10 de mar de 2019

A Crônica de Akakor: outras culturas do mundo antigo

A Crônica de Akakor: correlações e referências com outras culturas do mundo antigo (a)
Posted by  on 09/03/2019
O mistério de uma antiga civilização subterrânea perdida da Amazônia que não existe “oficialmente” … que muitos exploradores MORRERAM tentando encontrar. Se a história da busca pela cidade perdida de Akakor e sua tribo Ugha Mongulala soa como o roteiro de ficção de um filme de Indiana Jones, é justamente porque ela foi usada como base para o quarto e último filme da série, “Indiana Jones and the Kingdom of the Crystal Skull” (O Reino da Caveira de Cristal). É uma história  envolta em muitos mistérios. Ela é contada em um polêmico livro, “A Crônica de Akakor”, que passamos a publicar em capítulos …


Edição e imagens:  Thoth3126@protonmail.ch
A CRÔNICA DE AKAKOR – Correlações e referências com outras culturas do mundo antigo (a)
Livro: “A CRÔNICA de AKAKOR” (Die Chronik von Akakor – 1978), por Karl Brugger, prefácio de Erich Von Daniken, tradução de Bertha Mendes.
Fonte:  https://www.bibliotecapleyades.net/arqueologia/akakor
As observações destacadas entre {  } são edições/acréscimos do tradutor.

Capítulos anteriores:

CRÔNICA DE AKAKOR – Explicações suplementares, correlações e referências com outras culturas
A ORIGEM DO HOMEM NAS AMÉRICAS {do homem latino-americano}
Tudo começou com Cristóvão Colombo. Quando o navegador italiano descobriu o “novo mundo” no final do século XV, ele estabeleceu contato com pessoas completamente desconhecidas até então pelos europeus. Como Colombo e seus companheiros procuravam um caminho para as índias Ocidentais, estavam convencidos de que os povos nativos nativos encontrados eram os índios. Embora o erro fosse corrigido logo depois, o nome foi preservado para designar todos os povos da raça vermelha {originária em Atlântida} das Américas. Nos últimos 500 anos, achados arqueológicos e pesquisas etnológicas levaram às teorias mais extravagantes sobre a origem do homem americano.
Gregorio Garcia, funcionário da Inquisição Espanhola, chegou a supor que os habitantes do Novo Mundo eram de origem bíblica. Acreditava-se que uma filha de Noé, Isabel, havia povoado às Américas desde o Peru, enquanto outro de seus filhos, Jobal, havia se estabelecido no Brasil. (Esta lenda sul-americana é obviamente uma versão da história de Noé.) No século XVII, García escreveu:
“Os nativos não reconhecem Jesus Cristo. Eles não são gratos pelo “bem que fazemos” por eles. Portanto, eles só podem ser infiéis “.
As explicações de alguns autores populares não são menos imaginativas. Estes relacionam a origem da população nativa da América com o lendário continente da Atlântida, que, segundo o filósofo grego Platão, foi submerso no ano 9.500 aC. {quando na realidade foi um pouco antes, em 10.986 a.C.} Os proponentes de várias ondas de migração do Egito, da Ásia Menor e da Europa pertencem ao mesmo grupo.
Walter Raleigh mudou o nome do Príncipe dos Incas, Manco Capác, para o do inglês Capác. Por sua parte, os seguidores do estudioso alemão Wegener acreditam na origem africana da população indígena americana. Numa época em que a África e a América estavam unidas, os índios teriam chegado à América do Sul a pé.
Há uma evidência histórica maior para a teoria do especialista alemão-boliviano Posnansky. Após vinte anos de pesquisa nas ruínas bolivianas de Tiahuanaco , chegou à conclusão de que os primeiros americanos se desenvolveram no continente independentemente dos povos europeus e asiáticos. Posteriormente, o pesquisador britânico, o coronel Percy Fawcett apoiou a teoria de Posnansky, considerando que Tiahuanaco era um dos numerosos assentamentos de um poderoso império florestal.
Atualmente, os “especialistas eruditos” estão divididos em duas escolas claramente distintas: aqueles que propõem uma migração da Ásia pelo Estreito de Bering, e aqueles que acreditam no desenvolvimento autônomo do homem americano. Ambos os grupos fizeram evidência científica inumeráveis, mas que, no entanto, não têm ajudado a esclarecer os dois problemas básicos:? Onde surgiram as primeiras nações americanas desenvolvidas, e qual foi o processo de desenvolvimento diferenciado da população nativa quando atingiu o seu apoteose cultural e política com os impérios asteca, maia e inca?
Essas questões dificilmente podem ser respondidas cientificamente, uma vez que não há elos essenciais na cadeia de evidências segundo o “modo de pensar” do “establishment” científico. O que foi estabelecido como verdade absoluta é que, em um período muito inicial, provavelmente mais de 10.000 anos atrás, várias tribos estavam distribuídas e governavam a América e que elas tinham que ter a mesma origem ou estavam em comunicação constante umas com as outras nos limites de cada império antigo. Sabemos disso a partir dos achados arqueológicos dos misteriosos sambaquis, os enterros fúnebres dos índios da América do Norte e da América do Sul.
Evidências adicionais podem ser fornecidas pelos antigos ritos funerários dos Incas e dos Maias. Mas, apesar de todas essas “coincidências”, não há explicação para como e quando esses povos de pele vermelha surgiram, a menos que mergulhemos nas próprias lendas e sagas desses povos.
Mitos e lendas maias
De acordo com o Chilam Balam, o livro dos sacerdotes da onça, dos Maias, a história {da humanidade atual} começa no ano 3113 a.C.{também este ano é considerada pela cultura da antiga Índia como o início do fim dos últimos 5.125 anos da Era do Kali Yuga, que termina na mesma data do fim do 13º Baktun do Calendário Maia, em 21 de dezembro de 2.012} O especialista alemão em temas maias, Wolfgang Cordan, relaciona esta data a um misterioso evento histórico de grande importância. A historiografia tradicional, no entanto, apenas menciona isso como uma curiosidade do complicado calendário Maia. De uma maneira surpreendente, as tradições escritas das nações da América Central coincidem com as lendas dos índios da selva e os hindus da antiga Índia. Os Toltecas e os Maias falam sobre a aparição de deuses e heróis que, sem nenhum esforço aparente, realizaram atos extraordinários.
Na língua Aruak da Amazônia também descreve a chegada e partida de carregadores de frutas cobertos com máscaras estranhas. Algum evento histórico similar parece ter influenciado todas as pessoas que viveram naquela época. Estamos cientes disso hoje, e embora possa ser apresentado envolto em um manto de mitologia, é, sem dúvida, baseado em eventos reais.
A única relação direta entre a história compreensível {a determinada pelos “eruditos”} e os mitos latino-americanos é encontrada nas lendas dos Quiche-Maya e dos Ugha Mongulala, exceto que suas tradições referem-se distintamente a deuses-reis e antigos pais possuindo incríveis qualidades físicas. Estes são os descendentes de uma misteriosa raça estelar; seres muito superiores aos homens e que depois de sua morte entram em uma segunda vida que é vetada para os mortais comuns.
“Se você quer se tornar um Deus”, diz o Chilam Balam dos Quiche-Maya, faça-se digno disso. Sua existência terrena e sua conduta devem estar em harmonia com a vontade dos deuses. Você deve seguir as leis éticas do cosmos. Só então os deuses se envergonharão de sua presença e voce falara com eles como iguais”.
Na Crônica de Akakor, os “Antigos Mestres que chamamos de deuses” chegaram à Terra por volta do ano 3.000 a.C. {também a mesma data da “chegada” de Krishna – em torno de 3.100 a.C. – na antiga Índia} e nos modelou à sua imagem. Os homens receberam nomes, linguagem e escrita; ensinaram-lhes algumas leis políticas e agrícolas elementares que foram parcialmente mantidas até agora; e, da mesma forma, foram transferidos para as residências subterrâneas como proteção contra uma catástrofe iminente. É assim que a crônica a coleta. As tradições orais e escritas dos povos mais antigos são invariavelmente comparáveis entre si mesmo entre povos que aparentemente nunca mantiveram contato.
Houve uma época, há mais de 10 mil anos, em que uma ou várias nações altamente civilizadas habitavam a Terra, dominavam os povos indígenas e realizavam atos que dependiam de cálculos matemáticos surpreendentes. De acordo com o Livro dos Mortos dos Egípcios, o Edda dos Celtas e o livro secreto indiano Mahabharata, eles até transferiam homens de um planeta para outro, na Índia eles voavam em espaçonaves Vimanas, usavam de raios de luz {Lasers?} e artefatos nucleares em seus conflitos}. Eles também foram responsáveis ​​pelo nascimento dos primeiros centros de civilização {no vale do rio Indus, hoje Paquistão, na Mesopotâmia, entre os rios Tigre e Eufrates, no Egito, no Rio Nilo} da nossa atual civilização que tem início em torno de 3.100 a.C., nos quais se desenvolveriam antigas culturas elevadas em termos de civilização.
As treze residências subterrâneas, independentemente de como nós contemplamos as memórias e tradições míticas, a verdade é que resolver os mistérios da Terra e a pré-história humana, e auto – explicativo alguma evidência arqueológica muito problemática. O deserto costeiro de Nazca, no Peru, é cheio de desenhos gigantescos que medem vários quilômetros, atravessados ​​por listras e linhas de figuras geométricas, esculpidos na rocha bruta e só podem ser definidos em sua imagem vistos do céu. Em sua meticulosa exploração da antiga cidade religiosa de Tiahuanaco, feita por Posnansky, ele descobriu estranhas câmaras subterrâneas por toda a cidade e cujas espessas paredes eram dotadas de precisão. Na impressionante fortaleza montanhosa de Sacsayhuamán, nas proximidades de Cuzco {antiga capital do império Inca}, existem blocos de pedra que pesam várias toneladas e se ajustam milimetricamente sem nenhum tipo de cimento.
O cronista espanhol e frade dominicano Montesinos atribui sua construção a uma nação poderosa que desapareceu muitas eras atrás. Tendo em vista os americanistas, a fortaleza teria sido construída na chave chamada estilo Inca imperial nos anos de 1480 a 1530. De acordo com a Chronicle of Akakor, os Pais Antigos construíram mais de 10.000 anos atrás cidades de pedra gigantes, entre as quais eles encontraram as treze residências subterrâneas e os túneis trapezoidais que cruzam a região amazônica.
Até agora, cidades subterrâneas só apareceram em mitos e lendas. A tradição tibetana e nepalesa fala do reino subterrâneo de Agartha. Os índios da América do Norte sabem da existência de enormes cavernas nas quais os thunderbirds {pássaros do Trovão} dos deuses eram mantidos e cuidados. Túneis e instalações subterrâneas vem sendo descobertos em todo o mundo.
No Peru e na Bolívia, especialistas e exploradores encontraram enormes passagens de pedra cuja construção seria difícil mesmo com o conhecimento técnico atual. Na série peruana de documentários do Peru, chegou-se a descrever uma expedição que, em 1923, envolveu membros da Universidade de Lima. Acompanhados por espeleólogos especialistas, cientistas penetraram nos túneis trapezoidais de Cuzco. Eles fizeram medições da abertura subterrânea e se dirigiram para a costa.
De repente, as comunicações com o ponto de entrada foram interrompidas. Depois de doze dias e quase exaustos, um único membro da expedição retornou à superfície. Mas suas histórias sobre um confuso labirinto subterrâneo eram tão incríveis que os infelizes colegas do explorador acreditavam que ele enlouquecera. Para evitar mais mortes, a polícia proibiu a entrada nas misteriosas passagens e dinamitou o ponto de entrada, selando-o.
O grande terremoto em Lima, em 1972, mais uma vez trouxe as estruturas subterrâneas peruanas para as manchetes dos jornais. Durante o trabalho de resgate, os técnicos descobriram longos corredores que ninguém suspeitaria estar lá. A exploração sistemática das fundações de Lima levou à surpreendente descoberta de que grandes partes da cidade eram atravessadas por imensos túneis, todos eles levando para dentro das montanhas nos Andes. Mas os pontos de terminação não puderam ser determinados, já que com o tempo eles se afundaram.
Quem construiu essas passagens? Quando? Para que e para onde elas levam?
Apenas duas das muitas teorias existentes nos oferecem uma explicação lógica. O primeiro refere-se às rotas de fuga construídas pelos Incas após a chegada dos conquistadores espanhóis. O segundo é baseado nas lendas incas, que atribuem os túneis a uma cidade antiga. Montesinos, em Memorias antiguas, historiales, políticas del Perú, escreve:
“Cuzco e a cidade arruinada de Tiahuanaco estão ligadas por uma gigantesca estrada subterrânea. Os incas não sabem quem a construiu. Eles também não sabem nada sobre os antigos habitantes de Tiahuanaco. Na sua opinião, foi construído por um povo muito mais antigo que depois recuou para a selva amazônica”. 
A Grande Catástrofe Universal
Os mitos das populações aborígines da América Latina formam um quadro bastante coerente. No passado distante, a Terra foi governada por uma poderosa raça de “deuses” que subjugou e civilizou as populações nativas e construiu cidades gigantescas.
Estes seres,  obviamente construíram cidades subterrâneas para si próprios, também construíram fortalezas em antecipação de uma guerra que obviamente acreditavam que era inevitável. A ocorrência real posterior de um evento terrível não só é confirmado pela tradição: mas também pela “ciência”, por geólogos e arqueólogos que supõe que a primeira Grande Catástrofe de acordo com a Crônica de Akakor, uma destruição do mundo de acordo com o vocabulário dos Mayas, o Dilúvio de acordo com o Antigo Testamento, isso realmente aconteceu, sendo a lembrança da última grande catástrofe planetária registrada por todos os povos antigos da Terra.
Atualmente, os cientistas interpretam como natural um evento que é um lugar comum na história e registros de todos os povos das antigas civilizações. Poderia ter sido causado por uma modificação do eixo da Terra devido à aproximação de uma estrela {um segundo sol de nosso sistema? – Que estaria VOLTANDO} ou de um cometa, ou a queda de uma lua ou de um grande meteoro. Numerosos geólogos acreditam que houve grandes mudanças na crosta terrestre e subsequentes ondas gigantescas varrendo todos os continentes. As lendas e mitos dos povos aborígenes atribuem esses fatos aos deuses. O registro Quiche-Maya, o Popol Vuh fala de uma visita dos deuses para destruir a Humanidade quando ela era má.
O livro secreto indiano Mahabharata {do qual o Bhagavad Gita, a história do mestre Krishna com seu principal discípulo, Aryuna é um excerto} descreve uma guerra entre os deuses. O Edda germânico fala de uma rebelião do submundo:
“O sol escurece. O trovão é desencadeado. O tronco da árvore Yggdrasill começa a tremer. O espírito das árvores geme. O gigante escapa. Tudo está chocado. No inferno, os laços de Surt, o amigo do sangue, se quebram. O céu explode. A barriga da terra se abre para o céu e vomita chamas de fogo e veneno. O deus se prepara para enfrentar o dragão. O Sol está oculto, a Terra afunda na água. As estrelas felizes {chuva de meteoros, asteroides} caem do céu”.
A Crônica de Akakor é complementar e em si mesma completa com as informações míticas de outros povos. Nos fala sobre duas raças divinas com diferentes propriedades físicas. O começo da guerra entre os “deuses” localiza-se no ano 13 (10.468 aC, segundo o calendário ocidental). Platão, em seu diálogo chamado Critias, menciona o ano 9.500 a.C. como aquele em que a lendária Atlântida foi destruída. O historiador Hemus fala de uma terrível catástrofe que ocorreu no ano 11.000 a.C., Posnansky localiza a destruição de Tiahuanaco para o ano 12.000 a. C. As traduções dos tabletes de barro cozido da antiga Suméria, traduzidos por Zecharia Sitchim, também colocam na mesma época um terrível dilúvio no planeta inteiro. Um filósofo grego, um historiador egípcio, um erudito judeu russo, Sitchin e um pesquisador alemão, todos confirmam algo que tem sido conhecido por um longo tempo pelas tradições orais e escritas de todos os povos antigos da Terra.
A ascensão da humanidade começou com a chegada de astronautas estrangeiros? O homem se desenvolveu na Terra ou ele veio de planetas distantes? Quem da mais crédito para as lendas de povos antigos que hipóteses científicas ou afirmações religiosas podem encontrar muitas indicações de que os deuses eram responsáveis e credíveis. Mas as lendas não são provas para àqueles “cérebros eruditos” que não aceitam contestação de seus dogmas. Nem mesmo as gigantescas cidades religiosas dos maias, as enormes pirâmides dos egípcios ou as espessas estruturas de Nazca no Peru necessariamente têm que ser estruturas não humanas. Eles são, na verdade, testemunhos do florescimento de altas civilizações que já não entendemos. Poderia ser essa enorme escala que, aos nossos olhos, eleva seus construtores à estatura dos deuses.

Antiga moeda fenícia encontrada no litoral do Brasil
Os egípcios, os fenícios e hebreus no Brasil {o reino de OPHIR da Bíblia} e nas Américas
A história do primeiro homem americano continua sendo um mistério. A maioria dos cientistas sustenta que atravessou a pé o deserto congelado do Estreito de Bering e que povoou o continente de norte a sul, vindo da Ásia. Os seguidores de Posnansky consideram-no descendente da população de Tiahuanaco. Muitos dos autores da ciência popular acreditam que ele é o sobrevivente da lendária Atlântida. Mas até agora ninguém foi capaz de fornecer evidências incontestáveis.

Sobre a referência ao perdido reino de OPHIR, com o qual o rei de Israel, Salomão, em conjunto com Hiram, rei de Tiro, teriam enviado três expedições, há cerca de 3 mil anos atrás, para coleta de material {ouro, prata, pedras preciosas e madeiras – almugue/mogno – nobres} para a construção do primeiro Templo de Jerusalém, saiba mais nos links à seguir:

Nota de Thoth: Referências bíblicas sobre o reino de Ophir e suas riquezas em MADEIRA, PEDRAS PRECIOSAS, PRATA E OURO:
Também as naus de Hiram, que de Ofir levavam ouro, traziam de Ofir muita madeira de almugue{mogno}, e pedras preciosas. E desta madeira de almugue fez o rei balaústres para a casa do “SENHOR” {o templo em Jerusalém}, e para a casa do rei, como também harpas e alaúdes para os cantores; nunca veio tal madeira de almugue{mogno}, nem se viu mais dela até o dia de hoje”.  1 Reis 10:12
“E também os servos de Hirão e os servos de Salomão, que de Ofir tinham trazido ouro, trouxeram madeira de algumins, e pedras preciosas”. 2 Crônicas 9:10
“E fez Jeosafá navios de Társis, para irem a Ofir por causa do ouro; porém não foram, porque os navios se quebraram em Eziom-Geber”. 1 Reis 22:49

Acima um grande navio de longo curso, um Trirreme fenício tipo Carpássio, para viagens oceânicas de longo curso, um modelo dos tantos barcos fenícios existentes já no século X a.C., época próxima à que reinou Salomão em Israel.
“E enviou-lhe Hirão, por meio de seus servos, navios, e servos práticos do mar, e foram com os servos de Salomão a Ofir, e tomaram de lá quatrocentos e cinqüenta talentos* de ouro; e os trouxeram ao rei Salomão”. 2 Crônicas 8:18
“E mandou Hirão com aquelas naus a seus servos, marinheiros, que sabiam (os caminhos) do mar, com os servos de Salomão”. 1 Reis 9:27
  • Um Talento pesava 34,2 kg nos tempos do rei Salomão. Assim sendo, foi extraído cerca de 15.390 quilos de OURO do reino de Ophir, equivalentes em reais, pela cotação atual do ouro de R$ 152,08 a GRAMA (cotação do dia 16/01/2019) o valor de R$ 2.340.511.200,00 !!!. Parece que nosso país vem sendo explorado há muito mais tempo do que imaginávamos…!!!

Em 1971, o professor americano Cyrus Cordón causou uma comoção ainda maior ao publicar uma teoria surpreendente. Este pesquisador afirmou que as antigas nações do Oriente sabiam da existência das Américas há milhares de anos. Como prova, ele apresentou a cópia de uma inscrição em fenício arcaico encontrada em uma laje de pedra que foi encontrada em Pouso Alto, no Estado da Paraíba, e que tem a seguinte inscrição:
 Tradução da inscrição fenícia (acima) de Pouso Alto, na Paraíba, que diz: 
“Somos filhos de Canaã, de saída, a cidade do rei. O comércio nos trouxe a esta distante praia, uma terra de montanhas. Sacrificamos um jovem aos deuses e deusas exaltados no ano de 19 de Hiram, nosso poderoso rei”. “Embarcamos em Ezion Geber, no Mar Vermelho, e viajamos com 10 navios. Permanecemos no mar juntos por 2 anos, em volta da terra pertencente a Ham (África), mas fomos separados por uma tempestade, nos afastamos de nossos companheiros e, assim, aportamos aqui: 12 homens e 3 mulheres. Numa nova praia que eu, o almirante, controlo. Mas auspiciosamente possam os exaltados deuses e deusas intercederem em nosso favor”
Abaixo a localização de Ezion Geber, no Golfo de Ácaba, na Península do Sinai.

{n.Thoth. Na Bíblia esta escrito: 
“Também todas as taças de beber do rei Salomão eram de ouro, e todos os vasos da casa do bosque do Líbano eram de ouro puro; não havia neles prata, porque nos dias de Salomão ela não tinha valor algum. Porque o rei tinha no mar as naus de Társis, com as naus de Hiram; uma vez a cada três anos voltavam as naus de Társis, e traziam ouro e prata, marfim, e bugios, e pavões. Assim o rei Salomão excedeu a todos os reis da terra, tanto em riquezas como em sabedoria”.  1 Reis 10:21-23
Assume o trono de Tiro, na Fenícia Hiram, o grande rei dos fenícios, os maiores navegantes do seu tempo (970 – 936), aliado de Davi e Salomão. Em 965 a.C, Salomão assume o trono de Israel. No seu reinado um fato extraordinário originou concretamente a ligação perene que teria o Ocidente com os mistérios Bíblicos; a construção do Templo de Jerusalém.}

BRASIL, UM NOME DE ORIGEM FENÍCIA?
No Livro “Before Columbus”, o professor Cyro H. Gordon, que publicou também a primeira gramática da língua ugarítica, afirmou que a origem do nome Brasil é fenícia, de acordo com seus estudos “BRZL” em ugarítico e outras línguas semíticas, significa ferro. Diversos dicionários também se referem a Brasil como mineral monométrico, sulfeto de ferro, piritas de ferro, tipo de ferro de cor amarela e brilhante, entre outras denominações do gênero. Ele afirmou também, que expressão inglesa “hard as Brazil” (tão duro como Brasil), refere-se mais à dureza do ferro, do que a do pau-brasil. 
Gordon não parou por aí, ele complementou suas explicações dizendo que no antigo folclore irlandês, existem referencias sobre a fantástica ilha “Hy Brasil” (Ilha do Brasil) no Atlântico, além da Irlanda, e que este nome é fenício (Î BRZL – Ilha do Ferro), e que as lendas ainda mencionam o desaparecimento no fundo do mar das ilhas Hy Brasil, e Atlântida, um traço típico dos fenícios que mantinham a política de manter sobre segredo absoluto sobre suas rotas marítimas, terras então desconhecidas de outros povos, fontes de riquezas, evitando a concorrência e garantindo o domínio do mercado. Gordon disse que até durante o tempo de Colombo, os exploradores europeus do Novo Mundo, procuravam pela Ilha do Brasil.
Se a referida Ilha do Brasil fez parte da atual Brasil, não se tem certeza, porém, nenhum outro lugar do mundo, merecia esse nome mais do que o Brasil, onde um dos seus principais recursos naturais continua sendo o ferro, onde O Brasil é o segundo maior produtor de minério de ferro do mundo, sendo que a China produz cerca de 21% e o Brasil, 19%. As maiores jazidas brasileiras estão em Minas Gerais, com 61,2% das reservas nacionais, Mato Grosso do Sul, com 28,1% e o Pará, com 10,4%.
As afirmações de Ciro Cordón provocaram uma explosão de indignação entre arqueólogos e historiadores, os tais “dogmáticos eruditos e acadêmicos”. A teoria reduziu os descobridores portugueses a meros epígonos dos navegadores fenícios e também forneceu uma explicação completamente nova para a origem do termo Brasil. A versão usual deriva seu nome da árvore do pau do Brasil. Segundo o professor americano, a palavra tem origem no vocabulário hebraico. Várias universidades brasileiras enviaram grupos de pesquisadores para a área em que o professor localizou a descoberta para estudar e verificar a descoberta sensacionalista.
A maior e mais cara das expedições inspecionou a região de Quixeramobin, no centro do Ceará, em 1971. Durante três meses de trabalho duro, mais de mil quilos de cerâmicas e amostras de solo foram coletadas. Os arqueólogos escavaram mais de 100 urnas e descobriram imagens de pedra misteriosas e ornamentos de porcelana coloridos. No mesmo outono, o diretor da expedição, o arqueólogo brasileiro Milton Parnes, ele publicou seu primeiro relatório, o que confirma as afirmações de Gordon e observações contidas na Crônica de Akakor sobre contatos entre Ugha Mongulala e o rei de estado chamado Samon {o hebreu Salomão?} localizada do outro lado do oceano {Atlântico} oriental.
As referências a uma antiga relação entre o Oriente e o {pseudo} Novo Mundo não se limitam às incríveis descobertas em diversos pontos do Brasil. Os livros egípcios dos mortos do segundo milênio a.C. fala sobre o reino de Osíris localizado em um país distante no oeste. As inscrições existentes nas rochas da região do Rio Mollar, na Argentina, estão claramente de acordo com as da tradição egípcia. Em Cuzco foram encontrados símbolos cerâmicos e objetos idênticos aos artefatos egípcios. Segundo o pesquisador americano Verril, eles constituem evidência da visita do rei Sargão de Akkad e seus filhos ao Peru nos anos 2.500-2.000 .aC. de C.


Os DEZ MANDAMENTOS gravado em uma rocha no interior do estado do Novo México, nos EUA
IMAGEM ACIMA: A inscrição de Los Lunas é uma versão abreviada do Decálogo ou os Dez Mandamentos, esculpida na face plana de uma grande pedra que fica ao lado de Hidden Mountain, perto de Los Lunas, no estado do Novo México, no interior dos EUA, a cerca de 56 quilômetros ao sul de Albuquerque. O idioma é hebraico, e o script é o alfabeto hebraico antigo, com algumas letras gregas misturadas. Veja Cline (1982), Deal (1984), Stonebreaker (1982), Underwood (1982) e / ou Neuhoff (1999).  para transcrições e tradução, e Deal (1984) para discussão e fotografias do cenário. 
George Moorehouse (1985), um geólogo profissional, indica que o pedregulho é do mesmo basalto que a tampa da meseta. Ele estima seu peso entre 80 a 100 toneladas, e diz que se moveu cerca de 2/3 da distância do topo da meseta para o chão do vale desde que se destacou de seu leito. A inscrição é inclinada em cerca de 40 graus no sentido horário a partir da horizontal, indicando que a pedra se instalou ou até se moveu de sua posição no momento em que foi inscrita. (A foto acima foi tirada com uma câmera inclinada.)
Em 1996, o Prof. James D. Tabor, do Departamento de Estudos Religiosos da Universidade da Carolina do Norte – Charlotte, entrevistou o falecido professor Frank Hibben (1910-2002), um arqueólogo aposentado da Universidade do Novo México, “que está convencido de que o a inscrição é antiga e, portanto, autêntica. Ele relata que viu o texto pela primeira vez em 1933. Na época, estava coberto de líquen e pátina e quase não era visível. Ele foi levado ao local por um guia que o vira a pedra quando ainda menino, na década de 1880. ” (Tabor 1997) FONTE}

Na Guatemala, os lugares e templos de consagração parecem ter sido erguidos seguindo o modelo das pirâmides egípcias. Sua arquitetura, que segue estritamente as leis astronômicas {a geometria sagrada}, aponta para a mesma origem ou para o mesmo construtor. Mas as indicações mais claras são encontrados na Amazônia e no estado federal de Mato Grosso: inscrições de vários metros de altura encontradas em paredes rochosas de difícil acesso exibem de forma inquestionável as características dos hieróglifos egípcios. Eles foram coletadas e interpretadas pelo pesquisador brasileiro Alfredo Brandão em sua obra de dois volumes “A Escrita Pre-Histórica do Brasil”. Em seu prólogo, ele escreve:
“Os navegadores egípcios deixaram seus rastros em todos os lugares, desde a foz do Amazonas até a Baía de Guanabara. Eles têm uma idade de cerca de 4.000 a 5.000 anos, e podemos conjeturar que as comunicações marítimas entre os dois continentes foram interrompidas em data posterior “.
Segundo a Crônica de Akakor, as relações entre o Egito e a América do Sul foram interrompidas no quarto milênio a.C. , ao serem destruídas as tribos da cidade de Ophir, que fora construída por Lhasa.

gazette-GrandCanyon-Article-caverna
Manchete do jornal “ARIZONA GAZETTE, segunda-feira 5 de abril, 1909: Explorações no Grand Canyon –  S.A. Jordan esta entusiasmado com a descoberta de uma imensa rede de cavernas e gigantescos salões onde foram encontrados artefatos egípcios e do Tibete….”A Notícia foi publicada no jornal ARIZONA GAZETTE, de segunda-feira 5 de abril, 1909.
“Uma Descoberta Notável no Grand Canyon Indica que povos muito antigos migraram do Oriente para o território da América do Norte, nos EUA, até o Grand Canyon:  
Segundo a história publicada ontem no Diário ARIZONA GAZETTE pelo Sr. Kinkaid, o arqueólogo do Instituto Smithsonian, que está a financiar a exploração, fizeram descobertas que provam conclusivamente que a raça que habitou nesta caverna misteriosa, escavada em rocha sólida por mãos humanas, era de origem oriental ou possivelmente do Egito  remontando a Ramses, faraó da 18ª DINASTIA (cerca de 1.300 a.C.)

Grand Canyon, rio Colorado, EUA
A imensa caverna subterrânea com cerca de uma milha de profundidade, cerca de 1.480 pés (cerca de 500 metros) abaixo da superfície, a longa passagem  principal foi desbloqueada, para encontrar uma outra enorme câmara que se irradia em dezenas de passagens em túneis, como os raios partindo do centro de uma roda.
Várias centenas de salas foram descobertas, todas com conexão com a passagem principal, uma delas tendo sido explorada para 854 pés (cerca de 300 metros) e outra há 634 (cerca de 200 metros) pés de profundidade.  Existem degraus que conduzem a partir desta entrada cerca de trinta jardas de que era da época quando a caverna foi habitada, ao nível do rio. Quando eu vi marcas de cinzel na parede dentro da entrada, me interessei, engatilhei a minha arma e penetrei na caverna.
diagrama-caverna-grand-canyon-kinkaid
Quase uma milha abaixo do solo, a cerca de 490 metros abaixo da superfície, a longa passagem principal foi escavada para encontrar outra câmara gigantesca da qual irradia dezenas de passagens, como os raios de uma roda.Várias centenas de salas foram descobertas, alcançados por corredores que vão da passagem principal, um deles tendo sido explorado por 285 metros e outros 215 metros. Os achados recentes incluem artigos, que nunca foram conhecidos como nativos deste país e que, sem dúvida, eles tiveram sua origem no Oriente.
Durante essa exploração, voltei várias centenas de pés ao longo da passagem principal, até que cheguei à cripta principal, lugar em que eu descobri as múmias egípcias.  Uma dessas múmias eu levantei e fotografei usando a lanterna como flash. Eu recolhi uma série de relíquias, que eu carreguei pelo rio Colorado até Yuma, de onde eu enviei para Washington com os detalhes da descoberta. Depois disso, as explorações foram iniciadas”. FONTE }

Se a teoria do professor Cordón é aceita, a relação entre estes povos foi retomada no décimo nono ano de Hiram (cerca do ano 1.000 a.C.) pelos fenícios em associação com os hebreus. E os registros dos Ugha Mongulala, na Crônica de Akakor afirma que no ano 500 d.C., chegaram os ostrogodos, que tinham se aliado com navegadores do norte da Europa. E finalmente, outros mil anos depois, os espanhóis e portugueses chegaram em busca de uma rota marítima mais curta para a Índia.
A AMÉRICA, O {PSEUDO} NOVO MUNDO FOI “REDESCOBERTA”
Pré-história dos Incas
A viagem de Cristóvão Colombo foi a primeira a trazer notícias ao Ocidente sobre as civilizações americanas. Os escribas de Sua Majestade Espanhola descreveram as cidades, condenaram as tradições religiosas do povo e estabeleceram as primeiras cronologias e começaram a carnificina dos povos nativos. O historiador espanhol Pedro Cieza de León e o descendente dos Incas Garcilaso de la Vega situam o nascimento do império inca nos primeiros séculos da era cristã. Só o cronista Fernando Montesinos dá uma exata tabela genealógica dos reis do Sol incas, e isso remonta à era pré-cristã. 
Durante muito tempo, a historiografia moderna aceitou a validade das datas de Pedro Cieza de León e considerou que o início do império inca teria ocorrido por volta de 500-800 d.C. {para que o orgulho e a arrogância do europeu não fosse ferida} Supunha-se que neste período de tempo essa poderosa nação de guerreiros teria começado a conquista do Peru e que 300 anos depois se estenderia até a costa do Pacífico. Os novos governantes do Peru desenvolveram um forte estado de orientação socialista e estabeleceram o maior império conhecido na história da América Latina. Apenas os achados arqueológicos mais recentes nas terras altas do Peru e da Bolívia resultaram em visões históricas totalmente diferentes.
Dado que é tão difícil explicar a ascensão dos Incas a uma potência mundial ao longo de um período de 300 anos, a fim de compreender o desenvolvimento de um estado “socialista”, a “nova teoria” sustenta que a origem dos incas é de centenas, até milhares de anos antes do referido 500 d. de C. O historiador Montesinos , que por muito tempo foi desacreditado como fantasia, começa a ser recuperado em sua credibilidade:
“Há muito tempo atrás, o divino Viracocha emergiu de uma caverna. Ele era mais sábio e mais poderoso que os homens comuns, ele agrupou as tribos ao seu redor e fundou Cuzco, a cidade dos quatro cantos do mundo. Este é o começo da história dos Filhos do Sol, que é como eles se chamam”.
Montesinos é o único historiador espanhol que coloca a origem do império inca na era pré-cristã. No entanto, ele é mais apoiado por seus colegas quando descreve as mulheres da família governante. Pedro Pizarro, o conquistador do Peru, está animado com a pele branca das mulheres do Inca, o cabelo “cor do trigo maduro” e suas feições finamente moldadas, o que compara favoravelmente com os de qualquer beleza feminina de Madrid. Qualquer um que esteja familiarizado com os índios peruanos das terras altas não pode deixar de se surpreender com esse retrato. Os descendentes dos orgulhosos Incas são pequenos em estatura e têm pele avermelhada – exatamente o oposto do ideal da beleza espanhola.
Fernando Montesinos relaciona-o com o lendário Viracocha. Pedro Pizarro acrescenta que os nativos consideram seu príncipe como “filho do deus do céu”, bem como todos os brancos de cabelos louros. A Crônica de Akakor descreve Viracocha como pertencente à raça do divino príncipe Lhasa. As lendas dos índios peruanos das terras altas falam de uma tribo de pele branca que desapareceu na selva sem deixar vestígios. Mas esta cidade misteriosa não desapareceu completamente.
Em 1911, o explorador americano Hiram A. Binham descobriu a cidade arruinada de Machu Picchu , no Vale do Urubamba e a uma altitude de 3.000 metros. Estava relativamente bem preservada e tinha muitas semelhanças com as fortalezas da montanha Inca. Mas nem os contemporâneos de Pizarro nem os descendentes dos reis do Sol tiveram notícias sobre sua existência. Binham veio para descobrir a cidade porque seguia os passos de uma antiga lenda {não se prendeu aos dogmas dos eruditos e especialistas}; essa foi a razão pela qual ele confundiu Machu Picchu com a ainda incerta cidade inca de Paititi , o reduto do príncipe Inca Manco II.
Enquanto isso, descobertas arqueológicas mostraram que Machu Picchu não é idêntico ao Paititi. A cidade em ruínas data de uma época sobre a qual não sabemos nada e é um daqueles milagres arqueológicos que resistiram a qualquer tentativa de interpretação. Só foi explicado e colocado em sua perspectiva histórica pela Cronica de Akakor. De acordo com a história escrita dos Ugha Mongulala , a “cidade sagrada” foi fundação de Lhasa, o Filho Escolhido como governante pelos deuses. Quando, com a chegada dos espanhóis, o império inca afundou, os Ugha Mongulala deixaram Machu Picchu e retiraram-se para as profundezas da selva.
Os Godos na América Latina
A historiografia tradicional se mostra prudentemente sobre a pré-história dos Incas e dos Maias, devido à escassez de dados, embora o fim de suas civilizações seja amplamente descrito por historiadores espanhóis. Exatamente o oposto ocorre com os ostrogodos, que raça orgulhosa de fortes e grandes guerreiros germânicos que conquistou a Itália em um período de sessenta anos e mais tarde foram derrotados pelo general Narses do Império Romano do Oriente, na Batalha de Monte Vesúvio no ano 552 d.C. Os últimos sobreviventes do outrora poderoso povo desapareceram sem deixar vestígios {na Europa}. Os linguistas afirmam ter descoberto seus descendentes no sul da França; etnologistas e historiadores acham que estão no sul da Espanha.
De acordo com a Crônica de Akakor , os sobreviventes dos infelizes godos se aliaram aos ousados ​​navegantes do norte. Suas duas nações saíram juntas para encontrar e atravessar as Colunas de Hércules {o Estreito de Gibraltar}, onde se queixariam aos deuses. Por trinta luas, cruzaram o infinito oceano até chegarem à foz do Grande Rio {Amazonas}. Os linguistas concordam em pelo menos um ponto. As colunas de Hércules, já mencionadas na mitologia grega, coincidem com o estreito de Gibraltar, entre a Espanha e o norte da África.
Ali estava o lugar onde os godos procuravam os deuses que os haviam abandonado. Mas suas esperanças foram traídas: um forte vento empurrou os navios de seus aliados para o mar aberto. As embarcações de madeira com cerca de cinquenta metros dos “navegadores corajosos” deveriam ser bem construídas, porque os Vikings foram os primeiros europeus a caminhar sobre a superfície da Groenlândia, e teriam descoberto efetivamente, de acordo com muitos especialistas, a América do Norte, tendo chegado ao Canadá por volta do ano 1.000 d.C.. Suas incursões no Mediterrâneo ocidental foram confirmadas, de modo que o contato com os godos não pode ser descartado.
Na América do Sul, os vestígios dos povos nórdicos brancos são bastante numerosos e confusos. Primeiro, as relações lingüísticas entre as línguas americana e nórdica; então, a crença na origem divina; da mesma forma, estruturas semelhantes. Evidência concreta da presença de povos nórdicos na Amazônia é fornecida pelas pinturas rupestres da famosa Pedra Pintada na área superior do rio Negro, afluente do rio Amazonas. Há desenhos de carros e navios vikings. Isso é realmente surpreendente, já que nenhum povo americano conhecia a roda antes da chegada dos espanhóis. Para o rei inca Atahualpa, o ataque a uma montanha era menos uma questão de tecnologia do que um meio de manter os trabalhadores ocupados.

A Pedra Pintada na área superior do rio Negro, afluente do rio Amazonas
A pré-história das nações da América Central também é tão misteriosa e sombria quanto a dos Incas. As poucas notícias escritas e documentos que poderiam ser salvos das chamas da Inquisição da “Santa” igreja de Roma resistiram às tentativas de decifração até dos computadores mais sofisticados. A cronologia maia é o calendário mais matematicamente correto de toda a história do mundo. Juntamente com as ruínas do templo de Chinchen Itza, constitui o último resíduo de uma civilização que era pelo menos igual (senão superior) à das culturas europeias contemporâneas.
O maior mistério do país dos maias são as cidades inacabadas da selva guatemalteca. “Sabemos” {porque assim nos dizem} que elas foram construídas entre os anos de 300 e 900 d.C., mas não temos a menor ideia de quem os mandou construir e por qual propósito. O pesquisador Maia Rafael Girard suspeita que uma das razões para a súbita interrupção das construções poderia ser uma grande fome que levou a cidade a se mudar para a zona sul do México. A Crônica de Akakor menciona as cidades inacabadas em relação aos godos.
Para evitar uma invasão “dos povos do Norte adornados com penas”, o conselho supremo ordenou a construção de grandes cidades nos estreitos, mas elas nunca seriam concluídas. Depois de alguma catástrofe, as forças enviadas foram para o norte. Os dados que dão é o ano de 560 d.C., que coincide com os pressupostos científicos apresentados pelos eruditos. Até agora, o problema da chegada ao Novo Mundo dos godos ou outros povos nórdicos ainda não foi esclarecido. Há um certo número de diferentes teorias, todas elas disseminadas por “cientistas de renome”. Além disso, a historiografia tradicional mostrou até que ponto ela é mediada pelo pensamento contemporâneo e pelos preconceitos e dogmas.

Por gerações, os historiadores cometeram erros grotescos, como a descoberta da América por Cristóvão Colombo ou a construção de Tiahuanaco em 900 dC. É possível que os especialistas atuais tenham adotado as seguintes duas suposições e que tenham permanecido firmes nelas: tudo começou com as hordas selvagens da Ásia e terminou com os conquistadores espanhóis. Mas lembremos que apenas há setenta anos, nada se sabia sobre a fortaleza de Machu Picchu. Também é digno de nota mencionar que os dogmas científicos dos “acadêmicos eruditos especialistas” de vez em quando são simplesmente explodidos pelos fatos incontestáveis como a própria descoberta de Machu Picchu bem como a descoberta dos restos de Tróia, que durante muito tempo foi apenas considerada pelos “especialistas’ como um mero mito até que nos anos 1870 o arqueólogo alemão Heinrich Schliemann escavou a área indicada exatamente por aquilo que os “acadêmicos eruditos especialistas” consideravam como apenas um mito e a encontrou. 
Cincoenta anos atrás, a Amazônia ainda era considerada um vazio arqueológico. Quarenta anos atrás, os “cientistas” ainda afirmavam que o número de índios na floresta nunca havia excedido um milhão. Ainda pode haver muitos segredos enterrados sob as rochas dos Andes ou na vastidão das florestas e das selvas. Ainda estamos muito longe de saber toda a verdade sobre essa imensa região do planeta e do Brasil.
Continua…

Mais informações, leitura adicional:
Permitida a reprodução desde que mantida na formatação original e mencione as fontes.
Compartilhe com seus amigos, imprima, copie o link, envie por e-mail.
VOLTAR AO INICIO

Mapa das Postagens

PESQUISE POR ASSUNTO

AS PREFERIDAS DO MÊS

Busque Conhecimentos

Brasil, Cresceu 14% ao Ano já foi uma Nação de 1º Mundo? Mistérios: Ilhas assustadoras.
Brasil, Eu Te Amo Meu Brasil (Hino musical anos 70/80). Mistérios: Inexplicáveis do Antigo Egito.
Brasil, Lula entregava os companheiros ao DOPS? Mistérios: Inexplicáveis do Mundo.
Curiosidades: 7 moedas valiosas que estão em circulação. Mistérios: Nossos Antepassados e as coisas estranhas.
Curiosidades: A Inteligência dos animais Mistérios: O Criador e o numero secreto em sua criação?
Curiosidades: A mais alta ponte do Planeta Terra. Mistérios: O que significa coisas de um Olho Só?
Curiosidades: As mulheres mais diabólicas da História. Mistérios: Objetos curiosos de Origem desconhecida.
Curiosidades: Descobriram a verdade da ilha da Páscoa. Mistérios: Quem construiu estas belas Obras?
Curiosidades: Descubra o que é Boatos e Verdades. Mistérios: Quem Somos Nós – O que é real?
Curiosidades: Discovery Brasil – Mistério no Planeta. Mistérios: Símbolos e seus Verdadeiros Significados.
Curiosidades: Gatos e a Espiritualidade! Mistérios: Viagens no Tempo – 1.
Curiosidades: Gatos em casa faz bem a saúde? Mistérios: Viagens no Tempo – 2.
Curiosidades: Gatos Malabaristas Mistérios: Viagens no Tempo – 3.
Curiosidades: História do Mundo – A História de Israel. Musica: André Rieu - Don't cry for me Argentina.
Curiosidades: Informações sobre os illuminati. Musica: Andre Rieu & 3 year old violinist, Akim Camara
Curiosidades: Leonardo da Vinci – parte 1. Musica: André Rieu & Gheorghe Zamfir - The Lonely
Curiosidades: Leonardo da Vinci – parte 2. Musica: Bolero Ravel - Orquesta Sinfónica Galicia.
Curiosidades: Museus Virtual Musica: Christmas in Vienna 1999 The Three Tenors
Curiosidades: Nascimento, morte e a volta Antonov 225 Musica: Elvis Presley Unchained Melody
Curiosidades: O Livro Egípcio dos Mortos. Musica: My Way – Legendado – Frank Sinatra.
Curiosidades: O livro Tibetano dos Mortos. Musica: NUNCA julgue na aparência – Susan Boyle – 1.
Curiosidades: O Maior Porta Aviões do Planeta. Musica: NUNCA julgue na aparência – Susan Boyle – 2
Curiosidades: Segredos escondidos em Marcas famosas 1 Musica: O Tango - Perfume de Mulher (1992) HD.
Curiosidades: Segredos escondidos em Marcas famosas 2 Musica: Satânica que você já cantou?
Curiosidades: Vida e Obra de Albert Einstein. Musica: Whitney Houston - I Will Always Love You.
Energias: 520 741 8 Código Grabovoi – Códigos de Curas. Musica: Wintergatan – (Music Instrument)
Energias: Áudio p/glândula pineal. Poderosa ressonância Musica: X-Files Theme Full (illuminati Song).
Energias: Audio, Hipnose Abundancia e Prosperidade Prosperidade: Egito e os Israelitas.
Energias: Musica 963Hz + 852Hz + 639Hz | Pineal Chakra Prosperidade: sinais que você reencarnou.
Energias: pare de absorver energia negativa de pessoas. Prosperidade: Sinais que você tem um dom espiritual.
Energias: Remove Mental Blockages & Negativity Prosperidade: Sinais Secretos da Palma da Mão.
Energias: SONO e CURA MILAGROSA 432Hz Dormir Religião: A Bíblia – o lado oculto da Virgem Maria.
Energias: Cemitérios, Antro Mágia Negra e Larvas Astrais Religião: A COSMOLOGIA nos segredos de Enoque.
Energias: Larvas Astrais e Mentais! Religião: A História do Arcanjo Miguel.
Energias: Musica 1 hr Theta Binaural Beat Session (1.5Hz) Religião: Apocalipse de Pedro.
Energias: Musica 1 hr Theta Binaural Beat Session (2.5Hz) Religião: Carta de Pilatos – Apócrifo.
Energias: Musica 1 hr Theta Binaural Beat Session (3.5Hz) Religião: Com quem Caim casou?
Energias: Musica 1 hr Theta Binaural Beat Session (4.5Hz) Religião: Conhecimentos, Secreto, de Jesus?
Energias: Musica 1 hr Theta Binaural Beat Session (5.5Hz) Religião: Evangelho Apócrifo de Felipe.
Energias: Musica 1 hr Theta Binaural Beat Session (6.5Hz) Religião: Fatos ou Mitos da Bíblia Hebraica.
Energias: Musica 1 hr Theta Binaural Beat session (7.5Hz) Religião: Jesus Cristo casou e teve filhos?
Energias: Musica 1 hr Theta Binaural Beat Session (8.5Hz) Religião: Jesus é Deus Sol.
Energias: Musica 1 hr Theta Binaural Beat Session (9.5Hz) Religião: Jesus é o Arcanjo Miguel?
Energias: Musica 741 HZ- CLEANSE INFECTIONS, VIRUS Religião: Os códigos secretos da Ultima Ceia de Jesus.
Energias: Musica Namaste Music: Flute Meditation Religião: Os segredos da Bíblia O verdadeiro Jesus.
Energias: Musica regenerar a Aura/Chakras Religião: Qual foi o fruto proibido que Eva deu Adão.
Energias: The Best of Classical Music – to Relax. Religião: Qual motivo de comemorar o Natal?
Energias: Você ainda come Carne Vermelha? Religião: SÃO CIPRIANO - Mago do Livro Negro
Saude: Câncer tem cura?
Saude: Churrasco na Panela de Pressão?
Saude: Porque você, ainda, toma Leite?
Sexo: Famosos, morreram fazendo Sexo.