modulação.
As informações gravadas em um disco Blu-Ray ou HD-DVD (o mesmo acontece no CD e DVD), ou seja, seus pits (sulcos) e lands (áreas lisas), são organizados em uma trilha em forma de espiral que começa do centro do disco e se desenrola em direção à borda a sua borda. Quanto menor a distância entre as trilhas da espiral, mais dados podem ser armazenados no disco. Nos discos Blu-Ray a distância entre as trilhas da espiral é menor em relação aos discos HD-DVD, medindo 0,32 µm contra 0,40 µm nos discos HD-DVD. Em um disco Blu-Ray cada pit (ou sulco) mede 0,13 µm, enquanto que nos discos HD-DVD cada pit mede 0,20 µm.
Mas porque os discos HD-DVD utilizam pits maiores do que os discos Blu-Ray se o laser usado por eles têm o mesmo comprimento de onda? A resposta é distância da camada de gravação em relação à camada protetora. Nos discos Blu-Ray a camada de gravação está a apenas 0,1 mm da camada protetora (nos discos HD-DVD esta distância é de 0,6 mm, a mesma do DVD) o que permite uma maior densidade de gravação. Em contrapartida o disco precisa ser manuseado com mais cuidado, já que qualquer arranhão na superfície do disco pode atingir facilmente a camada de gravação e comprometer os dados armazenados. É por esse motivo que alguns discos Blu-Ray vêem acondicionados dentro de um cartucho, justamente para evitar danos físicos. Os discos HD-DVD não precisam desses cuidados, já que a camada de gravação não está tão próxima da camada protetora.

Como podemos ver, tecnologicamente falando Blu-Ray e HD-DVD são parecidos. A diferença principal entre essas duas tecnologias está na capacidade de armazenamento.
Um disco Blu-Ray de uma única camada permite a gravação de até 25 GB, enquanto que o mesmo disco na tecnologia HD-DVD permite a gravação de apenas 15 GB. Já um disco Blu-Ray de dupla camada permite a gravação de até 54 GB, enquanto que o mesmo disco na tecnologia HD-DVD permite apenas a gravação de 30 GB.
Na tabela abaixo resumimos as principais características técnicas dos discos Blu-Ray , HD-DVD e DVD


Características:
Capacidade –
BLU-RAY: 23,3 / 25 / 27 GB (única camada) 46,6 / 50 / 54 GB (dupla camada)
HD-DVD: 15 GB (única camada) 30 GB (dupla camada)
DVD: 4,7 GB (única camada) 8,5 GB (dupla camada)
Laser –
BLU-RAY: azul-violeta (o,40 um)
HD-DVD: azul-violeta (0,40 um)
Tamanho de um sulco –
BLU-RAY: 0,13 um
HD-DVD: 0,20 um
Distancia entre as trilhas –
BLU-RAY: 0,32 um
HD-DVD: 0,40 um
Distancia entre a camada de gravação e a camada protetora –
BLU-RAY: 0,1 mm
HD-DVD: 0,6 mm
Codecs suportados –
BLU-RAY: mpeg-2, mpeg-4, AVC, VC-1
HD-DVD: mpeg-2, mpeg-4, AVC, VC-1
DVD: mpeg-2
Comprimento de onda do raio laser –
BLU- RAY: 405 nm
HD-DVD: 400 nm
DVD: 650 nm
Resistencia a arranhões e gordura (tecnologia Durabis II)
BLU-RAY: SIM
HD-DVD: NÃO
DVD: NÃO
Na verdade, um disco Blu-Ray ou HD-DVD nada mais é do que um disco de DVD com capacidade de armazenamento mais elevada, permitindo a gravação de conteúdo de alta definição. É importante salientar que a principal motivação para a criação de um sucessor para o DVD foi o surgimento da TV de alta definição, que exige maior espaço de armazenamento em disco, coisa que o DVD não pode oferecer.
Blu-ray e HD-DVD: entenda as diferenças e veja se vale investir 02/03/2007
Após dois anos de especulações sobre o "novo" padrão de DVD, finalmente o consumidor brasileiro pode começar a pensar em investir em cinema caseiro de alta definição. As fabricantes anunciaram oficialmente os produtos voltados ao Blu-ray e HD-DVD, que são os formatos concorrentes que tendem a substituir o atual DVD em um futuro não muito distante, mas que ninguém ainda arrisca dizer quando.
A grande questão é se vale a pena comprar um aparelho novo. Nomenclaturas técnicas à parte, quais são as diferenças práticas entre um formato e outro? O ganho de qualidade é mesmo superior ao atual DVD? Vamos tentar entender um pouco. Afinal, falamos de um investimento médio de R$ 3.000, mais do que valem muitos computadores potentes de hoje.
De onde surgiu o nome de batismo desses dois formatos? Simples. O "HD" de HD-DVD significa apenas High Definition. E o Blu-ray (que no início era chamado de Blue-ray) é porque o feixe de laser para ler e gravar os dados tem coloração azul (blue). No DVD convencional, o laser é vermelho.
Formatos diferentes
A principal diferença entre os formatos é a capacidade de armazenamento, com vantagem para o Blu-ray, que armazena 25 GB em discos de uma camada (50 GB em duas camadas), contra 15 GB do HD-DVD de uma camada (30 GB em duas camadas). Por conta do maior espaço disponível, setores da indústria acreditam que o Blu-ray tenha preferência maior em aplicações de informática (software, games, backup) em contrapartida aos filmes.
As capacidades diferentes ocorrem por conta da diferença no método de gravação dos dados. Mas as diferenças técnicas entre os dois formatos quase não existem. O HD-DVD tem como empresa líder a Toshiba, com suporte da Microsoft, Sanyo, NEC e estúdios de Hollywood como New Line e Universal. O Blu-ray, da Sony, tem parcerias com Apple, Panasonic, Philips, Samsung, Sharp e outros estúdios de cinema.
No final das contas, toda essa briga entre Blu-ray e HD-DVD só interessa às fabricantes, e não ao consumidor. Ao adquirir um determinado produto, você poderá em breve se deparar com um aparelho obsoleto e sem suporte. É uma aposta.
Aos poucos, chegam ao mercado internacional aparelhos que reproduzem ambos os formatos, mas o preço ainda está além da realidade da maioria dos consumidores. Mesmo assim, fica a pergunta: qual o sentido de um aparelho para dois formatos se, talvez, um deles não sobreviva?
As fabricantes não se importam. Os primeiros notebooks com drives HD-DVD e Blu-ray já começaram a ser vendidos. No Brasil, Sony e Toshiba também iniciaram as vendas dos aparelhos —apesar de quase não haver títulos disponíveis no mercado local. O trunfo para o consumidor é a vantagem da alta definição. Mas será que é verdade? Confira a reportagem e descubra.
Alta Definição depende da mídia, mas também da TV 02/03/2007
Quem hoje compra um player HD-DVD ou Blu-ray pode chegar em casa e se deparar com imagens praticamente idênticas ao DVD atual. O resultado: decepção generalizada. Em determinadas situações, a tal da alta definição pode até distorcer um pouco a imagem e fazer você ter a impressão de que está diante de um produto inferior.
A explicação é simples. Blu-ray e HD-DVD são apenas meios físicos para armazenar o conteúdo em alta definição. Os aparelhos que reproduzem os discos são os responsáveis por decodificar a informação e mostrá-la. E onde as imagens são exibidas? Na televisão. Ou seja, uma imagem em alta definição exibida em uma televisão convencional, será sempre em baixa resolução para seus olhos. No caso, a "baixa" resolução significa a mesma qualidade que você estava acostumado antes.
Para ter uma idéia da sinuca de bico, basta lembrar que os DVDs atuais que você aluga na locadora da esquina têm, desde sempre, uma definição maior do que a maioria das pessoas pode ver na televisão de casa. O DVD atual só exibe sua total e melhor definição, de forma perceptível, em televisores melhores, como plasma e LCD de boa qualidade. Só que o mesmo não vale para os filmes em Blu-ray ou HD-DVD.
Por ter uma capacidade de definição ainda maior, os filmes em HD-DVD e Blu-ray exigem televisores ainda melhores. E a maioria dos aparelhos de plasma e LCD vendidos no mercado brasileiro não são preparados para alta definição, são apenas os chamados definição padrão (Standard), superiores aos modelos de tubo (CRT), mas longe da alta definição exigida pelos novos padrões de DVD. O problema é que, como sempre, as lojas quase nunca avisam ao consumidor que ele está torrando R$ 5.000 em um modelo de plasma que não é de alta definição. Aquelas imagens super coloridas e com super contraste que ficam à mostra iludem de verdade.

Logo, se você é fanático por filmes e quer mesmo o melhor que a tecnologia pode lhe oferecer, é preciso calcular o investimento não apenas no meio de armazenamento (Blu-ray ou HD-DVD), mas sobretudo no meio de projeção. E não esqueça do áudio, é claro. Afinal, assistir Matrix em alta definição com aquelas caixinhas de som pequenas também não vai ajudar muito.
Quase a totalidade dos modelos de plasma vendidos hoje no Brasil —principalmente esses em promoção, que tiveram preços reduzidos— não são preparados para alta definição e, ainda por cima, usam tecnologias antigas para reproduzir a imagem. Muita gente está trocando gato por lebre e não sabe. Uma saída é exibir os filmes HD-DVD e Blu-ray a partir de um projetor de alta qualidade que, a depender do modelo, pode ser mais barato e útil do que uma televisão LCD ou plasma de alta definição.

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Participe deixe seu comentário:

AS 10 MAIS DO MÊS

...

.

PESQUISE POR ASSUNTO