9 de set de 2019

FOGO NA AMAZÔNIA

 BlackRock está “colhendo”, literalmente, grandes lucros

Posted by  on 08/09/2019
Amazônia
Amazônia
De acordo com um novo relatório da Friends of the Earth, a Amazon Watch e a Profundo, a empresa de gestão de fundos de investimentos Black Rock Inc (“Pedra Negra”), cujo CEO é Larry Fink, é um dos principais investidores em empresas responsáveis pela destruição de florestas tropicais na Amazônia e no resto do mundo. O banco de investimentos Black Rock Inc (“Pedra Negra”) com sede em Nova York também é um dos dez principais acionistas de outras 50 das principais empresas de risco de desmatamento do mundo, acrescentou o relatório. O Fundo de Pensões do Governo da Noruega abordou a crise na Amazônia impedindo que seu fundo adquira investimentos da BlackRock (“Pedra Negra”) que possuem empresas vinculadas ao desmatamento global.
Tradução, edição e imagens:  Thoth3126@protonmail.ch
Com o caos na Amazônia a BlackRock está “colhendo” literalmente grandes lucros enquanto as florestas do mundo queimam

“A vítima da manipulação mental não sabe que ela é uma (ignorante) vítima. Para ele, os muros de sua prisão são invisíveis, e ele acredita ser livre”.  –  Aldous Huxley

O relatório chamado Grande Problema de Desmatamento da BlackRock (“Pedra Negra”), publicado no site da Amazon Watch, afirma que a BlackRock (“Pedra Negra”) é um dos três principais acionistas em 25 das maiores empresas de risco de desmatamento de capital aberto do mundo, conhecidas por produzir polpa de óleo de palma, borracha e madeira para produção de papel, mas também têm um longo histórico na queima de florestas para limpar terras para fins agrícolas e criação de pastos para bovinos.
O banco de investimentos com sede em Nova York também é um dos dez principais acionistas de outras 50 das principais empresas de risco de desmatamento do mundo, acrescentou o relatório. Os dados apresentados são claros, desde a Amazônia para as grandes florestas da África e do Sudeste Asiático. A BlackRock (“Pedra Negra”) é “líder global” no financiamento da destruição de florestas, disse Jeff Conant, gerente sênior do programa florestal internacional da Friends of the Earth US, principal autor do relatório.
Enquanto esse gigante financeiro continuar a apoiar incondicionalmente as empresas de agronegócio mais destrutivas do mundo, as florestas do mundo e, consequentemente, o clima, a água e os direitos das pessoas que habitam as florestas continuarão a arder em chamas. A BlackRock (“Pedra Negra”) está literalmente colhendo lucros à medida que as selvas do mundo queimam e são destruídas
O investimento da BlackRock (“Pedra Negra”) em empresas de risco de desmatamento tem aumentado na última meia década. No ano fiscal de 2014, a BlackRock (“Pedra Negra”) possuía aproximadamente US$ 1 bilhão em investimentos em risco de desmatamento, para quatro anos depois, no ano fiscal de 2018, o valor desses investimentos saltou para US$ 16 bilhões.
O relatório disse que as participações em empresas de commodities ligadas ao desmatamento da empresa de investimento são compostas principalmente por fundos de investimentos. Em 2014, 80% das participações em commodities ligadas ao desmatamento da BlackRock (“Pedra Negra”) foram através de fundos de investimentos  em 2018, saltou para 94%.
A BlackRock (“Pedra Negra”) alega que suas mãos estão atadas pelos fundos de investimentos. É errado que a BlackRock (“Pedra Negra”) possa seguir a liderança de outros gerentes de ativos globais e fazer mudanças para o bem da floresta tropical, o clima e de seus clientes, deslocando investimentos de empresas que estão destruindo o planeta e aplicando a máxima pressão para mudar o comportamento da empresa, disse Moira Birss, Finance Campaign Director da Amazon Watch.
Os incêndios atualmente em curso na Amazônia demonstram claramente o risco que a expansão do agronegócio representa para os povos indígenas da floresta amazônica e para o clima global. Ao expandir investimentos nas próprias indústrias cúmplices dessa destruição, a BlackRock (“Pedra Negra”) está encorajando o presidente brasileiro Jair Bolsonaro a continuar sua busca por arrasar a Amazônia para obter lucro,  acrescentou Birss.
O Fundo de Pensões do Governo da Noruega abordou a crise na Amazônia impedindo que seu fundo adquira investimentos da BlackRock (“Pedra Negra”) que possuem empresas vinculadas ao desmatamento global. O Sistema de Aposentadoria dos Funcionários Públicos da Califórnia é outro fundo que classificou as empresas ligadas ao desmatamento como um investimento de sério risco Enquanto isso, a BlackRock (“Pedra Negra”) não tomou nenhuma dessas medidas.
A administração responsável de qualquer empresa e dos recursos que ela explora é mais do que apenas declarações públicas agradáveis. É sobre alinhar sua estratégia de investimento com padrões ambientais e sociais amplamente aceitos, e necessários, na atual conjuntura, disse Ward Warmerdam, da Profundo. Trata-se de implementar essa estratégia, fazendo demandas das empresas nas quais você investe sua alavancagem significativa para garantir que suas demandas sejam atendidas e que danos ambientais e sociais irreversíveis sejam evitados, além de cumprir seu dever fiduciário.
Mergulhar na” toca do coelho” das participações da BlackRock (“Pedra Negra”) mostra que seus investimentos em empresas de risco de desmatamento vêm aumentando na última meia década.
A BlackRock (“Pedra Negra”) fez enormes investimentos em empresas de produção de celulose e papel e óleo de palma, além de investimentos em borracha, madeira e criação de pastos para engorda de bovinos, com muitas dessas empresas operando na América do Sul. Os investimentos da BlackRock (“Pedra Negra”) em celulose e papel aumentaram de US$ 103 milhões em 2014 para US$ 565 milhões em 2018, um aumento de 548% de ganho em valor.
E com a BlackRock (“Pedra Negra”) canalizando capital de investimento global para empresas de risco de desmatamento que estão destruindo a Amazônia e as demais florestas do mundo, parece que para os banqueiros de Wall Street está perfeitamente bem em se queimar toda a Amazônia para fins altamente lucrativos e imediatos.
O relatório completo pode ser acessado neste LINK.

Estas quatro grandes empresas controlam o mundo, mas você provavelmente nunca ouviu falar delas. Algumas pessoas começaram a perceber que existem grandes grupos financeiros que dominam o ambiente de negócios no planeta. Esqueça as intrigas políticas, os conflitos, revoluções e as guerras. Nada é por puro acaso. Tudo vem sendo planejado por um longo, longo tempo e debaixo de nossos narizes.
Mas QUEM está por trás do PNC, FMR (Fidelity), State Street, por trás do Barclays e da BlackRock Inc ?

BlackRock (Pedra Negra, como a Caaba em MECA) também é o mesmo significado de ITAÚ (Itaú em tupi-guarani significa literalmente: ¨a pedra preta¨. (itá+u) 
E poderíamos continuar por horas, passando por paraísos fiscais nas Ilhas Cayman, o principado de Mônaco ou o domicílio legal de empresas da Shell em Liechtenstein. Uma rede onde as empresas são sempre as mesmas, mas nunca tem um nome de “família”.
Em resumo: as oito maiores empresas financeiras dos EUA (JP Morgan, Wells Fargo, Bank of America, Citigroup, Goldman Sachs, US Bancorp, Bank of New York-Mellon e Morgan Stanley) são 100% controladas por dez acionistas e temos quatro empresas sempre presente em todas as decisões: BlackRock, State Street, Vanguard e Fidelity.
Além disso, o Federal Reserve (o pseudo “banco central” dos EUA, controlado pelos Rothschild) é composto por 12 bancos, representados por um conselho de sete pessoas, composto por representantes das “quatro grandes”, que por sua vez estão presentes em todas as outras entidades.
Em suma, o Federal Reserve (FeD) é controlado por quatro grandes empresas privadas: BlackRock, State Street, Vanguard e FMR (Fidelity). Essas empresas controlam a política monetária dos EUA (e do mundo ocidental) sem qualquer controle ou escolha “democrática”. Essas empresas criaram a crise de 2008 e participaram da atual crise econômica mundial e conseguiram se tornar ainda mais enriquecidas … Fim de Citação}

Image result for the end gifs
Isto é tudo pessoal, o Tempo acabou!
“Haverá muitas mudanças dramáticas no clima do planeta, muitas mudanças nas condições meteorológicas  na medida em que o tempo da grande colheita se aproxima muito rapidamente  ao longo dos próximos anos. Você vai ver a velocidade do vento em tempestades ultrapassando 300 milhas (480 quilômetros) por hora, às vezes. Deverão acontecer fortes tsunamis e devastação generalizada NAS REGIÕES COSTEIRAS, e emissão de energia solar (CME-Ejeção de Massa Coronal do Sol)  que fará  importante fusão e derretimento das calotas de gelo nos polos, e subseqüente aumento drástico no nível do mar, deixando muitas áreas metropolitanas submersas em todo o planeta“.  SAIBA MAIS no LINK

Muito mais informações, LEITURA ADICIONAL:
Permitida a reprodução desde que mantida a formatação original e mencione as fontes.

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Sua participação é fundamental, participe:

Mapa das Postagens

PESQUISE POR ASSUNTO

Seguidores

AS PREFERIDAS DO MÊS